Agência de Jornalismo Investigativo

Investigação internacional conduzida pelo ICIJ – com participação da Pública – revela que pelo menos 3,4 milhões de pessoas foram prejudicadas na última década por projetos financiados pela instituição

16 de abril de 2015
09:45
Este texto foi publicado há mais de 7 anos.

Na última década, pelo menos 3,4 milhões de pessoas foram negativamente impactadas por projetos de desenvolvimento do Banco Mundial. Populações locais foram removidas de suas casas, expulsas de suas terras ou prejudicadas economicamente para dar lugar a barragens, usinas de energia e outros projetos de infraestrutura financiados pela instituição.

Criado para reduzir a pobreza e promover o desenvolvimento, o Banco Mundial falhou em aplicar as regras que ele mesmo criou para proteger as comunidades afetadas por seus projetos – o que trouxe consequências devastadoras para algumas das populações mais pobres e vulneráveis do planeta.

Estas são algumas das principais descobertas de um intenso trabalho de investigação feito por um grupo de veículos internacionais e coordenado pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (International Consortium of Investigative Journalists, o ICIJ) e pelo Huffington Post. A agência Pública participou do projeto, que incluiu veículos como El País, National Public Radio (NPR) e The Guardian, entre outros parceiros.

Um time de mais de 50 jornalistas de 21 países passou cerca de um ano documentando o fracasso do banco em tentar proteger as pessoas marginalizadas em nome do progresso. Os repórteres analisaram milhares de documentos do Banco Mundial, entrevistaram centenas de pessoas e foram a campo para investigar violações na Albânia, Brasil, Etiópia, Honduras, Gana, Guatemala, Índia, Quênia, Kosovo, Nigéria, Peru, Sérvia, Sudão do Sul e Uganda.

No Brasil, nossos repórteres descobriram que açudes construídos para enfrentar a seca no Ceará deixaram as populações removidas sem fonte de água potável.

Confira o especial “Expulsos e Abandonados”.

 

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Saiba quem é e o que disse o policial legislativo do Senado investigado por atos golpistas

3 de fevereiro de 2023 | por

Alexandre Hilgenberg é servidor desde 1996; no dia 8 de janeiro ele pediu apoio a invasão do Congresso em suas redes

Parlamentares participam de sessão na Câmara dos Deputados

As igrejas que dominam a nova ala evangélica na Câmara

2 de fevereiro de 2023 | por

Assembleia de Deus, Batista e IURD reúnem 58% dos 93 parlamentares evangélicos empossados na atual Legislatura

Agricultor Neri Gomes de Souza mostra sua plantação no assentamento Roseli Nunes

Agrotóxicos colocam em risco produção agrofamiliar em assentamento no Mato Grosso

2 de fevereiro de 2023 | por e

Relatório aponta contaminação da água de rios, poços, chuva e até caixa d'água da escola por 10 tipos de agrotóxicos