Agência de Jornalismo Investigativo

Seis meses depois da lama da Samarco, comunidades do Rio Doce lutam por justiça

5 de Maio de 2016

A Pública acompanhou a caravana dos movimentos sociais ao Rio Doce, no percurso de Regência, no Espírito Santo, a Governador Valadares, em Minas Gerais; encontrou comunidades desestruturadas e ribeirinhos sem fonte de renda

O rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, continua impactando comunidades que dependiam do Rio Doce para obter sustento econômico, abastecimento hídrico, alimentação e lazer. Seis meses após o desastre provocado pela Samarco, pertencente às maiores mineradoras do mundo, BHP Billinton e Vale S.A, pouco foi feito para remediar a situação dessas comunidades.

A Samarco negociou um acordo com os governos estadual e federal e a Justiça para minimizar as reparações devidas, deixando ribeirinhos sem renda e comunidades desagregadas.

Enquanto a barragem segue despejando lama contaminada de rejeitos de minério à bacia do Rio Doce, ribeirinhos e indígenas lutam por recompensa pelos direitos violados.

A reportagem da Pública acompanhou a Caravana Territorial da Bacia do Rio Doce, articulada por movimentos sociais, pesquisadores acadêmicos e representantes do Ministério Público para fortalecer e ouvir as comunidades atingidas.

No percurso entre Regência, no Espírito Santo, e Governador Valadares, em Minas Gerais, investigou e registrou a situação dos povos do Rio Doce. Confira a reportagem em vídeo:

Comentários

Mais recentes

Explore também

O que há por trás da queda no desmatamento celebrada por Temer

22 de setembro de 2017 | por

Em discurso na ONU, presidente omitiu contexto ao dizer que números indicam redução de 20% na derrubada da Amazônia

Programa de bolsas da Gênero e Número traz latino americanas para a Casa Pública

12 de novembro de 2016 | por

O primeiro fellowship no Brasil sobre jornalismo de dados com foco em gênero está a todo vapor no centro cultural da Pública

Como nasce o “prensado”

21 de agosto de 2017 | por

Flagramos diversos problemas na colheita da maconha paraguaia que podem afetar a saúde do usuário; como o mercado é ilegal, até erva estragada é enviada para o Brasil