Agência de Jornalismo Investigativo

Seis meses depois da lama da Samarco, comunidades do Rio Doce lutam por justiça

5 de maio de 2016

A Pública acompanhou a caravana dos movimentos sociais ao Rio Doce, no percurso de Regência, no Espírito Santo, a Governador Valadares, em Minas Gerais; encontrou comunidades desestruturadas e ribeirinhos sem fonte de renda

O rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, continua impactando comunidades que dependiam do Rio Doce para obter sustento econômico, abastecimento hídrico, alimentação e lazer. Seis meses após o desastre provocado pela Samarco, pertencente às maiores mineradoras do mundo, BHP Billinton e Vale S.A, pouco foi feito para remediar a situação dessas comunidades.

A Samarco negociou um acordo com os governos estadual e federal e a Justiça para minimizar as reparações devidas, deixando ribeirinhos sem renda e comunidades desagregadas.

Enquanto a barragem segue despejando lama contaminada de rejeitos de minério à bacia do Rio Doce, ribeirinhos e indígenas lutam por recompensa pelos direitos violados.

A reportagem da Pública acompanhou a Caravana Territorial da Bacia do Rio Doce, articulada por movimentos sociais, pesquisadores acadêmicos e representantes do Ministério Público para fortalecer e ouvir as comunidades atingidas.

No percurso entre Regência, no Espírito Santo, e Governador Valadares, em Minas Gerais, investigou e registrou a situação dos povos do Rio Doce. Confira a reportagem em vídeo:

Mais recentes

Sob constante ameaça

25 de junho de 2018

Depois que o fogo apaga

18 de junho de 2018

Explore também

Os Ecos de Itaipu

16 de março de 2015 | por e

No oeste do Paraná, índios Guarani querem retomar as terras de onde foram expulsos em nome da construção da hidrelétrica de Itaipu pelo regime militar

Décadas de luta pelo Tapajós

12 de dezembro de 2014 | por

Entenda como se desenvolveu a disputa pelo futuro da bacia do Tapajós, um dos últimos grandes rios da Amazônia de potencial hidrelétrico inexplorado

Os custos secretos da gasolina

1 de novembro de 2012 | por

Se incluirmos os custos à saúde, qual é o preço real da gasolina? Veja animação do Center for Investigative Reporting