Agência de Jornalismo Investigativo

Em homenagem ao aniversário da partida Brasil x Alemanha, a mostra denuncia outras derrotas sofridas pelos brasileiros em nome dos jogos

5 de julho de 2016

Desde o seu nascimento em 2011, a Agência Pública se dedicou à cobertura investigativa dos megaeventos esportivos. Foram mais de 170 reportagens publicadas sobre a Copa e as Olímpiadas no site da Agência Pública e estas foram reproduzidas pelos seus mais de 70 republicadores.

Para comemorar o encerramento deste ciclo, a Casa Pública inaugura no dia 9 de julho a “7 x 1 – Cinco anos de cobertura investigativa dos megaeventos”, uma mostra multimídia que propõe criar um novo modo de visualização deste rico acervo de informações, desta vez, fora da internet.

A mostra, cujo o nome lembra o placar da partida Brasil x Alemanha na Copa do Mundo de 2014, procura denunciar outras derrotas que a população sofreu durante os preparativos para sediar os jogos.

via GIPHY

“7 x 1” será inaugurada com um dia de eventos na Casa Pública. A programação contará com duas Conversas Públicas. Às 16h Andrea Dip e Alexandre Di Maio conversam sobre a produção de sua história em quadrinhos “Meninas em Jogo”, reportagem que investiga uma rede de prostituição de jovens no Ceará antes da Copa.

Às 19h o repórter Lúcio de Castro e o jornalista Vinicius Konchinski, que escreve sobre Olimpíadas para o UOL, serão entrevistados por Ciro Barros, repórter da Pública.

[relacionados]

Entre um evento e outro o público irá transitar pela exposição “7 x 1”, na qual será possível navegar pelo mundo das reportagens da Pública e interagir com as nossas matérias.

Um dos destaques será a experiência interativa “Megaeventos: o universo paralelo”. Manchetes de reportagens da Pública serão projetadas em uma parede branca, dando a impressão de que estão flutuando pelo espaço. O público então poderá usar um controle remoto para navegar por elas, como num videogame.

A Casa Pública também ganhará uma salinha de cinema onde será possível assistir mini documentários da série Copa Pública. O jornalista britânico Andrew Jennings, que se tornou o “inimigo número um da Fifa”, será homenageado na exposição, celebrando uma larga trajetória cobrindo corrupção na FIFA e no Comitê Olímpico Internacional (COI).

A recuperação da memória das casas que foram demolidas em nome da Olimpíada também serão tema de duas intervenções artísticas feita para a exposição pela colombiana Olga Lúcia Lozano. As peças de arte faz parte do primeiro laboratório transmídia da Casa Pública, que investiga as remoções forçadas.

Para fechar a programação de julho, a Casa Pública começa a hospedar a partir do dia 14, os jornalistas do programa Residências Públicas. A primeira edição do programa selecionou seis jornalistas do Quênia, Equador, Chile, França e Itália para cobrir a Olimpíada.

Fique ligado no que vem por aí!

Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Presidente Dilma durante recepção à Delegação Brasileira da WorldSkills 2015.

| De olho | Votação de vetos testa tamanho da base

18 de setembro de 2015 | por

Veto da presidente Dilma Rousseff que impede o reajuste salarial da categoria em até 78% pode cair no Senado

O que os jornalistas precisam saber sobre o SOPA

18 de janeiro de 2012 | por

Em dia de protesto contra projetos de lei nos EUA que restringem a liberdade de publicação na Internet, entenda como eles podem afetar jornalistas

Em 2014 o acarajé da Fonte Nova vai ser de quem?

19 de outubro de 2012 | por

Baianas que tradicionalmente vendiam acarajé no estádio de Salvador, atualmente em reformas para a Copa, temem não reaver seus postos durante o megaevento

Mais recentes

Sem políticas sociais, defensores seguem em risco de morte

24 de abril de 2019 | por

Conflitos por terra e ambiente estão por trás de 348 dos 416 casos incluídos no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos; para vítimas e especialistas, programa tem de se articular com políticas sociais e Judiciário

Ilona Szabó: “A direita está falando em renovação política para chegar ao autoritarismo”

23 de abril de 2019 | por

A especialista em segurança pública - exonerada dois dias depois de nomeada suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária por pressão das redes de direita - fala em razão e empatia para lidar com o ódio e a polarização da sociedade

Ocupar propriedade não é terrorismo, diz ex-Relator Especial da ONU

23 de abril de 2019 | por

Especialista que estabeleceu parâmetros internacionais para legislações diz que governo Bolsonaro deve usar Lei Anti-terrorismo de maneira “oportunista”

Fechar