Agência de Jornalismo Investigativo

Arrasa, Manx!

2 de dezembro de 2016

Arrasa, Manx!

2 de dezembro de 2016

O vídeo Arrasa, Manx! é um retrato de um desses segmentos: a juventude LGBT periférica de São Paulo.

O estereótipo do “mundo gay” é glamoroso: champanhe, purpurina, alta-costura, design. Mas, como todo estereótipo, é falso. Os LGBTs estão presentes em todos os segmentos, camadas e tribos da sociedade, com diferentes estilos, preferências e modos de vida. O vídeo Arrasa, Manx! é um retrato de um desses segmentos: a juventude LGBT periférica de São Paulo.

Edy tem 19 anos e é técnico de enfermagem; Jasmyn tem 18 e está concluindo o ensino médio. Embora vivam em extremos opostos da metrópole (Capão Redondo, na zona sul, e Parque Edu Chaves, na zona norte), eles têm pontos em comum e também muitas diferenças. Jasmyn é uma pessoa transexual não binária, que pela primeira vez se “monta” como drag queen para participar da Parada LGBT; Edy, “homossexual com muito orgulho”, nos leva a uma animadíssima boate gay na Vila Remo, extremo sul da cidade. Enquanto se preparam para o “rolê”, contam ao espectador o que pensam sobre família, trabalho, preconceito e amor.

O filme foi produzido pela Pública com recursos do 8º Chamado Público do Núcleo de Jornalismo do Canal Futura. Foi selecionado para o 24º Festival MixBrasil de Cultura da Diversidade, em que foi exibido em duas sessões na mostra “Lacrações Periféricas”, em novembro deste ano.

Mais recentes

Sob constante ameaça

25 de junho de 2018

Depois que o fogo apaga

18 de junho de 2018

Explore também

Incêndios em favelas atingem terrenos de maior valor em São Paulo

28 de novembro de 2017 | por

Levantamento exclusivo da Pública em parceria com o Guardian Cities revela que comunidades atingidas estão localizadas em áreas cerca de 75% mais valorizadas que a média

O Muro de Trump em 2 minutos

15 de março de 2017

E quando o jornalista é vítima de perseguição?

9 de agosto de 2017 | por

Elvira Lobato e Vitória Famer falam sobre ataques lançados contra elas nesta entrevista a Artur Romeu, do Repórteres sem Fronteiras