Curta-metragem de animação conta a história de Luis Cardona, sequestrado durante uma investigação jornalística

Curta-metragem de animação conta a história de Luis Cardona, sequestrado durante uma investigação jornalística

18 de janeiro de 2017
12:03
Este texto foi publicado há mais de 3 anos.

“Soy el número 16” é um curta-metragem de animação, no qual o jornalista mexicano Luis Cardona narra seu sequestro e a tortura sofrida durante uma investigação jornalística.

Debruçado sobre o sequestros de 15 jovens no centro Casas Grandes, em Chihuahua, México, Cardona foi o 16 sequestrado. A história envolve agentes do governo e narcotraficantes. 

A animação pretende ser a primeira de uma série sobre defensores de direitos humanos e jornalistas. “Soy el número 16” foi finalista da categoria inovação do Prêmio Gabriel García Márquez 2016.

O trabalho foi dirigido por Rafael Pineda “Rapé” e Leopoldo Hernández e publicado originalmente no site mexicano Pie de Página.

A seguir, o vídeo com as legendas em português.

Soy el numero 16 from Agência Pública on Vimeo.

[relacionados]

Seja aliada da Pública

Quer saber como nossos repórteres descobriram estas injustiças? Doe para a Pública e ajude a lançar um novo podcast com bastidores das nossas reportagens.

Mais recentes

Podcast: O FBI e a Lava-Jato

25 de setembro de 2020 | por , e

Acompanhe o primeiro episódio do podcast "Pauta Pública" e conheça os bastidores da reportagem "O FBI e a Lava-Jato"

Fabricante alemã de armas Sig Sauer quer produzir no Brasil em parceria com a Imbel, ligada ao Exército

24 de setembro de 2020 | por e

Flexibilizações e agenda pró-armas do governo fazem do Brasil um mercado promissor para empresas estrangeiras; observadores alertam para desregulamentação de um setor que implica a vida e a morte da população

Debate sobre cristofobia é estratégico para candidaturas ultraconservadoras, avalia pesquisador

22 de setembro de 2020 | por

Ao citar termo na ONU, Bolsonaro adianta estratégia eleitoreira, aponta teólogo Ronilso Pacheco; religiões de matriz africana sofrem mais perseguição, mas não foram mencionadas pelo presidente