AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Dez perguntas e respostas sobre o muro de Trump no México

O presidente dos Estados Unidos decretou a construção de um muro, mas não é assim tão fácil. Nesta reportagem, o site mexicano Animal Político explica tudo o que você quer saber sobre as implicações da obra, seus custos e possíveis entraves

Em 25 de janeiro, Donald Trump assinou um decreto presidencial que prevê a construção de um muro de concreto na fronteira entre os Estados Unidos e o México para frear a imigração ilegal ao território norte-americano. Porém, tirar do papel uma obra dessa magnitude não é algo que pode ser feito do dia para a noite.

Existem dúvidas a respeito de como Trump financiaria o muro, já que o Congresso dos EUA tem de aprovar recursos para tanto e o México se nega a pagar – como deseja o presidente. Além disso, uma construção desse tipo implica um grande desafio técnico, que envolve impactos ambientais.

A seguir, levantamos os pontos-chave dessa discussão.

Por que Trump quer construir um muro?

A construção do muro foi prometida pelo presidente americano durante sua campanha eleitoral. Em seus comícios, era comum os simpatizantes gritarem “build the wall!” (“construa o muro”, em português). A intenção de Trump é frear a entrada de imigrantes sem documentação. Para ele, essas pessoas representam um problema em relação à criminalidade e emprego.

Certa vez, o magnata afirmou que o vizinho do sul não envia aos EUA seus melhores cidadãos, e sim criminosos e infratores – declaração que não repercutiu nada bem entre os mexicanos.

Já existe um muro na fronteira entre os dois países?

A fronteira entre México e Estados Unidos se estende por 3.152 quilômetros. E, sim, parte dela já é limitada por muros, cercas e outras barreiras físicas (algumas naturais) que impedem o acesso indiscriminado de pessoas e veículos. De acordo com o jornal USA Today, atualmente 1.049 quilômetros da fronteira contam com esse tipo de construção.

A construção dessas barreiras tem respaldo na “Lei da Cerca de Segurança” (“Secure Fence Act”, em inglês), que, aprovada em 2006 pelo então presidente George W. Bush, agora pode ser usada a favor do muro de Trump.

A maior parte das cercas do Texas, Novo México, Arizona e Califórnia foi levantada antes de Bush deixar o cargo. A construção foi concluída depois que o ex-presidente Barack Obama assumiu o posto, em 2009.

Já existem várias barreiras na fronteira entre México e Estados Unidos (Foto: Guillermo Arias/Animal Político)

Quanto custaria?

A princípio, Trump afirmou que a obra custaria cerca de US$ 8 bilhões, mas logo mudou o discurso, dizendo que os gastos poderiam atingir US$ 10 bilhões.

No entanto, estudo do grupo de pesquisa americano Bernstein estimou que os custos totais estariam entre US$ 15 e US$ 25 bilhões, levando-se em conta despesas com material e pessoal.

Quem pagaria pelo muro?

Durante sua campanha, Trump assegurou que obrigaria o México a arcar com a construção do muro. Posteriormente, no dia 11 de janeiro deste ano, ele disse que iniciaria as obras utilizando recursos públicos dos norte-americanos e que, no futuro, o México faria um reembolso, acrescido de impostos. O governo mexicano teme que ocorram restrições às remessas enviadas por trabalhadores mexicanos nos EUA para suas famílias.

Em 25 de janeiro, Trump insistiu na ideia do reembolso. Declarou que o muro começará a ser levantado em “alguns meses” e que seria benéfico tanto para o México como para os EUA.

Entretanto, não é certo que o Congresso norte-americano, de maioria republicana, vai liberar os recursos necessários à construção do muro. Segundo a congressista democrata Nancy Pelosi, da Califórnia, os próprios republicanos podem se opor ao gasto de US$ 14 bilhões que as obras devem envolver, de acordo com o New York Times.

[relacionados]

Quais os obstáculos à construção do muro?

Em seu estudo, o grupo Bernstein frisa que a construção de um muro como o idealizado por Trump enfrentaria problemas relacionados à topografia, já que passaria pelo deserto do Arizona, montanhas íngremes no Novo México e rios. Além disso, seria necessário construir caminhos de acesso a certas áreas.

A região fronteiriça inclui também refúgios protegidos de vida silvestre, territórios indígenas e terrenos que dificilmente seriam vendidos por seus proprietários ao governo dos EUA, o que representaria entraves e custos adicionais.

Quem apoia a construção do muro?

O Pew Research Center revelou este mês que somente 39% dos norte-americanos entendem que a construção do muro é uma meta importante para a política de imigração. Contudo, entre os cidadãos republicanos, 67% afirmam que o muro é relevante. Já entre os democratas, o número cai para apenas 16%.

O muro provocaria danos ambientais?

Carlos de la Parra, especialista do Centro de Estudos Fronteiriços da Fronteira Norte, disse à BBC Mundo que o muro afetaria o fluxo de migração de espécies animais da região, inviabilizando alguns de seus caminhos.

As barreiras podem impactar também as bacias hidrográficas e vias fluviais, provocando até mesmo inundações, indicou uma reportagem da BBC.

A fronteira separa os estados da Califórnia, Arizona, Novo México e Texas de seis estados mexicanos: Baja California, Sonora, Chihuahua, Coahuila, Nuevo León e Tamaulipas.

Gerardo Ceballos, pesquisador do Instituto de Ecologia (IE) da Universidade Autônoma do México, mostra que os muros e cercas que já estão instalados na fronteira afetam a migração e os movimentos de mais de 800 espécies de vertebrados, principalmente mamíferos, répteis e anfíbios. Ele diz que essa situação se agravaria se o muro de Trump saísse do papel.

Qual é a postura do México?

O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, manifestou ser contra a construção do muro. Afirmou que os mexicanos não pagarão pelas obras e que não aceitará que os Estados Unidos confisquem parte das remessas enviadas pelos trabalhadores a suas famílias para financiar o projeto. “Não são negociáveis princípios básicos como nossa soberania, o interesse nacional e a proteção de nossos conterrâneos”, declarou.

Quantos mexicanos vivem clandestinamente nos EUA?

Em 2014, de acordo com o Pew Research Center, havia aproximadamente 5,85 milhões imigrantes ilegais de origem mexicana nos Estados Unidos. No total, à época, havia cerca de 11,1 milhões de pessoas vivendo clandestinamente no país.

O governo mexicano indicou, em novembro de 2016, que apoiaria a população mexicana de imigrantes ilegais para evitar que sofressem abusos diante da ameaça de deportações massivas durante o governo Trump.

Como se deram as mudanças da imigração de mexicanos aos EUA?

Um relatório do Pew Research Center divulgado em novembro de 2015 mostrou que 1 milhão de mexicanos e suas famílias deixaram os Estados Unidos para retornar ao México entre 2009 e 2014. No mesmo período, estima-se que 870 mil mexicanos tenham feito o caminho contrário. Ou seja, o retorno ao país foi superior à migração ao território norte-americano. O estudo revelava que uma das causas dessa mudança era a deterioração do mercado de trabalho nos EUA.

Crédito da imagem destacada: Flickr/Gage Skidmore

Reportagem originalmente publicada no site Animal Político. Leia aqui o texto original em espanhol. Traduzido por Anna Beatriz Anjos.

Tags: , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Supremas relações 4

| por | 18 de setembro de 2017

Processo trabalhista revela acesso à cúpula do Judiciário em troca de patrocínio de eventos de site jurídico. Gilmar Mendes tem conversa exposta em que trata sobre projetos de seu IDP

Destrinchando a maconha paraguaia 10

| por | 21 de agosto de 2017

Nosso repórter passou 15 dias em uma plantação ilegal de maconha no Paraguai; miséria e corrupção marcam o cotidiano de um “Estado paralelo”, longe das agências policiais e facções criminosas

Onde está o busto de Lamarca? 15

| por | 4 de setembro de 2017

O ato final do ex-secretário de Meio Ambiente paulista foi sumir com uma estátua do guerrilheiro no Vale do Ribeira, esbravejando contra “herói ideológico”. Reavivou uma memória incômoda, que inclui bombardeios de napalm pela ditadura