Faça seu relato e nos ajude a entender o papel da religião nas eleições de 2020

Faça seu relato e nos ajude a entender o papel da religião nas eleições de 2020

8 de outubro de 2020
14:01

No Brasil, onde política e fé andam misturadas, campanhas em templos podem se tornar mais comuns nas eleições municipais deste ano. E, com restrições a eventos por causa da pandemia, as celebrações religiosas – flexibilizadas em algumas localidades – tendem a ser espaços disputados pelos candidatos.

A Agência Pública quer saber: O templo que você, sua família ou amigos frequentam tem feito campanha para algum candidato? Recebe políticos ou distribui material eleitoral durante os cultos/missas/celebrações?

Conte sua história e ajude a Pública a entender o papel da religião nas eleições de 2020. Para enviar seu relato, responda o questionário abaixo. Se preferir, mande um email para participe@apublica.org ou uma mensagem no WhatsApp para (11) 98886-9401.

Qual é o papel a religião nas eleições municipais de 2020?

Fornecer dados pessoais é importante para que a equipe da Pública possa entrar em contato com você. Nós garantimos que a sua identidade será protegida e as informações que você compartilhar por meio deste questionário só serão publicadas com a sua permissão explícita.

This form requires JavaScript to complete.

Seja aliada da Pública

Bom jornalismo é remédio contra o autoritarismo. Quer defender a democracia? Doe mensalmente para a Pública.

Mais recentes

Metodologia dos dados utilizados nas reportagens

27 de janeiro de 2021 | por

Metodologia das reportagens do especial Amazônia Irrespirável

Com coronavírus, período de queimadas na Amazônia tem 28 mil hospitalizações por problemas respiratórios

27 de janeiro de 2021 | por , , e

Levantamento inédito revela que os incêndios não só bateram recorde mas dificultaram o diagnóstico de Covid-19 no ano que marcou a trágica combinação de queimadas e pandemia na Amazônia

Sufocados pela fumaça, cercados pelo coronavírus

27 de janeiro de 2021 | por

No Mato Grosso e Pará, a junção de duas tragédias confundiu os profissionais da saúde e a população sobre a origem dos sintomas respiratórios