Vídeo que mostra o crime foi obtido pela nossa reportagem; situação ocorreu em Vilhena (RO) nesta quarta-feira

Vídeo que mostra o crime foi obtido pela nossa reportagem; situação ocorreu em Vilhena (RO) nesta quarta-feira

2 de novembro de 2022
22:04

Vídeo obtido pela Agência Pública e o depoimento de uma fonte mostra um ônibus de passageiros na região de Vilhena, município de Rondônia, sendo obrigado a parar em um bloqueio que pede intervenção militar por não aceitarem a derrota de Jair Bolsonaro (PL) para Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Segundo a lei 14.197/2021, atentar contra as instituições democráticas é crime e pode levar de 4 a 12 anos de reclusão. 

Luiz Henrique Fernandes Junior, enfermeiro, contou à Agência Pública que, ainda dentro do ônibus, ao cruzar o município de Vilhena na BR-364, em Rondônia, seu ônibus foi parado no início da tarde. “Pararam o ônibus e obrigaram todos os passageiros a assinar uma petição pedindo “intervenção federal”. Segundo ele, “Se não assinássemos não poderíamos passar com o ônibus”. 

Vídeo obtido pela reportagem da Pública mostra coação de passageiros, o que é crime

No vídeo gravado por ele, um homem não identificado diz: “Quem foi que não quis assinar, aí?”. Diante da negativa de um casal, ele responde: “Então o ônibus vai ficar seis horas fechado, tá?”. Alguém diz: “Não, aí vocês estão coagindo todo mundo”. É possível ouvir o choro de algumas crianças que estão no veículo. “Ficamos algumas horas parados até eles liberarem a gente”, afirma Luiz. 

No momento da coação haviam 35 passageiros, alguns adultos, crianças e idosos. Na sequência, perguntaram o nome de uma mulher, também não identificada, que ajudou a coagir os passageiros dizendo que o que ela estava fazendo era um crime. Ela respondeu: “Meu nome é povo”. O enfermeiro ainda questiona a mulher: “Ridículo isso que você está fazendo”. Ela responde: “Ridículo o que você está fazendo”. Ele retruca: “O que eu estou fazendo? Eu não tô fechando BR, impedindo as pessoas de passarem, tô querendo ir trabalhar, minha querida”. 

“Eles diziam como argumento sobre a intervenção federal que eles já tinham provas de que houve fraude no primeiro turno”, conta Luiz. Outro rapaz, também não identificado, fala no vídeo: “era pro Bolsonaro ter ganhado já no primeiro turno, aquilo foi fraude. No segundo turno agora o exército não teve acesso as urnas”.

Luiz conta ainda que pediram CPF, RG, e nome completo de todos. Eram três homens e uma mulher no comando, ele diz. Ainda segundo Luiz, a Polícia Rodoviária Federal, que apareceu durante a paralisação do ônibus, nada fez para ajudá-los.

Segundo o enfermeiro, só depois de obrigarem todos os passageiros a assinar a “petição” é que liberaram o ônibus. “Alguns chegaram a mostrar armas que estavam na cintura, insinuando uma ameaça”, diz Luiz, que assinou o documento com nome, CPF e RG errados. “Muitos fizeram isso”. Mas para alguns, no entanto, “eles estavam pedindo o próprio documento para confirmar a informação da “petição” que não tem nenhum valor legal.

“Quando o ônibus foi liberado fomos vaiados e chutaram o ônibus, deram soco também”, relata. O ônibus da companhia Eucatur tem como destino Cuiabá. Segundo Luiz, a companhia seria a única da região a vender passagens mesmo correndo o risco da viagem não ser concluída por conta dos bloqueios. 

Até o fechamento deste texto os bloqueios pelo país não haviam sido totalmente debelados pelas autoridades. Havia 126 pontos pelo país, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Em Rondônia, são 11 bloqueios.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro já havia pedido aos manifestantes a liberação das rodovias

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Governo de MG avaliza exploração na Serra do Curral após negativa da AGU

29 de novembro de 2022 | por

Mineradoras Gute Sicht e Fleurs Global são investigadas pela PF e atuam sem licenciamento ambiental

COP27 entrega fundo de perdas e danos mas tem trégua com combustíveis fósseis

22 de novembro de 2022 | por

Analisamos os resultados da conferência que, apesar de decisão histórica, não foi capaz de aumentar ambição climática

Na COP27, Lula inicia retorno do Brasil à agenda global de combate às mudanças climáticas

19 de novembro de 2022 | por

Com perspectiva de nova postura para o Brasil, passagem do presidente eleito se tornou um dos grandes destaques da COP