Buscar
Coluna

Um Carnaval sem ódio para todas nós

Prisões de membros do “gabinete do ódio” prometem esclarecer um capítulo tenebroso de nossa história

Coluna
10 de fevereiro de 2024
06:00

Quer receber os textos desta coluna em primeira mão no seu e-mail? Assine a Newsletter da Pública, enviada sempre às sextas-feiras, 8h. Para receber as próximas edições, inscreva-se aqui

A ação da PF no cerne do bolsonarismo pegou os bloquinhos de pré-Carnaval na rua e muita gente graúda de surpresa. 

Uma semana depois da operação de busca e apreensão na casa de Carlos Bolsonaro e na do próprio ex-presidente em Angra, no Rio de Janeiro, a PF voltou à casa de praia de Jair Bolsonaro e apreendeu o celular de outro pilar do “gabinete do ódio”, o assessor Tércio Arnaud Thomaz, que estava na residência. 

Também pediu o passaporte do ex-presidente – que alegou estar sem o documento e se comprometeu a entregá-lo depois – e comunicou a Bolsonaro que ele está impedido de se comunicar com os outros alvos da operação: os generais Augusto Heleno e Braga Netto, além de assessores. 

Três deles foram presos: o coronel Marcelo Câmara (que já era investigado pela fraude nos cartões de vacina de membros da família Bolsonaro e pelo escândalo das jóias), o major Rafael Martins e o ex-assessor de relações internacionais Filipe Martins, “estrategista” do “gabinete do ódio”, que aproximou Jair Bolsonaro de Steve Bannon, junto com Eduardo Bolsonaro (que até agora parece ter escapado). Também foi preso o presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, flagrado com uma arma ilegal em casa durante a operação. 

Filipe Martins teria apresentado a minuta do golpe ao ex-ministro Anderson Torres (também na lista). De acordo com a PF, o próprio Jair Bolsonaro teria pedido alterações na minuta, o que comprovaria seu envolvimento direto na tentativa de golpe.

Todos são investigados sob suspeita de participar de organização criminosa que teria atuado na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito “para obter vantagem de natureza política com a manutenção do então presidente da República no poder”. 

Agora é cuidar para que as investigações – baseadas também na delação do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid – prossigam até que um dos capítulos mais grotescos de nossa história seja extensamente conhecido por todos nós. 

Mais um motivo para que este Carnaval seja mais uma celebração festiva da democracia, especialmente para mulheres, negros, indígenas, pessoas LGBTQI+, jornalistas, cientistas, professores, alvos preferenciais do ódio e das fake news movidas pela cúpula palaciana dos tempos de Jair. Neste ano, nem a presença persistente da Covid, domada pelas vacinas, nos assusta tanto. Viva a luz!

Está lindo ver o samba nos pés e o suor nas fantasias nas ruas das cidades – muitas cidades – de norte a sul, finalmente públicas, alegremente democratas. 

Que este seja um Carnaval com muita liberdade – e sem ódio – para todos – e TODAS – nós.

PS. Saio de férias a partir dessa coluna e retorno em 10 de março. 

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Aviso

Este é um conteúdo exclusivo da Agência Pública e não pode ser republicado.

Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes