Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Como funciona

Metodologia

Todas as checagens seguem o mesmo roteiro. Primeiro, selecionamos uma frase que possa ser verificada. Para isso, é preciso que contenha um dado, faça referência a leis, permissões, proibições, situações verificáveis ou traga afirmações categóricas. Dentre as várias declarações que podem ser analisadas, escolhemos apenas aquelas que têm relevância para o debate público. Fazemos também um rodízio entre as personalidades e autoridades verificadas, para manter o equilíbrio da cobertura e garantir que todos sejam fiscalizados.

Em seguida, entramos em contato com o autor da frase e pedimos para que forneça a fonte da informação. Paralelamente, procuramos outras fontes, oficiais ou não, e, se necessário, recorremos a especialistas. Comparamos nossa apuração com os dados fornecidos e, com isso, classificamos a afirmação. Atribuímos, então, um selo, que mostra o resultado da nossa checagem. Por fim, voltamos a entrar em contato com o autor da frase e damos uma última chance para que se explique, diante da nossa conclusão.

Conheça a nossa equipe e a nossa política de financiamento. O trabalho de fact-checking do Truco é uma das modalidades de jornalismo investigativo produzidas pela Redação da Agência Pública. Portanto, está submetido ao mesmo Conselho Consultivo. Com exceção de algumas iniciativas pontuais, que podem ter o apoio de financiadores específicos – foi o caso do Truco no Congresso, encerrado em dezembro de 2016, que contou com financiamento do Instituto Betty e Jacob Lafer –, o Truco é bancado pela Agência Pública com recursos dos seus financiadores institucionais: a Ford Foundation e a Oak Foundation.

O Truco integra a International Fact-Checking Network (IFCN), rede organizada pelo Instituto Poynter, dos Estados Unidos, que reúne os principais sites de fact-checking do mundo. Após passar por uma auditoria independente concluída em 28 de março de 2017, tornou-se um dos signatários verificados do código de princípios da IFCN.

Como escolhemos o que checar

O Truco escolhe as frases para checagens a partir das declarações de figuras públicas candidatos e boatos que circulam sobre os temas eleitorais. Será selecionada apenas uma afirmação por checagem, tratando-a sempre dentro do contexto no qual foi mencionada.

Declarações

Podem ser usadas frases ditas pelos candidatos em eventos públicos, em entrevistas, no horário eleitoral gratuito, em material de campanha ou em redes sociais. Também acompanhamos eventos de repercussão local, como debates organizados por entidades, e convenções partidárias.

Boatos

A escolha de material sobre os candidatos que circula nas redes sociais ou no WhatsApp pode ser feita a partir da sugestão de leitores ou por meio da prospecção de canais conhecidos por veicular conteúdo problemático. Selecionamos apenas boatos que estão alcançando um público amplo e jamais incluímos links para o boato – evitando, assim, dar ainda mais visibilidade à desinformação.

Para uma frase ser selecionada, ela tem que obedecer aos seguintes critérios:

  • Ter relevância para o debate público;
  • Fazer menção a um dado ou fato objetivo, passível de ser checado;
  • Não ser um juízo de valor ou expressão de uma opinião subjetiva;
  • Não fazer uma previsão ou falar de algo que pode acontecer no futuro;

Política de correções

No final do texto de todas as nossas checagens incluímos nosso e-mail de contato, truco@apublica.org, para que fontes e leitores possam enviar críticas, sugestões ou apontar erros. Sempre que detectamos um problema, corrigimos o texto imediatamente e escrevemos uma atualização no final da checagem, com data e hora da mudança, para indicar o que foi alterado e explicar o porquê. Também divulgamos que houve uma correção em nossas redes sociais, com link para a versão corrigida, e enviamos um alerta para os nossos republicadores. Mesmo depois de a checagem ser publicada, se o candidato ou sua assessoria entrar em contato para questioná-la, incluímos sua versão com destaque.