AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Wikileaks: todos os documentos estão no ar

Agora, todos os documentos podem ser lidos pelo público brasileiro diretamente no site do WikiLeaks

Coroando o final da Semana WikiLeaks na Pública, todos os documentos provenientes do Brasil – da embaixada em Brasília e dos consulados em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife – foram publicados no site do WikiLeaks.

São quase 3 mil documentos escritos pela diplomacia americana. Entre eles, 63 despachos do Departamento do Estado para os diplomatas no Brasil e 2919 telegramas enviados a Washington entre 2002 e 2010 (1947 provenientes da embaixada em Brasília e 909 dos consulados de São Paulo, Rio de Janeiro e Recife).

Entre esses documentos, apenas cerca de 1/5 são classificados – 468 são confidenciais e 73, secretos.

Agora, todos os documentos podem ser lidos pelo público brasileiro diretamente no site do WikiLeaks. Basta clicar no local de origem dos despachos, ou buscar por data. Outra possibilidade é usar o Cablesearch, um site que permite pesquisar os relatos diplomáticos por palavras-chave.

Esses documentos são muito relevantes – contam a história de todo o governo Lula a partir de olhos americanos, ao mesmo tempo em que os Estados Unidos começavam a perder peso no cenário mundial e enfrentar uma pesada recessão que dura até hoje.

É por isso que a Pública tem orgulho de ter colaborado com a sua divulgação.

Vamos publicar ainda algumas reportagens já produzidas pelo nosso time de repórteres independentes durante a Semana Wikileaks, e vamos prosseguir olhando e escrevendo sobre esse rico material durante os próximos meses – e não apenas do Brasil.

A novidade é que, agora, todos os internautas podem fazer o mesmo.

 

Tags:

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Antonio

    Pessoal os sites parecem estar com muita carga, se pudessemos baixar um
    pacote tar.gz ou outro compactador, ou mesmo um wget.

    E também como podemos contribuir financeiramente com wikileaks, estes depositos bancarios muito complexos, uma conta no Brasil e depois vcs transferem tudo, algo que facilite.

    obrigado

  • Francisco Godinho

    Concordo com o Antonio; um modo descomplicado de contribuir seria bom.
    Já quiz, já tentei e não consegui.
    Parabéns e obrigado.

  • Olá, sempre que posso, estou divulgando em minhas paginas de relacionamentos os documentos que aqui são revelados… eu queria poder ajudar de outras formas, contribuindo financeiramente, com ideias, com qualquer jeito que possa ter.

  • atiradornashorasdelazer

    se um dia perder todo meu dim dim e tive muito ruim emocionalmente (se algum dia quere me mata ) kkk vo e subi num prédio e desce pipoco no planalto hehehehe

  • Recomendo “apublica.org” como exemplo na America Latina duma agencia que serve para alertar a publico acerca a subversao do “North” para “controlar” os paises “independentes” como o Brasil.

Quem julga o juiz?

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios

Adeus, Guyraroká

Adeus, Guyraroká 2

| por | 8 de setembro de 2016

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios

Quem julga o juiz?

| por | 21 de setembro de 2016

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria