Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Telegramas de 2006 e 2009 mostram interesse dos EUA na ascensão da Classe C

2 de julho de 2011

Mensagens do consulado americano em São Paulo abordam a ascensão social e o maior poder de compra da classe C brasileira. “Traçar uma definição geral da classe C do Brasil é dificil. Classe C é frequentemente referida a uma “camada” da classe média”, explica um telegrama de 2006. Esta mensagem aponta um crescimento de 7% de famílias na classe média baixa brasileira entre 2001 e 2006.

Três anos depois, um despacho de 27 de outubro de 2009 confirma a tendência de 2006. Desta vez, são apresentados dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que mostram uma expansão de 29% da Classe C em 7 anos, que então já abarcava 50% da população. “Durante os cinco anos entre 2003 e 2008, a quantidade de pessoas miseráveis caiu quase 19,5 milhões e a quantidade no segmento pobre caiu 1,5 milhão”, apresenta o telegrama que sublinha o sucesso do Brasil em atingir a Meta de Desenvolvimento do Milênio de diminuir pela metade o número de empobrecidos dez anos antes do prazo, que era 2015.

Em conversa com diplomatas, o professor Marcelo Cortes Neri, diretor do Centro de Políticas Sociais da FGV, explicou que as razões para a diminuição da desigualdade eram o aumento geral do rendimento dos trabalhadores, programas sociais como o Bolsa Família e o aumento no salário mínimo. “Suas pesquisas sugerem que a redução na desigualdade possa ser atribuída precisamente da seguinte maneira – 67% por conta aumento no ganho dos trabalhadores desde 2001, 17% via programas sociais e 15% devido o aumento do salário mínimo”, explica o telegrama.

Os diplomatas americanos também observam a mudança nos hábitos de consumo da Classe C. Em 2006, eles notam que estes brasileiros têm preferido comprar bens como televisões, celulares, computadores e aparelhos de DVD a poupar para comprar “um lar dos sonhos”. “Se a tendência econômica favorável continuar, companhias multinacionais podem achar na classe trabalhadora/média do Brasil um segmento altamente atrativo para marketing mais agressivo e desenvolvimento de produtos”, sugerem os diplomatas.

A influência política das mudanças é discutida em ambas as mensagens. Na primeira, o peso que os brasileiros emergentes teriam na eleição de 2006. “A questão crítica é se, dada a mudaça nos hábitos de consumo, tais eleitores considerem-se melhor com Lula, ou se Alckmin pode convencê-los que suas políticas econômicas são mais apropriadas para gerar estabilidade e prosperidade para a Classe C”, argumenta o telegrama. Na mensagem de 2009, as mudanças – somadas à alta popularidade de Lula – são reconhecidas como fatores potenciais da campanha de Dilma Rousseff.

Educação: a fronteira final

Apesar do tom otimista das mensagens, muitos especialistas procurados pelos diplomatas expressaram preocupação principalmente com a educação no país. André Portela, professor da Escola de Economia da FGV, explicou a diplomatas que a redução na pobreza iria diminuir com o tempo e um núcleo do segmento estaria impedido de avançar. “Portela disse que a desaceleração [no combate à pobreza] virá primeiramente como resultado da falta de oportunidades de educação de qualidade para os brasileiros mais pobres”, relata o telegrama.

A mesma atenção é citada por pesquisadores de órgãos de pesquisa oficiais, como o diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Ricardo Paes de Barros. “Barros lamentou ao representante econômico que as tentativas do governo brasileiro de qualificar seus professores e aumentar seus salários,além de instalar computadores em escolas, ainda não resultaram em um sistema escolar de melhor qualidade”, cita a mensagem.

Os documentos são parte de 2.500 relatórios diplomáticos referentes ao Brasil ainda inéditos, que foram analisados por 15 jornalistas independentes e estão sendo publicados nesta semana pela agência Pública. LEIA MAIS

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Antes de Itaipu

16 de março de 2015 | por e

Indígenas sofriam com violência e expulsão mesmo décadas antes do alagamento do Rio Paraná

Um jogo para poucos

30 de junho de 2014 | por

Levantamento do Reportagem Pública mostra como as “quatro irmãs”, Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez, se revezam nos contratos para as grandes obras da Copa e Olimpíadas no Rio de Janeiro

Os sem estádio

14 de setembro de 2012 | por

Conheça a batalha dos tradicionais vendedores de comida no Mineirão, expulsos do seu local de trabalho depois da reforma para a Copa

Mais recentes

Podcast: Pequena África

20 de maio de 2019 | por e

Cultura negra é só samba? No segundo episódio de hoje do podcast Histórias Que Ninguém Te Conta você conhece os personagens da Zona portuária carioca que mantêm viva a herança cultural africana

Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

17 de maio de 2019 | por

Retrocesso na reforma agrária soma-se ao avanço de titulação em assentamentos ambientalmente diferenciados; registro de títulos individuais explode a partir de 2017, em especial na Amazônia

Não há registro de entrada na Câmara para assessor de Bolsonaro investigado pela Justiça

16 de maio de 2019 | por , , e

Além de Nelson Alves Rabello, que teve sigilo bancário quebrado, Pública revela mais cinco assessores sem crachá de funcionários na Câmara; “Wal do Açaí” é uma delas. Agora são 11 os assessores do então deputado federal sem registro de entrada no Congresso

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar