A realidade dos preparativos para a Copa se transforma em imagens belas e duras através das obras do carioca Antônio Máximo

A realidade dos preparativos para a Copa se transforma em imagens belas e duras através das obras do carioca Antônio Máximo

2 de março de 2012
08:00
Este texto foi publicado há mais de 8 anos.
Especial: Copa Pública

O carioca Antônio Máximo diz que é rubro-negro antes mesmo de dar seu histórico profissional:  desenhista de arquitetura, arte-finalista, desenhista de mobiliário e marceneiro, artista gráfico e estudante de história. Nascido e criado em Vila Isabel, Máximo alimenta um blog e espalha sua arte política por aí, doa a quem doer.

Com os mega eventos, o buraco é mais em baixo. Diz que não acredita neles desde a seleção de 1982 porque a Copa do Mundo transforma as cidades em grandes estandes de venda e os craques em mercadoria “muito bem confeccionada nas salas de imprensa”.

Máximo também critica, nos desenhos e com palavras a assepsia da FIFA que toma forma a cada dia: “Assepsia não só para inglês ver mas também para a Adidas, Nike, etc”.

Veja suas ilustrações na galeria rotativa e leia as explicações do artista para cada uma delas:

“Mundo da Bola mostra que a classe média que agora, ao invés de querer seus filhos “doutores”, já os coloca, desde cedo, em “escolinhas de futebol” pensando em vê-los “Ronaldos”.

“Em O quanto eles se importam basta olhar para a cabra. No lugar dela talvez pudessem estar o Blatter ou o Ricardo Teixeira. O resultado seria o mesmo.”

“Para cidade dispensável lembrei-me da comunidade da Vila Autódromo ameaçada de remoção por causa das obras da Copa? o povo resistindo, batendo de frente com um bloco de concreto.”

“Livre Mercado diz que o que menos importa é o futebol. A Fifa deixou o osso a ser disputado entre os ratos.”

“Burro sem Rabo é o nome que se dá aqui no Rio ao trabalhador que puxa uma espécie de carro de madeira, em geral, pra carregar mudança, material de construção, etc. Na charge, procurei caracterizar a divisão que parece ser a intenção da Fifa com seus territórios de exclusão, durante a Copa, aqui no Rio. Uma cerca no meio, de um lado o “burro sem rabo”, do outro o Rio Maravilha, a zona sul, a praia, sob a benção do Cristo.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

 

Seja aliada da Pública

Bom jornalismo é remédio contra o autoritarismo. Quer defender a democracia? Doe mensalmente para a Pública.

Mais recentes

Dez grupos de empreiteiras levaram 63% das licitações para mobilidade em São Paulo na década

27 de novembro de 2020 | por e

Sete entre os dez consórcios que conquistaram as licitações municipais mais caras têm empresas acusadas de improbidade administrativa

Em Salvador, mulheres não se sentem seguras para circular pela cidade

27 de novembro de 2020 | por e

Medo de sofrer violência sexual, racismo e LGBTfobia além de péssimas condições de transporte são algumas das reclamações ouvidas pela reportagem

Governo não divulga dados de 72% dos agrotóxicos, protegendo multinacionais

26 de novembro de 2020 | por e

Justificativa de sigilo comercial beneficia multinacionais Bayer, Syngenta e Basf