Agência de Jornalismo Investigativo

A realidade dos preparativos para a Copa se transforma em imagens belas e duras através das obras do carioca Antônio Máximo

2 de março de 2012

O carioca Antônio Máximo diz que é rubro-negro antes mesmo de dar seu histórico profissional:  desenhista de arquitetura, arte-finalista, desenhista de mobiliário e marceneiro, artista gráfico e estudante de história. Nascido e criado em Vila Isabel, Máximo alimenta um blog e espalha sua arte política por aí, doa a quem doer.

Com os mega eventos, o buraco é mais em baixo. Diz que não acredita neles desde a seleção de 1982 porque a Copa do Mundo transforma as cidades em grandes estandes de venda e os craques em mercadoria “muito bem confeccionada nas salas de imprensa”.

Máximo também critica, nos desenhos e com palavras a assepsia da FIFA que toma forma a cada dia: “Assepsia não só para inglês ver mas também para a Adidas, Nike, etc”.

Veja suas ilustrações na galeria rotativa e leia as explicações do artista para cada uma delas:

“Mundo da Bola mostra que a classe média que agora, ao invés de querer seus filhos “doutores”, já os coloca, desde cedo, em “escolinhas de futebol” pensando em vê-los “Ronaldos”.

“Em O quanto eles se importam basta olhar para a cabra. No lugar dela talvez pudessem estar o Blatter ou o Ricardo Teixeira. O resultado seria o mesmo.”

“Para cidade dispensável lembrei-me da comunidade da Vila Autódromo ameaçada de remoção por causa das obras da Copa? o povo resistindo, batendo de frente com um bloco de concreto.”

“Livre Mercado diz que o que menos importa é o futebol. A Fifa deixou o osso a ser disputado entre os ratos.”

“Burro sem Rabo é o nome que se dá aqui no Rio ao trabalhador que puxa uma espécie de carro de madeira, em geral, pra carregar mudança, material de construção, etc. Na charge, procurei caracterizar a divisão que parece ser a intenção da Fifa com seus territórios de exclusão, durante a Copa, aqui no Rio. Uma cerca no meio, de um lado o “burro sem rabo”, do outro o Rio Maravilha, a zona sul, a praia, sob a benção do Cristo.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

 

Explore também

O agro não é pop

5 de junho de 2018 | por

Como a bancada ruralista se articula para aprovar o projeto de lei que pretende liberar o uso de agrotóxicos no Brasil e é contestado por mais de 280 entidades da área da saúde e ambiente

EUA comemoraram aposentadoria de presidente do STF

8 de abril de 2011 | por

Telegrama de 5 de maio de 2004 analisa a saída de Maurício Corrêa, então presidente do STF que ocorreria dali a 4 dias.

35 anos depois do deputado Juruna, indígenas continuam sem representação política no país

25 de abril de 2018 | por

Segundo TSE, candidatos indígenas correspondem a apenas 0,34% do total; preconceito da sociedade e falta de apoio financeiro estão entre os motivos da baixa participação

Mais recentes

Perfis de paródia se organizam no Twitter em apoio a Bolsonaro e contra a imprensa

18 de fevereiro de 2019 | por

Organizadas por uma central que ganhou força após a exclusão de contas pelo Twitter, sátiras misturam notícias tendenciosas com piadas

Ministério de Damares é acusado por órgão de combate à tortura de impedir inspeção em presídios do Ceará

15 de fevereiro de 2019 | por

Subordinado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, membros do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura falaram à Pública sobre como a pasta de Damares impediu a ida de peritos ao Ceará

Antes do Ceará, 8 municípios já haviam proibido fumigação aérea de agrotóxicos

15 de fevereiro de 2019 | por e

Em janeiro, estado foi o primeiro a proibir pulverização em todo seu território; empresários cearenses se articulam para derrubar a lei e estão “mapeando” deputados estaduais