A realidade dos preparativos para a Copa se transforma em imagens belas e duras através das obras do carioca Antônio Máximo

A realidade dos preparativos para a Copa se transforma em imagens belas e duras através das obras do carioca Antônio Máximo

2 de março de 2012
08:00
Este texto foi publicado há mais de 8 anos.
Especial: Copa Pública

O carioca Antônio Máximo diz que é rubro-negro antes mesmo de dar seu histórico profissional:  desenhista de arquitetura, arte-finalista, desenhista de mobiliário e marceneiro, artista gráfico e estudante de história. Nascido e criado em Vila Isabel, Máximo alimenta um blog e espalha sua arte política por aí, doa a quem doer.

Com os mega eventos, o buraco é mais em baixo. Diz que não acredita neles desde a seleção de 1982 porque a Copa do Mundo transforma as cidades em grandes estandes de venda e os craques em mercadoria “muito bem confeccionada nas salas de imprensa”.

Máximo também critica, nos desenhos e com palavras a assepsia da FIFA que toma forma a cada dia: “Assepsia não só para inglês ver mas também para a Adidas, Nike, etc”.

Veja suas ilustrações na galeria rotativa e leia as explicações do artista para cada uma delas:

“Mundo da Bola mostra que a classe média que agora, ao invés de querer seus filhos “doutores”, já os coloca, desde cedo, em “escolinhas de futebol” pensando em vê-los “Ronaldos”.

“Em O quanto eles se importam basta olhar para a cabra. No lugar dela talvez pudessem estar o Blatter ou o Ricardo Teixeira. O resultado seria o mesmo.”

“Para cidade dispensável lembrei-me da comunidade da Vila Autódromo ameaçada de remoção por causa das obras da Copa? o povo resistindo, batendo de frente com um bloco de concreto.”

“Livre Mercado diz que o que menos importa é o futebol. A Fifa deixou o osso a ser disputado entre os ratos.”

“Burro sem Rabo é o nome que se dá aqui no Rio ao trabalhador que puxa uma espécie de carro de madeira, em geral, pra carregar mudança, material de construção, etc. Na charge, procurei caracterizar a divisão que parece ser a intenção da Fifa com seus territórios de exclusão, durante a Copa, aqui no Rio. Uma cerca no meio, de um lado o “burro sem rabo”, do outro o Rio Maravilha, a zona sul, a praia, sob a benção do Cristo.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

 

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Mais recentes

Milicianos invadem área ambiental e formam máfia da areia no Rio de Janeiro

26 de maio de 2020 | por

Moradores vivem sob regime de medo dentro de uma APA na Baixada Fluminense que tinha oito areais clandestinos funcionando; empresa flagrada tem 11 notificações de órgãos ambientais

Terceirizados e precarizados, operadores de telemarketing se arriscam ao contágio em salas sem janelas

25 de maio de 2020 | por

Incluído entre os serviços essenciais, teleatendimento continua funcionando mesmo para atividades comerciais; com baixa taxa de home office, funcionários relatam que colegas com sintomas trabalham presencialmente por medo de demissões

Dois mil garimpeiros buscam ouro em Raposa Serra do Sol

22 de maio de 2020 | por

Estimativa é da Polícia Federal que realiza, desde março, operações na Terra Indígena, homologada há mais de 10 anos, onde vivem 22 mil pessoas