Agência de Jornalismo Investigativo

Alvo de denúncias, presidente da Câmara pode decidir sobre processo de impeachment e tenta preservar o seu mandato

18 de outubro de 2015

A semana que passou foi de movimentação intensa nos bastidores. Enquanto a oposição combinou com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, um novo roteiro para iniciar um processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a situação tentou negociar o contrário, usando como moeda de troca a possibilidade de barrar a cassação do peemedebista, alvo de processo no Conselho de Ética da Casa legislativa.

Nesta semana, o protagonismo novamente será de quem estiver disposto a conversas particulares com Cunha. O parlamentar, denunciado pelo Ministério Público da Suíça por lavagem de dinheiro e corrupção ativa, acusado de ser beneficiário final de contas secretas no país europeu, ainda é cortejado pelos dois lados no Congresso Nacional. Sem agenda esperada, o noticiário político nacional aguarda os próximos capítulos da trama.

Em termos do que é passível de previsão, o Senado deve recapitular votações que ficaram pendentes na semana passada. A pauta da Casa está trancada com o Projeto de Lei de Conversão (PLV) 17/2015, que institui o Regime Diferenciado de Contratações Públicas. A proposta tem que ser votada até esta quarta-feira (21). Em regime de urgência, o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 101/2015 também tranca a pauta. A proposição versa sobre terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais e reformulando o conceito de organização terrorista.

Na Câmara, está marcada para terça-feira (20) reunião deliberativa para votar parecer do deputado Laudivio Carvalho (PMDB-MG) sobre revisão do Estatuto do Desarmamento. Uma comissão especial da Câmara deverá apreciar o texto substitutivo do Projeto de Lei (PL) 3.722/2012, que reduz a idade mínima para a compra de armas de 25 para 21 anos. Além disso, o projeto amplia o direito ao porte para outras categorias, incluindo a classe dos próprios deputados, senadores, agentes de trânsito, aposentados das polícias e das Forças Armadas e servidores do Poder Judiciário.

Cancelada na quinta-feira (15), a votação da comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição 215/2000 ficou para esta semana. Pela proposta polêmica, a competência de oficializar terras indígenas e unidades de conservação de territórios quilombolas é transferida do governo federal para o Congresso Nacional.

Mais recentes

A eleição do “kit gay”

17 de outubro de 2018 | por , , e

Buscas na internet por “kit gay” nestas eleições bateram recorde de 2011, quando o assunto veio à tona; Bolsonaro e Malafaia lideram menções ao “kit”

Deep fakes são ameaça no horizonte, mas ainda não são arma para eleições, diz especialista

16 de outubro de 2018 | por e

Em entrevista à Pública, o pesquisador Aviv Ovadya explica quais serão as consequências do uso de tecnologias avançadas para a produção de mentiras espalhadas pelas redes sociais

Frei Betto: “Vejo paralelo entre o momento atual e a eleição de Hitler na Alemanha”

11 de outubro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, o frade dominicano e escritor afirma que Bolsonaro é resultado da omissão do judiciário que permitiu a "lei esdrúxula da anistia recíproca" e que o PT "não cuidou de promover a alfabetização política do povo"

Truco!

Como assim, Anastasia? Senador diz que não tem patrimônio, mas é milionário

17 de outubro de 2018

Além de mais de R$ 1,3 milhão em bens, Anastasia recebe um salário de mais de R$ 20 mil do Senado e mora em apartamento funcional do governo — seu concorrente, Romeu Zema, é ainda mais rico

Doria acerta ao falar sobre apuração de mortes de ex-prefeitos do PT

17 de outubro de 2018

Polícia Civil e Ministério Público ainda mantêm procedimentos abertos sobre os casos de Toninho do PT e Celso Daniel

Bolsonaro não rejeitou aliança com Helder Barbalho: seu partido está coligado com MDB no Pará

16 de outubro de 2018

É falsa a imagem que reproduz suposta postagem do candidato Jair Bolsonaro declarando que jamais se aliaria “a uma família de corruptos”, em referência à família Barbalho. A coligação liderada por Helder Barbalho (MDB) recebe apoio do PSL, partido de Bolsonaro.

Explore também

‘‘Falar do Museu Nacional é falar dos povos indígenas, da história do Brasil’’

10 de setembro de 2018 | por

Perda dos acervos de cultura indígena é quase completa, lamentam o chefe do Departamento de Antropologia, Edmundo Pereira, e o professor de etnologia do Museu Nacional, Antonio Carlos de Souza Lima. Nesta entrevista eles explicam por quê

Fake news sobre a Pública

21 de julho de 2017 | por

Uma nota para rebatê-las

As crianças não fogem, elas são levadas

22 de julho de 2014 | por

Quase 60 mil crianças da América Central cruzaram desacompanhadas a fronteira dos EUA em 8 meses, causando comoção mundial; o El Faro foi atrás dos fatos contados por coiotes e imigrantes de El Salvador