AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

| De olho | Projeto de Serra sobre pré-sal movimenta Senado

Iniciativa defende participação mínima da Petrobras na exploração do pré-sal; Câmara pode analisar PEC 215, que transfere ao Congresso a demarcação de territórios indígenas

No olho do furacão da Operação Lava Jato, questões que abrangem os interesses da Petrobras, palco de todo o esquema de corrupção desmantelado pela Polícia Federal, irão protagonizar discussões do Senado nesta semana. Na terça-feira (27), a Casa legislativa deverá apreciar o Projeto de Lei do Senado 131/2015, que estabelece a participação mínima da estatal no consórcio de exploração do pré-sal.

Autor da lei, o senador José Serra (PSDB-SP) tem sofrido fortes críticas da categoria petroleira, que o tem chamado de “entreguista”, em razão da proposição que prevê a adoção do regime de partilha em substituição ao regime de concessão em consórcios para exploração dos campos de pré-sal.

O regime de concessão, deixado de lado em 2010, não garante a participação mínima de 30% para a União, como acontece com o de partilha. No modelo proposto por Serra, a empresa concessionária passa a ser proprietária do petróleo produzido e a União fica com apenas tributos incidentes sobre a renda, royalties, participações especiais e pagamento pela ocupação ou retenção da área explorada.

O senador José Serra (PSDB-SP)

José Serra (PSDB-SP), autor do projeto do pré-sal. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Lei antiterrorismo

Outra votação que poderá movimentar o plenário nesta semana será o Projeto de Lei da Câmara 101/2015, que tipifica o crime de terrorismo. Também na pauta desta terça, a proposta, relatada pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), tramita em regime de urgência na Casa.

[relacionados]

O projeto é duramente criticado por lideranças políticas ligadas aos direitos humanos e movimentos sociais, que veem a matéria como uma forma de criminalizar manifestações populares. O senador tucano já adiantou que não manterá o mesmo texto da Câmara. Na semana passada, ele disse que pretende “aproximar a nossa legislação de um padrão que seja internacionalmente aceito”.

A bancada de Cunha

Já na Câmara, enquanto a situação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), está a cada dia mais incerta, as pautas plenárias parecem ser coadjuvantes. No entanto, é justamente neste momento que votações de interesse de bancadas conservadoras, costumeiramente aliadas ao peemedebista, vêm à tona.

Nos bastidores, interpreta-se que Cunha procura formar um dissenso entre os parlamentares ao colocar tais pautas em votação: quem as defende, está com Cunha; quem as critica, quer sua saída. O palco da estratégia de Cunha será, novamente, o corredor das comissões da Casa, onde a “bancada de Cunha” atuará para adequar as proposições aos seus interesses.

Ainda nesta semana, uma das comissões especiais deve votar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000, que transfere ao Congresso a competência de demarcar e homologar territórios indígenas e de populações tradicionais. Outra comissão ficará com a votação do projeto de lei 3722/2013, que modifica e revoga trechos do Estatuto do Desarmamento.

Já para o plenário, Cunha anunciou que colocará em votação PEC 70/2011, que versa sobre o rito de tramitação de medidas provisórias que abarcam temas estranhos ao objeto da matéria, os chamados jabutis.

Tags: , , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Supremas relações 4

| por | 18 de setembro de 2017

Processo trabalhista revela acesso à cúpula do Judiciário em troca de patrocínio de eventos de site jurídico. Gilmar Mendes tem conversa exposta em que trata sobre projetos de seu IDP

Destrinchando a maconha paraguaia 10

| por | 21 de agosto de 2017

Nosso repórter passou 15 dias em uma plantação ilegal de maconha no Paraguai; miséria e corrupção marcam o cotidiano de um “Estado paralelo”, longe das agências policiais e facções criminosas

Onde está o busto de Lamarca?

Onde está o busto de Lamarca? 15

| por | 4 de setembro de 2017

O ato final do ex-secretário de Meio Ambiente paulista foi sumir com uma estátua do guerrilheiro no Vale do Ribeira, esbravejando contra “herói ideológico”. Reavivou uma memória incômoda, que inclui bombardeios de napalm pela ditadura