Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Manifestações contra o impeachment não livram a presidente Dilma Rousseff de cobranças para mudar a política econômica e garantir direitos sociais, diz Gilmar Mauro

16 de dezembro de 2015
10:47
Este texto foi publicado há mais de 4 anos.

Liderança nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro afirma que os movimentos sociais mais uma vez sairão em defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff, mas cobram ações do governo em prol dos trabalhadores e uma política agrária que contemple os sem-terra.

Gilmar Mauro, do MST
Gilmar Mauro, do MST. Foto: Reprodução/CartaCapital/YouTube

O MTST deixou claro que a mobilização desta quarta-feira (16) é contra o impeachment, mas não é um endosso ao governo da presidente Dilma. Esta é a posição do MST?
Sim. O acordado pelo conjunto dos movimentos sociais é fazer um ato contra o impeachment, pelo “Fora Cunha” e por uma nova política econômica. A avaliação que fazemos é que não há como titubear em nenhum momento na defesa da democracia contra o golpe em nosso país. Agora, evidentemente que isso coaduna com um processo de crítica. A defesa do mandato da Dilma é uma coisa. Isso não significa que não haja críticas à forma que ela vem conduzindo o governo, sobretudo a política econômica.

Como é apoiar uma presidente que tem em seu time de defesa Katia Abreu (ministra a Agricultura), ferrenha adversária do MST?
É difícil. E não só pela Katia Abreu. Se você pegar desde as nomeações do governo, do Joaquim Levy na condução econômica e todo o conjunto de aliados supostamente da base aliada do governo, o MST já fez críticas. Mas não dá só para criticar as pessoas, a Katia ou o Levy. A responsabilidade é de quem comanda isso, que é a presidenta da República. Mas não é por essa razão que ninguém vai titubear na defesa da democracia e contra o golpe. Agora é evidente que há um descontento popular porque não avançamos na reforma agrária; e além de tudo não foi isso que foi discutido nas eleições nem nos programas que foram aprovados nas eleições. Por isso, as mobilizações (dos movimentos sociais) durante o ano todo foram contra o golpe mas também contra as políticas aplicadas pelo governo federal e, principalmente, a preocupação para que não haja retrocesso nas conquistas sociais que conseguimos a duras penas.

As lideranças do MST são pressionadas pela militância sem-terra a ter uma atitude mais incisiva nas disputas com o governo federal?
Com certeza, a militância pressiona. A militância do MST está muito crítica em relação às posturas do governo federal, sobretudo na política econômica recessiva que penaliza o conjunto da sociedade brasileira. Afinal de contas, é importante destacar que tudo que é produzido passa pelas mãos dos trabalhadores, inclusive o lucro dos patrões e os impostos que são recolhidos. Embora a Fiesp reclame dos impostos altos, quem produz para pagar os impostos é a classe trabalhadora, que paga os impostos de tudo o que consome. E é a classe trabalhadora que está pagando fortemente por esse processo recessivo. Então há esse descontento. Mas ninguém vai abrir espaço para a direita mais reacionária que quer implantar uma política mais neoliberal mais agressiva do que hoje é aplicado, que, a nosso ver, tem um viés neoliberal também.

A presidente Dilma sinalizou a retomada do diálogo com os movimentos sociais? Ela vai se encontrar com vocês depois da manifestação contra o impeachment?
Vai ter uma reunião com a presidenta possivelmente na sexta-feira (18), mas pode ser antecipada. E há uma retomada das conversas, sim. Agora, para nós, conversa e diálogo… têm de consistir em conversa e ação. Porque, se for só conversa, eu acho que todo mundo está meio saturado. Isso que você perguntou da militância é verdade: nós queremos ações concretas da presidenta. No nosso caso, o avanço da reforma agrária, a solução das famílias acampadas, o plano nacional de reforma agrária e mudanças na política econômica.

Nesta terça-feira (15) a presidente Dilma parece ter dado um passo no sentido de preservar conquistas sociais e contrariou o ministro Joaquim Levy, diminuindo a meta fiscal para garantir o Bolsa Família.
É um bom sinal. Dilma deve se dar conta hoje de que ela fez uma aposta aí… Evidentemente, no jogo político, precisa ter apoio no Congresso Nacional, embora eu ache que o Congresso é um antro de picaretas. Agora, sempre que houve uma situação grave, o apoio principal desde o governo Lula foi o movimento social. Hoje, acho que a presidenta, se não se deu conta disso, aí é grave a situação. Quem fez campanha no segundo turno, foi pra rua no segundo turno, quem defendeu e continua defendendo o seu mandato neste momento é o movimento social organizado. Mas aqui ninguém é idiota. Defendemos a democracia e não queremos dar um passo atrás. Agora é preciso que o governo aja com uma sinalização muito clara a respeito dos direitos sociais e com a possibilidade de ampliar esses direitos. Acredito que isso seja possível. Quero dizer mais uma coisa: nós passamos o ano inteiro lutando e espero (com a manifestação) que se consiga enterrar essa história de impeachment, que o “fora Cunha” aconteça e que a gente possa discutir uma pauta política nova para o próximo período, com muita luta e mobilização, mas com sinalizações do governo federal.

Seja aliada da Pública

Quer saber como nossos repórteres descobriram estas injustiças? Doe para a Pública e ajude a lançar um novo podcast com bastidores das nossas reportagens.

Mais recentes

O que as mensagens de Robinho revelam sobre os grupos de Whatsapp dos homens

27 de outubro de 2020 | por

Segundo pesquisadora Valeska Zanello, para combater o estupro e o feminicídio, do ponto de vista da saúde pública, é necessário encarar o vetor: a masculinidade violenta

A íntima relação entre narcotráfico e política no Brasil

26 de outubro de 2020 | por

Investigação da Polícia Federal obtida pela Pública traz detalhes de como os lucros da cocaína são lavados no agronegócio e com elos na política

Podcast: dossiê Antifascista, a espionagem no governo Bolsonaro

23 de outubro de 2020 | por , e

Neste terceiro episódio do Pauta Pública, o jornalista Rubens Valente contou os bastidores do furo de reportagem sobre o dossiê antifascista e revelou detalhes do sistema de espionagem em curso no país