Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Maioria dos senadores ruralistas, empresários, parentes de políticos e evangélicos também aprovou continuidade do impeachment

12 de maio de 2016

O plenário do Senado Federal aprovou, pouco depois das 6h30 desta quinta-feira (12), a abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff (PT). Com isso, ela fica afastada da Presidência da República até a conclusão do julgamento de crime de responsabilidade pelos senadores, o que pode levar até 180 dias. Com 55 votos favoráveis, o apoio ao processo foi manifestado por 67,9% dos 81 senadores, porcentual próximo do obtido na Câmara (71,54%). No Senado, conseguiram votos a favor do impeachment acima do índice geral as bancadas do agronegócio (87,1%), empresarial (80,65%), dos parentes (80,39%), investigados (75%), evangélica (75%), da saúde (75%) e das empreiteiras (68,75%).

Abaixo dos 67,9%, mas ainda favorável à continuidade do impeachment, ficou o grupo da educação (62,5%). Dividido ao meio, o das mulheres (50%). Manifestaram-se pelo arquivamento do processo somente as bancadas sindical (83,33%) e dos direitos humanos (76,92%).

Entre os 31 senadores identificados com o setor do agronegócio, 27 apoiaram o impeachment e três foram contra. Dos também 31 parlamentares da bancada empresarial, 25 foram favoráveis ao processamento e julgamento da presidente. Dentre os 24 que estão com pendências judiciais, 18 votaram pelo afastamento de Dilma. Entre eles, Fernando Collor (PTC-AL), primeiro presidente brasileiro a sofrer impeachment, em 1992, e o senador Ivo Cassol (PP-RO), condenado pelo Supremo a quatro anos e oito meses de prisão por fraude em licitações. Em seu discurso, Cassol se apresentou como exemplo de gestor público e disse que Dilma não tem credibilidade para exercer o mandato.

Quatro investigados votaram pelo arquivamento da denúncia. Outros dois parlamentares que estão na mira do Supremo Tribunal Federal (STF) não votaram, por motivos diferentes. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que acumula no momento 11 inquéritos no Supremo, absteve-se por estar no comando da Casa. Ex-presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA) faltou à sessão.

Renan e Jader, assim como Collor, fazem parte da “bancada da Lava Jato”. Dos 13 senadores suspeitos de participar do esquema de corrupção na Petrobras, oito votaram a favor do afastamento de Dilma. Apenas os três petistas investigados na operação se posicionaram contra a admissibilidade do processo: Gleisi Hoffmann (PR), Linbergh Farias (RJ) e Humberto Costa (PE), agora ex-líder do governo no Senado.

Assim como fez com a Câmara, a Agência Pública levantou duas bancadas que não se configuram necessariamente pela atuação parlamentar, mas que são representativas dos sistemas eleitoral e político do Brasil: a dos parentes e a dos financiados por empreiteiras e construtoras. Dos 51 senadores que têm parentes na política, 41 votaram a favor do impeachment e sete foram contrários. Entre os 48 senadores que declararam recursos de campanha de construtoras e empreiteiras – um dos principais focos da Lava Jato –, 14 apoiaram Dilma, enquanto 33 se manifestaram pela continuidade do processo.

Novato

O mais novo integrante da bancada dos investigados é o senador Aécio Neves (PSDB-MG). O ministro Gilmar Mendes, do STF, aceitou ontem o pedido de abertura de inquérito contra o presidente do PSDB e ex-candidato à Presidência da República. Aécio passa a ser investigado por corrupção e lavagem de dinheiro. A suspeita levantada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é de que o tucano se beneficiou de um esquema de corrupção em Furnas, empresa estatal subsidiária da Eletrobras.

O caso foi inicialmente distribuído ao ministro Teori Zavascki, que relata a Lava Jato no Supremo. Teori, no entanto, não viu relação entre os indícios contra Aécio e os desvios na Petrobras. O pedido foi repassado, então, a Gilmar Mendes. Com o novo inquérito, 24 senadores no exercício do mandato respondem a acusações criminais no Supremo.

Grupo em que a base do governo tem maioria, os parlamentares que atuam na defesa dos direitos humanos ficaram ao lado de Dilma. Dez dos 13 senadores votaram contra o impeachment. Dos 12 senadores ligados ao sindicalismo, que também agrega aqueles que defendem os interesses dos servidores públicos, ampla maioria a favor da petista: com 10 dos 12 votos. Na bancada feminina, um resultado dividido. Das 12 senadoras, seis votaram contra o impeachment e outras seis pela continuidade do processo.

Nanicas

Bem mais modesta que na Câmara, a bancada evangélica do Senado tem apenas quatro representantes, dos quais três votaram pelo impeachment. A exceção foi o ex-petista Walter Pinheiro (BA), atualmente sem partido.

Também se configuram com pouca expressão numérica as bancadas da saúde e da educação – que além do trabalho parlamentar levam em conta a formação de cada senador. Entre os do ensino, placar apertado: cinco votos pelo impeachment e três contra. Na saúde, seis dos oito senadores foram favoráveis à continuidade do processo.

Ao todo, o painel do Senado computou 77 votos, já que dois senadores não compareceram por motivos de saúde e o presidente Renan Calheiros (PMDB-AL) só se manifestaria em caso de empate. Pedro Chaves (PSC-MS), futuro ocupante da vaga deixada por Delcídio do Amaral (sem partido-MS), cassado nesta semana, ainda não teve tempo de tomar posse.

Campeões em suspeitas

Renan e Cassol são os atuais campeões em suspeitas. Na linha sucessória da Presidência da República, o presidente do Senado acumula 11 inquéritos. Destes, nove são relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras, apurado pela Operação Lava Jato, e um decorre da Operação Zelotes, que investiga fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão de controle vinculado ao Ministério da Fazenda, e a venda de medidas provisórias.

O mais antigo deles, porém, remonta à acusação de que o senador teve despesas pagas por um lobista de empreiteira, caso que o levou a renunciar à presidência da Casa e quase lhe custou o mandato de senador em 2007. A denúncia da Procuradoria-Geral da República relativa a esse caso repousa no Supremo desde 2013 sem os ministros decidissem pelo arquivamento ou pela abertura do processo.

Condenado a quatro anos e oito meses de prisão pelo Supremo em agosto de 2013, Cassol aguarda análise de seu último recurso para evitar o início do cumprimento da pena imposta pelo STF em agosto de 2013. Os ministros consideraram que ficou comprovada a participação de Cassol e outros dois réus da Ação Penal 565 em um esquema que beneficiava empresas em licitações para a contratação de obras em Rolim de Moura, município de Rondônia.

O STF identificou fraude em 12 licitações realizadas pela prefeitura durante a administração de Cassol. Segundo a acusação, o processo foi direcionado para beneficiar cinco empreiteiras locais cujos sócios tinham ligações pessoais ou profissionais o senador. Entre eles, dois cunhados e um ex-sócio de sua esposa em uma rádio local.

Falta de credibilidade

Em seu discurso na sessão do impeachment, Cassol defendeu o afastamento de Dilma. De acordo com ele, a presidente não tem credibilidade para continuar no cargo por causa da denúncia de crime de responsabilidade. O parlamentar condenado pelo STF defendeu que a saída da petista é necessária e que, se ficar comprovada sua inocência ao final do processo, ela poderá retornar ao Palácio do Planalto.

“Fui prefeito de Rolim de Moura e governador de Rondônia por dois mandatos. Todas as minhas contas foram aprovadas pelo tribunal de contas do meu estado. Como administrador público, fui transparente e zelei pelo uso do recurso público”, discurso em plenário o senador.

Além do recurso, o ex-governador de Rondônia é réu em duas ações penais (562 e891) por calúnia e corrupção eleitoral e investigado em outros sete inquéritos (3158, 2828, 3513, 3742, 3614, 3820 e 3961) por peculato, improbidade administrativa, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, contra o sistema financeiro e contra a Lei de Licitações.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Depois de Belo Monte

7 de novembro de 2017 | por e

Em três semanas de viagem, a reportagem da Pública encontrou indígenas vivendo em palafitas insalubres em Altamira e visitou os Arara na terra indígena mais desmatada recentemente no país

Viagem a Canaã

25 de novembro de 2012 | por

No Pará, a caminho do “maior projeto da história da Vale”, nossa equipe mostra a região onde tudo “tem, mas não está tendo”: empregos, royalties e desenvolvimento

Atmosfera em universidades brasileiras preocupa organização internacional que protege acadêmicos ameaçados

18 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, pesquisadora do Scholars at Risk diz que tem sido procurada por professores que querem deixar o país temendo pela própria vida

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar