Agência de Jornalismo Investigativo

Na volta do recesso parlamentar, deputado afastado tenta deixar análise do seu caso no plenário da Câmara para depois das eleições municipais; Senado retoma processo do impeachment

31 de julho de 2016

Na volta do recesso parlamentar, a situação do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), continua como ameaça à pauta de votações da Casa. Apesar de o seu sucessor na presidência, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmar que pretende pautar a cassação do parlamentar afastado ainda na segunda semana de agosto, Cunha prepara um novo ato para tentar atrasar, mais uma vez, a decisão do plenário.

Desta vez, o advogado Marcelo Nobre vai protocolar um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) apontando falhas procedimentais na análise do processo de quebra de decoro parlamentar contra Eduardo Cunha, no Conselho de Ética e na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Os pontos questionados são os mesmos defendidos pela equipe de defesa do deputado na CCJ, em junho.  À época, Cunha alegou impedimento do relator do Conselho de Ética, Marcos Rogério (DEM-RO), e reclamou da votação feita com chamada nominal na sessão que aprovou o parecer pela perda de mandato. A alegação é que o procedimento causava o chamado “efeito manada”, no qual a declaração de votos influenciaria nas demais decisões.

Quando acionado em decisões anteriores, o STF preferiu se manter afastado e não interferir no andamento das questões da Casa. Entretanto, como não existem mais recursos possíveis para recorrer na Câmara, Cunha aposta no pedido de intervenção judicial para evitar que sua cassação seja votada neste mês. A ideia do parlamentar é prorrogar a votação para depois das eleições municipais.

Combate à corrupção

A comissão especial que analisa o projeto com medidas de combate à corrupção (PL 4850/2016) pretende ouvir o juiz federal Sergio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato em primeira instância, na quinta-feira (4). O relator das proposições, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e o presidente do colegiado, Joaquim Passarinho (PSD-PA), estiveram em Curitiba, no Paraná, na última semana e fizeram questão de entregar o convite a Moro pessoalmente.

Apesar da expectativa de receber o juiz, antes, na terça-feira (2), a comissão vai se reunir para apresentação do roteiro de trabalho proposto pelo relator; para eleger o 2º e o 3º vice-presidentes e deliberar sobre os requerimentos entregues à Secretaria do colegiado. Seis deles pedem o convite ao juiz federal. O procurador Deltan Dallagnol, também da força-tarefa da Lava Jato, vai participar de audiência pública promovida pela comissão em 9 de agosto.

De acordo com o relator, é imprescindível a participação de outras entidades envolvidas no tema. Lorenzoni afirma que vai “buscar todos que possam contribuir para que o Brasil possa enfrentar essa guerra contra a corrupção”. “Precisamos ter armas suficientes para fazer do Brasil um país onde cada cidadão, por mais poderoso ou mais simples que seja, saiba que o limite é a lei”, destacou o deputado à Agência Câmara.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, antecipou que entre as prioridades da Casa no retorno do recesso parlamentar estão a votação do projeto de renegociação das dívidas dos estados (PLP 257/16) e a proposta de emenda constitucional que estabelece um teto para os gastos públicos (PEC 241/16).

A reunião de líderes, normalmente realizada no início da tarde das terças-feiras, será antecipada para esta segunda-feira (1º), com o objetivo de que seja alcançado um acordo sobre a pauta de votações. A intenção do presidente é que aconteçam sessões deliberativas na segunda, terça e quarta-feira de manhã.

Impeachment

No Senado, as reuniões da comissão que analisa o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff terão continuidade. Na terça-feira (2), o relator Antônio Anastasia (PSDB-MG) vai fazer a leitura do parecer. Na quarta (3), senadores iniciam a discussão do relatório para que, na quinta-feira (4), seja realizada a votação do texto pelo colegiado.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) já confirmou que aliados da presidente afastada vão apresentar votos em separado para contestar o relatório final. Ela disse ainda que vai apresentar dois requerimentos antes da leitura do parecer. De acordo com a senadora, há fatos novos que precisam ser considerados.

A ideia é que na sexta-feira (5) o relatório seja lido no plenário da Casa, encerrando a fase de pronúncia do impeachment. Caso a decisão seja a favor da continuidade do processo, Dilma Rousseff será submetida ao julgamento final pelo Senado.

Esse rito, se acontecer, será comandado pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Se o entendimento de 54 senadores, no mínimo, for de que a presidente cometeu crime de responsabilidade, ela será afastada do cargo em definitivo e ficará inelegível para mandatos públicos por oito anos. Se os 54 votos não forem alcançados, a presidente reassume o cargo e o processo é arquivado.

Agenda Brasil

No Senado, as pautas prioritárias envolvem, principalmente, a análise das propostas da Agenda Brasil, apresentada pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL) em setembro de 2015. Entre elas está a legalização dos jogos, matéria pronta para votação em plenário desde junho.

Também está na ordem do dia do Senado o projeto (PRS 84/2007) de autoria do ministro José Serra (PSDB-SP) que estabelece limite para a dívida consolidada da União, assim como já existe para estados e municípios.

Outras duas propostas de emenda à Constituição (PEC) esperam análise do plenário: uma delas (PEC 46/2013) disciplina a instituição de consórcio público, com personalidade jurídica de direito privado, constituído mediante iniciativa da União e adesão voluntária dos estados e do Distrito Federal, com o objetivo de atuar exclusivamente no âmbito do Sistema Único de Saúde e na atenção básica à saúde. A segunda (PEC 110/2015) estabelece percentuais máximos de cargos em comissão. De acordo com Aécio Neves (PSDB-MG), autor do texto, a PEC tem o objetivo de reduzir a máquina pública e torná-la mais eficiente e qualificada tecnicamente.

Foto em destaque: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mais recentes

Prorrogado o prazo de inscrições para as Microbolsas Fome

21 de setembro de 2018 | por

Agência Pública e Oxfam Brasil vão receber propostas de pauta sobre fome no país até dia 30 de setembro; quatro repórteres serão selecionados para receber a bolsa de R$ 7 mil e mentoria da Pública

Quem matou e quem mandou matar Jairo de Sousa?

21 de setembro de 2018 | por

A morte do radialista é o segundo caso investigado pela equipe da Abraji dentro do Programa Tim Lopes

Semanalmente, juízes do Supremo decidem sozinhos sobre aplicação da Constituição

20 de setembro de 2018 | por

Julgamentos individuais sobre a adequação de leis e normas à Constituição ocorreram 73 vezes em 2017 e 2018 – o que contraria a própria Carta Magna, segundo especialistas

Truco!

Arruda promete que menos imposto reduz preço do gás, mas repasse do desconto é incerto

21 de setembro de 2018

Redução do ICMS não garante que o custo ao consumidor irá cair na mesma proporção, pois atravessadores podem aumentar margens de lucro

Helder Barbalho diz que construiu o estádio municipal de Ananindeua, mas a obra nunca foi concluída

21 de setembro de 2018

Em visita ao local em que teria sido construída a praça esportiva, na periferia de Ananindeua, o Truco nos Estados concluiu: o estádio citado por Helder nunca existiu.

Correto: Adalclever Lopes foi eleito presidente da Assembleia por unanimidade em duas ocasiões

21 de setembro de 2018

Em 2015, ele era o candidato de uma chapa única e, na reeleição em 2016, também foi o único a pleitear a presidência da casa

Explore também

As pegadas do BNDES na Amazônia

15 de outubro de 2013 | por e

Parceria entre Agência Pública e O Eco vai mapear o aumento dos investimentos do BNDES em projetos de infraestrutura na região. Obras financiadas pelo banco são acusadas de disfarçar impactos ao meio ambiente, populações indígenas e trabalhadores.

Lei é eficaz para matar mulheres, diz especialista

17 de setembro de 2013 | por

O ginecologista e obstetra Jefferson Drezett, que há mais de 10 anos coordena um serviço de abortamento legal no país explica porque o aborto pode ser considerado um problema de saúde pública

Brincando de guerra

9 de março de 2017 | por

Nascidas em meio à ocupação americana no Iraque, as crianças que vivem em Mossul agora assistem à batalha sangrenta contra o Estado Islâmico. Nas brincadeiras de guerra, se fantasiam de soldados enquanto esperam seu destino: matar ou morrer