Jornalistas internacionais ficam hospedados na Casa Pública enquanto investigam pautas de direitos humanos

Jornalistas internacionais ficam hospedados na Casa Pública enquanto investigam pautas de direitos humanos

14 de março de 2018
10:55
Este texto foi publicado há mais de 3 anos.

(To read the english version, click here)

A Agência Pública convida jornalistas internacionais para participar do programa de residências da Casa Pública, o primeiro centro cultural de jornalismo do Brasil. O espaço funciona como um polo para a produção, discussão e apoio ao jornalismo independente e inovador na América Latina.

O programa, que agora entra em sua terceira edição, oferece hospedagem e mentoria gratuita para jornalistas interessados em produzir reportagens com temas relacionados aos direitos humanos. As inscrições abrem no dia 14 de março e devem ser feitas pelo formulário.

 

Mariana Simões/Agência Pública
O jornalista inglês Frederick Bernas, residente que fez uma matéria para o NBC Left Field, toma um café na cozinha da Casa Pública

 

A cada mês selecionaremos dois jornalistas para passarem 15 dias morando na Casa Pública enquanto desenvolvem suas pautas. As residências vão acontecer entre abril e novembro de 2018. As inscrições permanecem abertas durante todo esse período.

A seleção será feita em duas etapas, sendo a primeira o preenchimento do formulário online e a segunda, uma entrevista por Skype com as coordenadoras da Agência Pública. Apenas os finalistas serão contatados mês a mês. Os candidatos serão escolhidos com base em sua experiência e na pauta que têm interesse em investigar.

Além da hospedagem e do uso da estrutura do escritório da Agência Pública no Rio, os contemplados vão receber o apoio da Pública na elaboração das reportagens e para realizar contatos com jornalistas e fontes locais.

As oportunidades oferecidas pelo Programa de Residências vão para além do foco do matéria. Ao residir na Casa Pública os repórteres poderão conhecer um gama variada de colaboradores entre eles jornalistas e especialistas que frequentam a Casa Pública e participam de seus eventos.

Mariana Simões/ Agência Pública
Milagros Salazar, fundadora do veículo Convoca e participante do segundo Programa de Residências da Casa Pública

“Casa Pública é um espaço de encontro de jornalistas de diversos países do mundo, que compartilham experiências e visões, em um momento em que o exercício do bom jornalismo está cada vez mais urgente” diz Milagros Salazar fundadora do veículo peruano Convoca e participante da segunda edição do programa.

 

 

 

Leia o regulamento completo.

Após concluir a residência, os jornalistas publicam a reportagem em veículos de seus países e poderão ter a oportunidade também de publicar no site da Agência Pública, em português.

 

Mariana Simões/Agência Pública
O residente argentino Facundo F. Bairro, que trabalha para o jornal Perfil, escrevendo a sua matéria na Casa Pública

Para fazer a inscrição, o jornalista deve comprovar experiência em realizar reportagens e detalhar seu plano de investigação. Na segunda etapa da seleção, a Pública exige também uma carta de um meio de comunicação que se comprometa a publicar a matéria produzida durante a residência. É recomendável que o residente providencie um seguro para seus equipamentos.

A Pública não se responsabiliza pelo visto, pela alimentação e nem pelo transporte no Rio de Janeiro.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.
Mariana Simões/Agência Pública
Mariana Simões/ Agência Pública
Mariana Simões/Agência Pública

Mais recentes

Proposta de Bolsonaro

Proposta de Bolsonaro “cria ambiente para faroeste digital”, diz presidente da SaferNet

23 de setembro de 2021 | por

Em entrevista, Thiago Tavares diz que Projeto de Lei enviado pelo presidente mira eleições de 2022 e pode ser usado para anular inquéritos no STF

A escola é para todes; desenho feito por criança trans de 7 anos representando dois adultos e duas crianças, escrito

A escola é para todes

22 de setembro de 2021 | por

1.700 estudantes trans já adotam o nome social no ensino básico, mas preconceito e agressões, dentro e fora de sala de aula, dificultam quebra do ciclo de exclusão

Mulheres protestando contra o Estatuto do Nascituro

Juíza nega aborto legal para menina vítima de estupro e teria exposto sentença no WhatsApp

21 de setembro de 2021 | por

Após sofrer perseguição de assistentes sociais e ter o aborto negado na Justiça, adolescente vítima de estupro precisou recorrer ao MP para acessar direito