Jornalistas internacionais ficam hospedados na Casa Pública enquanto investigam pautas de direitos humanos

Jornalistas internacionais ficam hospedados na Casa Pública enquanto investigam pautas de direitos humanos

14 de março de 2018
10:55
Este texto foi publicado há mais de 2 anos.

(To read the english version, click here)

A Agência Pública convida jornalistas internacionais para participar do programa de residências da Casa Pública, o primeiro centro cultural de jornalismo do Brasil. O espaço funciona como um polo para a produção, discussão e apoio ao jornalismo independente e inovador na América Latina.

O programa, que agora entra em sua terceira edição, oferece hospedagem e mentoria gratuita para jornalistas interessados em produzir reportagens com temas relacionados aos direitos humanos. As inscrições abrem no dia 14 de março e devem ser feitas pelo formulário.

 

Mariana Simões/Agência Pública
O jornalista inglês Frederick Bernas, residente que fez uma matéria para o NBC Left Field, toma um café na cozinha da Casa Pública

 

A cada mês selecionaremos dois jornalistas para passarem 15 dias morando na Casa Pública enquanto desenvolvem suas pautas. As residências vão acontecer entre abril e novembro de 2018. As inscrições permanecem abertas durante todo esse período.

A seleção será feita em duas etapas, sendo a primeira o preenchimento do formulário online e a segunda, uma entrevista por Skype com as coordenadoras da Agência Pública. Apenas os finalistas serão contatados mês a mês. Os candidatos serão escolhidos com base em sua experiência e na pauta que têm interesse em investigar.

Além da hospedagem e do uso da estrutura do escritório da Agência Pública no Rio, os contemplados vão receber o apoio da Pública na elaboração das reportagens e para realizar contatos com jornalistas e fontes locais.

As oportunidades oferecidas pelo Programa de Residências vão para além do foco do matéria. Ao residir na Casa Pública os repórteres poderão conhecer um gama variada de colaboradores entre eles jornalistas e especialistas que frequentam a Casa Pública e participam de seus eventos.

Mariana Simões/ Agência Pública
Milagros Salazar, fundadora do veículo Convoca e participante do segundo Programa de Residências da Casa Pública

“Casa Pública é um espaço de encontro de jornalistas de diversos países do mundo, que compartilham experiências e visões, em um momento em que o exercício do bom jornalismo está cada vez mais urgente” diz Milagros Salazar fundadora do veículo peruano Convoca e participante da segunda edição do programa.

 

 

 

Leia o regulamento completo.

Após concluir a residência, os jornalistas publicam a reportagem em veículos de seus países e poderão ter a oportunidade também de publicar no site da Agência Pública, em português.

 

Mariana Simões/Agência Pública
O residente argentino Facundo F. Bairro, que trabalha para o jornal Perfil, escrevendo a sua matéria na Casa Pública

Para fazer a inscrição, o jornalista deve comprovar experiência em realizar reportagens e detalhar seu plano de investigação. Na segunda etapa da seleção, a Pública exige também uma carta de um meio de comunicação que se comprometa a publicar a matéria produzida durante a residência. É recomendável que o residente providencie um seguro para seus equipamentos.

A Pública não se responsabiliza pelo visto, pela alimentação e nem pelo transporte no Rio de Janeiro.

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.
Mariana Simões/Agência Pública
Mariana Simões/ Agência Pública
Mariana Simões/Agência Pública

Mais recentes

Lavagem de gado dentro de terra indígena no Mato Grosso foi parar na JBS

5 de agosto de 2020 | por e

Documentos obtidos pela Pública indicam como um pecuarista com larga ficha de crimes ambientais na Amazônia enviou gado ilegal à maior produtora de carne bovina do mundo

Petrobras manda funcionários de volta ao trabalho após teste positivo para coronavírus

4 de agosto de 2020 | por e

Usada como justificativa, nota técnica da petroleira com diretrizes para testagem rápida de funcionários é questionada pelo Ministério Público do Trabalho

“Ilegal e racista”: MPF processa Samu e Bombeiro que negaram socorro a adolescente Kaiowá que morreu em reserva indígena

3 de agosto de 2020 | por

Morte de Joice trouxe à tona determinação ilegal que vigorou por oito anos no Samu de Dourados, que proibia ambulâncias de entrar na reserva com a maior população indígena do país