Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Sob constante ameaça

25 de junho de 2018

Sob constante ameaça

25 de junho de 2018

Medo, afetividades e subjetividades na forma de ocupar a cidade sob o olhar das mulheres; para uma melhor experiência sensorial utilize fones de ouvido

Nas grandes cidades brasileiras, as mulheres não ocupam o espaço urbano da mesma forma que os homens, por medo da violência de gênero. Tendem a evitar lugares como becos, pontes e passarelas, pensam horários e roupas antes de sair de casa e fazem desvios em seus caminhos, enquanto essas não são preocupações masculinas. Este medo, assim como as afetividades e a subjetividade na forma de ocupar a cidade, dão a tônica ao documentário.

Foram gravadas entrevistas com mulheres cis, trans, homens trans, mulheres brancas, negras, migrantes, deficientes visuais e cadeirantes e uma pesquisa online com 2590 respostas trouxe dados impressionantes como o de que 89% das mulheres não anda em becos e 93% evita andar a noite pela cidade.

“Sob Constante Ameaça” cria um suspense contínuo – vivenciado pelas mulheres em suas rotinas reais e traduzido na fala de uma delas: “Uma das coisas que é muito comum, é eu não saber se vou voltar inteira pra casa”. O filme possui planos que podem ser vistos tanto na perspectiva das personagens quanto na de um possível agressor, colocando o expectador em um lugar de tensão.

Comentários de nossos aliados

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar