Agência de Jornalismo Investigativo

Sob constante ameaça

25 de junho de 2018

Sob constante ameaça

25 de junho de 2018

Medo, afetividades e subjetividades na forma de ocupar a cidade sob o olhar das mulheres; para uma melhor experiência sensorial utilize fones de ouvido

Nas grandes cidades brasileiras, as mulheres não ocupam o espaço urbano da mesma forma que os homens, por medo da violência de gênero. Tendem a evitar lugares como becos, pontes e passarelas, pensam horários e roupas antes de sair de casa e fazem desvios em seus caminhos, enquanto essas não são preocupações masculinas. Este medo, assim como as afetividades e a subjetividade na forma de ocupar a cidade, dão a tônica ao documentário.

Foram gravadas entrevistas com mulheres cis, trans, homens trans, mulheres brancas, negras, migrantes, deficientes visuais e cadeirantes e uma pesquisa online com 2590 respostas trouxe dados impressionantes como o de que 89% das mulheres não anda em becos e 93% evita andar a noite pela cidade.

“Sob Constante Ameaça” cria um suspense contínuo – vivenciado pelas mulheres em suas rotinas reais e traduzido na fala de uma delas: “Uma das coisas que é muito comum, é eu não saber se vou voltar inteira pra casa”. O filme possui planos que podem ser vistos tanto na perspectiva das personagens quanto na de um possível agressor, colocando o expectador em um lugar de tensão.

Mais recentes

Explore também

Friboi, a campeã nacional em acidentes

3 de junho de 2015 | por

Dados do Ministério da Previdência mostram que a JBS, dona da marca Friboi, é a campeã em acidentes de trabalho em frigoríficos no Brasil

Centrais sindicais protestaram em todo o país contra as reformas trabalhista e previdenciária no dia 30 de junho

7 fatos sobre a reforma trabalhista

3 de julho de 2017 | por e

Nos debates em torno da proposta no Congresso, nem sempre os parlamentares usaram dados de forma correta

Jornalistas mexicanos investigaram fundador do CAM

22 de janeiro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, Témoris Grecko, um dos autores do livro sobre Jorge Serrano, conta por que ele foi processado por corrupção no México, onde nasceu a rede de sites armadilha que constrange mulheres que querem abortar