A Pública e a Oxfam Brasil vão conceder quatro bolsas de R$ 7 mil para os repórteres com as melhores pautas sobre fome

A Pública e a Oxfam Brasil vão conceder quatro bolsas de R$ 7 mil para os repórteres com as melhores pautas sobre fome

20 de agosto de 2018
16:22
Este texto foi publicado há mais de 3 anos.

Atenção: inscrições prorrogadas até dia 30 de setembro

Desde 1990, a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) divulga o Mapa da Fome, que mostra os países com mais de 5% da população ingerindo menos calorias que o recomendado. O Brasil esteve no Mapa da Fome até 2013. Saiu em 2014, quando o índice de pessoas ingerindo menos calorias que o recomendado foi de 3%. No mesmo ano, o país também atingiu o menor índice de pessoas em situação de extrema pobreza desde 1992, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

Porém, nos últimos anos, o número de brasileiros em situação de pobreza extrema voltou a subir. O aumento foi 11,2% entre 2016 e 2017, segundo a Pnad. Entrevistado pela Pública em julho desde ano, o pesquisador Francisco Menezes explica que “pessoas que estão numa situação mais extrema de pobreza estão fortemente vulneráveis e sujeitas à fome, geralmente passando fome”.

Neste contexto de mudanças profundas em pouco tempo e com o risco de o Brasil voltar a figurar no Mapa da Fome, a Agência Pública convida repórteres de todo o país a dedicar seus olhares para o tema. Lançamos em parceria com a Oxfam Brasil o concurso Microbolsas Fome, que vai viabilizar a produção de quatro reportagens investigativas sobre o assunto.

Os repórteres interessados têm até dia 21 de setembro para propor suas pautas, o que deve ser feito através deste formulário. Quatro propostas serão contempladas com uma bolsa de R$ 7 mil e a mentoria da Pública para a produção da reportagem. As pautas devem ser inéditas, originais e ter como resultado uma reportagem investigativa. Os vencedores serão definidos pela direção da Agência Pública e da Oxfam Brasil e anunciados em 1º de outubro.

Leia o Regulamento.

Para fazer a inscrição, é necessário enviar um resumo da pauta, pré-apuração, plano de trabalho e orçamento, além de uma biografia do autor e reportagens já produzidas. Serão levados em conta a consistência da pré-apuração, a experiência do repórter na realização de reportagens investigativas, segurança e viabilidade da investigação e ineditismo e relevância da pauta.

Esta é a 9ª edição das Microbolsas, projeto que nasceu em 2012 e já viabilizou mais de 30 reportagens. Foi com as investigações feitas por microbolsistas que começamos a investigar o Poder Judiciário. A reportagem “Severinas”, resultado da segunda edição do projeto, foi finalista do Prêmio Gabriel Garcia Marquez em 2014. A reportagem “Cadeias Indígenas na Ditadura” foi finalista do Premio Iberoamericano de Periodismo de Investigación. Também investigamos a distribuição de água imprópria para consumo pelo governo do Ceará, as empresas responsáveis por fazer os estudos de impacto ambiental das maiores hidrelétricas no Brasil e como é produzida a maconha no Paraguai.

Agora, convidamos os repórteres espalhados pelo país a investigar as consequências da fome na vida dos brasileiros.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

“Ataque aos índios não veio agora”, diz procurador da 1ª condenação por genocídio no país

“Ataque aos índios não veio agora”, diz procurador da 1ª condenação por genocídio no país

26 de outubro de 2021 | por

Luciano Mariz Maia, que atuou na primeira condenação por genocídio no Brasil, comenta pedido de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro, descartado pela CPI do Senado

A crise dos indígenas Avá-Guarani desterrados por Itaipu

A crise dos indígenas Avá-Guarani desterrados por Itaipu

25 de outubro de 2021 | por

Em meio à miséria e à tentativa de retomada do território, os suicídios de jovens indígenas aumentam a emergência social da etnia que vive às margens do rio Paraná

Aplicativos de delivery: a nova faceta do trabalho infantil

Aplicativos de delivery: a nova faceta do trabalho infantil

20 de outubro de 2021 | por e

Durante dois meses, repórteres da Agência Pública acompanharam a rotina de adolescentes que se arriscam no trabalho para aplicativos de entrega