Agência de Jornalismo Investigativo

Agência Pública e Oxfam Brasil vão receber propostas de pauta sobre fome no país até dia 30 de setembro; quatro repórteres serão selecionados para receber a bolsa de R$ 7 mil e mentoria da Pública

21 de setembro de 2018

A Agência Pública lançou no mês passado em parceria com a Oxfam Brasil um chamado para que repórteres independentes de todo o país proponham pautas sobre fome. Nos últimos anos, o número de brasileiros em situação de pobreza extrema voltou a subir. O aumento foi 11,2% entre 2016 e 2017, segundo a Pnad. Neste contexto de mudanças profundas em pouco tempo e com o risco de o Brasil voltar a figurar no Mapa da Fome da ONU, consideramos importante aprofundar os debates sobre o tema por meio de reportagens investigativas.
O prazo para inscrições será prorrogado até às 23h59 do dia 30 de setembro. Os repórteres interessados em participar das Microbolsas Fome têm então mais nove dias para pensar, pré-apurar e propor uma pauta. Os quatro vencedores serão definidos pelos diretores da Agência Pública e da Oxfam Brasil e os nomes serão anunciados no dia 10 de outubro aqui pelo site e em nossas redes sociais.
Os repórteres selecionados recebem uma bolsa de 7 mil reais e a mentoria da Agência Pública para realizar a reportagem. Os editores da Pública terão reuniões periódicas com os jornalistas, vão editar as reportagens, publicar e distribuir o material para veículos parceiros.
As inscrições devem ser feitas por este formulário. Leia também o regulamento e as perguntas frequentes sobre o projeto.
Para fazer a inscrição, é necessário enviar um resumo da pauta, pré-apuração, plano de trabalho e orçamento, além de uma biografia do autor e reportagens já produzidas. Serão levados em conta a consistência da pré-apuração, experiência do repórter na realização de reportagens investigativas, segurança e viabilidade da investigação e ineditismo e relevância da pauta.
Esta é a 9ª edição das Microbolsas, projeto que nasceu em 2012 e já viabilizou mais de 30 reportagens. Foi com as investigações feitas por microbolsistas que começamos a investigar o Poder Judiciário. A reportagem “Severinas”, resultado da segunda edição do projeto, foi finalista do Prêmio Gabriel Garcia Marquez em 2014. Também investigamos a distribuição de água imprópria para consumo pelo governo do Ceará, as empresas responsáveis por fazer os estudos de impacto ambiental das maiores hidrelétricas no Brasil e como é produzida a maconha no Paraguai.
Proponha sua pauta!

Mais recentes

Veja o que pode mudar caso projeto de redução de agrotóxicos seja aprovado

11 de dezembro de 2018 | por e

Plano Nacional de Redução de Agrotóxicos depende da pressão da sociedade para ser aprovado no Congresso, diz relator; futura ministra da Agricultura defende lei mais flexível

Contaminação recorde por agrotóxicos no Paraná atinge mais de 50 crianças

11 de dezembro de 2018 | por , e

Nuvem de Paraquate, potencialmente fatal, intoxicou 96 pessoas, a maioria crianças que estavam em escola vizinha à área de plantação

Agrotóxicos proibidos na Europa são campeões de vendas no Brasil

10 de dezembro de 2018 | por e

Com estudos indicando grave risco à saúde, Brasil usa agrotóxicos que foram proibidos na Europa. As empresas que vendem os químicos aqui são dos mesmos países que baniram as substâncias em seus territórios

Explore também

“O discurso do ódio estava presente desde 2010, se viu nas eleições municipais e voltou com força em 2014”

22 de junho de 2015 | por

Coordenadores da campanha digital de Marina Silva reavaliam a campanha e vaticinam: o discurso de ódio nas redes está nas lides do PT

Água destinada a empresas pela Sabesp aumenta 92 vezes em 10 anos

3 de março de 2015 | por e

Desde março do ano passado companhia suspendeu obrigações, mas manteve descontos para empresas que usam muita água; apesar da crise, 42 contratos de demanda firme foram assinados em 2014

“Não vai falar, vagabunda?”, dizia o torturador

28 de junho de 2012 | por

Policiais torturam para forçar confissões, agentes penitenciários torturam para castigar os presos. Há centenas de denúncias todos os anos mas poucos agentes do Estado são punidos.