Agência de Jornalismo Investigativo

Preparamos uma seleção com perguntas e respostas sobre o Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Fome, realizado pela Pública em parceria com a Oxfam Brasil.

12 de setembro de 2018

 

Atenção: inscrições prorrogadas até dia 30 de setembro

Desde 2012, a Pública realiza concursos para possibilitar que repórteres independentes investiguem suas pautas dos sonhos. Esta é a nona edição das Microbolsas, projeto que já financiou 29 reportagens. Desta vez, convidamos repórteres de todo o país a investigar a volta da fome ao cotidiano do Brasil. As inscrições estão abertas até dia 21 de setembro, através deste formulário.

Se você já leu o regulamento do concurso e já sabe qual pauta vai propor, mas ainda tem dúvidas sobre a inscrição, as respostas abaixo podem te ajudar:

O que eu preciso mandar para inscrever minha pauta?

Além de seu contato e um pequeno currículo para conhecermos sua experiência como repórter, você deve enviar algumas reportagens que já escreveu e o nome e contato de um profissional que possa nos contar um pouco mais sobre você. Também pedimos título, resumo e pré-apuração da pauta, possíveis fontes, plano de trabalho e de orçamento.

Posso inscrever um trabalho que não seja uma reportagem investigativa?

Não. O foco da Agência Pública e das Microbolsas é produzir reportagens investigativas sobre temas de interesse público.  As reportagens serão publicadas em nosso site e distribuídas aos nossos republicadores.

Sou jornalista, mas não tenho experiência com reportagens de fôlego, posso participar?

Pode. Você deve enviar os trabalhos jornalísticos que já produziu, ainda que não sejam reportagens investigativas. É importante observar que um dos critérios para a escolha dos vencedores é a capacidade de o repórter realizar uma pauta investigativa.

– A inscrição é individual ou pode ser em dupla/grupo?

A inscrição pode ser realizada tanto individualmente como em grupo. A diferença, é que no caso da inscrição em grupo, o valor da premiação (R$7 mil) será dividido entre todos os componentes.

Posso inscrever mais de uma pauta?

Sim, um repórter pode inscrever mais de uma pauta. Cada pauta deve ser proposta separadamente.

– Quem trabalha em algum veículo pode se inscrever?

Sim. As pessoas que têm interesse em inscrever um projeto, mas trabalham para algum outro veículo devem confirmar junto ao seu local de trabalho se o contrato prevê exclusividade. Caso o veículo permita a participação do repórter e tenha interesse, é possível combinar a publicação conjunta da reportagem – que será editada pela Agência Pública.

-Não tenho experiência com jornalismo investigativo, posso me inscrever?

Os repórteres que não têm experiência com jornalismo investigativo podem se inscrever, mas devem comprovar sua experiência com outros tipos de jornalismo e propor uma boa investigação jornalística sobre fome.

– Estudante pode se inscrever?

Sim, estudantes podem se inscrever.

– E se eu não conseguir realizar a minha pauta, o que acontece?

Se mesmo sob orientação o microbolsista não conseguir realizar a pauta, o caso será analisado pela equipe da Agência Pública para que se encontre uma solução viável. Em último caso, o microbolsista deverá devolver o dinheiro recebido através do concurso. O prazo para entrega das reportagens é de três meses após a assinatura do termo de compromisso.

– As reuniões com as editoras devem obrigatoriamente ser presenciais?

Não. Se o repórter não mora em São Paulo, as reuniões com as editoras serão feitas via Skype de 15 em 15 dias.

– Como funciona o processo de mentoria e edição da reportagem?

Cada microbolsista terá sua reportagem acompanhada e editada pelos editores da Agência Pública, que acompanham o andamento da pauta, orientam o repórter durante todo o processo de investigação, combinam prazos de entrega e fazem a edição do material.

– Pode ser projeto de infografia, animação, vídeo ou rádio?

Sim. A Pública busca por novas narrativas dentro do Jornalismo, e incentiva projetos que apresentem dados e histórias de maneira visualmente atraente, interativa e inovadora. Mas o crucial é a apuração e a boa reportagem, independente do formato.

– A bolsa de R$7 mil pode ser utilizada apenas para o pagamento do repórter?

Sim. Uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier. Lembrando que no ato da inscrição, deve ser apresentado um plano de orçamento para a elaboração da reportagem.

– As reportagens precisam ser sobre fome no Brasil?

Sim.

 – A Pública oferece identificação provisória (crachá)?

Sim.

– Repórteres estrangeiros podem se inscrever?

As microbolsas são destinadas a repórteres brasileiros. Repórteres estrangeiros podem se inscrever nas Residências da Casa Pública.

Sua dúvida não foi respondida? Envie um e-mail para marinadias@apublica.org

Explore também

Reportagem Pública 2015: últimos dias para doar!

2 de março de 2015 | por

Agora é tudo ou nada: se não atingirmos a meta até sábado, 7 de março, o dinheiro que arrecadamos até agora volta para os doadores e o Reportagem Pública 2015 não sai do papel. Venha fazer parte disso!

Corrida do ouro

23 de abril de 2015 | por

Como o Banco Mundial está financiando a destruição ambiental na mina de Yanacocha, no Peru

Famélicos: A fome que o Judiciário não vê

11 de março de 2019 | por e

Descompasso entre visão de agentes da Justiça e a realidade vivida pelos mais pobres resulta em tratamento cruel aos que furtam alimentos para sobreviver e garantir a nutrição dos filhos

Mais recentes

A fome que come

21 de março de 2019 | por

Acompanhamos famílias em São Paulo e Rio de Janeiro vítimas, sem saber, de um problema que atinge milhões de pessoas: a fome oculta, caracterizada por sintomas relacionados à falta de nutrientes

Como a internet está matando a democracia

19 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, o pesquisador e autor inglês Jamie Bartlett diz que hoje em dia cuidar do nosso comportamento online é mais importante que votar

Um ministro em órbita

18 de março de 2019 | por

Falta de articulação política de Pontes, titular do Ministério da Ciência e Tecnologia, um dos “patinhos feios” do Planalto, preocupa comunidade científica, que aguarda implantação de projetos