Buscar

Levantamento inédito revela que em 2020 aumentaram os gastos com publicidade para mostrar que país “está no rumo certo”; Secom já contratou mais de R$ 300 mi em campanhas

Dados
4 de junho de 2020
14:11
Este artigo tem mais de 3 ano

Cerca de 50 filmes. Publicidade em jornais, rádios, televisão, cinema, na internet e em outdoors. Uma campanha em todos os estados brasileiros para mostrar “como cada ato do governo beneficia diretamente o cidadão e faz mudar seu dia a dia para melhor”, segundo palavras do próprio secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten. Tudo isso a um custo que supera os R$ 14 milhões – parte do valor contratado durante os meses de março e abril, período em que o país passa pela pandemia do novo coronavírus.

Segundo apuração inédita da Agência Pública com dados públicos e por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), apenas em março e abril a campanha “Agenda Positiva”, da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), contratou R$ 5,8 milhões em ações de agências de publicidade. Desse total, R$ 4 milhões ocorreram após a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter declarado, em 11 de março, a Covid-19 como pandemia.

Além desses gastos, desde março a Secom contratou outros R$ 8,4 milhões para a campanha “Brasil no Exterior”. De acordo com material do próprio governo, a campanha é para “combater a percepção do país no exterior, face a alguns temas negativos que estão sendo veiculados e repercutidos internacionalmente”, sobretudo as “notícias negativas em relação ao governo e à conduta do Presidente”. Do total, R$ 6,3 milhões foram contratados após a OMS já ter declarado pandemia do novo coronavírus. A maior parte desses gastos foi acertada após o Brasil já ter registrado mortes por Covid-19.

Ao todo, as duas campanhas levaram a R$ 10,3 milhões de contratos atestados após a OMS ter declarado a pandemia da Covid-19, quando o Brasil já tinha centenas de casos registrados da doença.

Gastos com campanha que diz que “país está no rumo certo” explodem em 2020

Desde o início do governo Bolsonaro, a Secom já registrou mais de R$ 304 milhões em contratos de publicidade, comunicação digital, eventos e campanhas em rádio e TV, além de atividades de assessoria e relações públicas no exterior. Esse valor foi repassado a 11 agências de comunicação, que promoveram ações publicitárias e compraram anúncios em veículos brasileiros e estrangeiros, além de campanhas em redes sociais.

Somente no período da pandemia do novo coronavírus, a Secom fechou mais de R$ 18,2 milhões em contratos para diversas ações. A maior parte deles foi justamente para as duas campanhas de promoção favorável da imagem do governo: a “Agenda Positiva” e a “Brasil no Exterior”.

Campanha paga pelo governo afirma que “notícias e meias verdades pintavam um futuro sombrio” – apenas durante a pandemia, governo Bolsonaro já gastou R$ 10 milhões com campanhas positivas sobre a gestão

A Secom já gastava recursos públicos para divulgar campanhas de “resultados positivos” do governo Bolsonaro desde janeiro de 2019, mas foi a partir de 2020 – quando o orçamento passou a ser definido em conjunto com a gestão atual – que os gastos dessa ação explodiram: de janeiro a maio deste ano, foram mais de R$ 14 milhões acertados em contratos para a “Agenda Positiva”.

A maior parte dos gastos da campanha foi para uma estratégia de descentralização anunciada pela Secom em dezembro de 2019, quando o secretário Fábio Wajngarten afirmou que a “Agenda Positiva” seria veiculada em todos os estados brasileiros “para ecoar o que há de bom no governo para o Brasil”. De acordo com a estratégia, a campanha divulga impactos positivos do governo em áreas como economia, segurança, infraestrutura e social.

Em dezembro de 2019, Fábio Wajngarten, afirmou que campanha Agenda Positiva “resgata o orgulho e o sentimento de pertencimento do brasileiro”. Secom já contratou R$ 4 milhões com campanha apenas durante a pandemia do novo coronavírus

Segundo documentos da Secom, a campanha busca “reforçar o entendimento de que o país está no rumo certo”.

A “Agenda Positiva” é um dos temas no qual a Secom mais gastou dinheiro no governo Bolsonaro. A campanha mais cara foi sobre a reforma da Previdência, que já registra mais de R$ 70 milhões atestados pela Secom.

Queimadas na Amazônia levam a campanha milionária para melhorar imagem de Bolsonaro

A campanha “Brasil no Exterior” começou a ser gestada ainda em 2019, como resposta à repercussão negativa do governo Bolsonaro na imprensa internacional, sobretudo a partir das queimadas na Floresta Amazônica.

Segundo material interno a que a Pública teve acesso, em setembro, o governo avaliava que o país tinha a “imagem de marca prejudicada no exterior”, em especial nos países da União Europeia, importantes compradores de produtos agrícolas brasileiros. Em agosto, o presidente Emmanuel Macron, da França, criticou duramente a condução do governo brasileiro durante os incêndios na Amazônia e se opôs a acordos comerciais com o Mercosul.

Campanha para estrangeiro ver foi planejada após críticas internacionais à condução do governo Bolsonaro, especialmente com as queimadas na Amazônia. Campanha afirma que Brasil é exemplo de sustentabilidade e consciente do meio ambiente

No material, o governo federal avaliava que “uma série de notícias negativas em relação ao governo e à conduta do Presidente” eram “prioridades dos veículos” e que era preciso construir um “conceito guarda-chuva” com temas positivos da “marca Brasil” para “neutralizar os temas negativos”. O foco eram países da União Europeia, Estados Unidos, China, Japão e, na América do Sul, Argentina e Chile. A estratégia incluía também o mapeamento de conteúdos nas redes sociais sobre as notícias do Brasil no exterior. A campanha teria sido aprovada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e entidades do setor agropecuário.

Segundo a Pública apurou, além de gastos com produtoras de vídeo e publicidade em veículos estrangeiros, a campanha custou R$ 3,1 milhões com ações em redes sociais: a maior parte no Twitter, com cerca de R$ 2 milhões gastos. Somente no período da pandemia da Covid-19, a Secom fechou mais de R$ 1,6 milhão em contratos para ações nas redes sociais para melhorar a imagem do governo Bolsonaro no exterior.

Os incêndios na Amazônia geraram outra campanha bancada pela Secom, anunciada no Dia da Amazônia, 5 de setembro, mas que seguiu fechando contratos recentes até o mês de abril. Segundo o governo, a campanha serve para reafirmar “soberania do Brasil em relação ao território” e “mostrar como o Brasil defende e conserva o bioma”.

De acordo com a apuração, ações relacionadas ao Dia da Amazônia já custaram R$ 3,1 milhões em contratos com agências de publicidade. Mais de R$ 523 mil foram gastos em ações nas redes sociais, a maior parte no Twitter.

Secom fechou mais de R$ 18 milhões para ações nas redes sociais

Desde o início do governo Bolsonaro, a Secom já fechou R$ 18,9 milhões em contratos com agências para ações nas redes sociais. A verba foi usada tanto para criação de peças quanto para patrocínio de conteúdos nessas redes. A grande maioria desse dinheiro público foi para ações no Google – que incluem anúncios no YouTube –, seguidos pelo Twitter, Facebook e LinkedIn.

Segundo os dados analisados pela Pública, R$ 16,8 milhões do total acertado com as agências foram parar nas próprias redes, por exemplo, por impulsionamento de postagens ou pagamentos no sistema de anúncios do Google. Mais de R$ 7 milhões desse valor foi para o Google, seguido pelo Twitter, Facebook e LinkedIn.

A principal campanha a gastar dinheiro público da Secom diretamente nas redes foi a reforma da Previdência, com R$ 9,9 milhões indo parar no Google, Facebook, Twitter e LinkedIn. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, a campanha sobre a reforma utilizou o sistema de anúncios do Google para direcionar dinheiro público a sites de fake news, jogo do bicho e um canal do YouTube que promove o presidente Bolsonaro.

De acordo com reportagem de O Globo, um relatório da CPMI das Fake News apontou que mais de 2 milhões de anúncios pagos com verba da Secom foram destinados a sites, aplicativos e canais de YouTube que veiculam conteúdo falso, oferecem investimentos ilegais ou têm conteúdo pornográfico.

Após a reforma da Previdência, a segunda campanha que mais envolveu dinheiro público em ações nas redes sociais foi justamente a “Brasil no Exterior”, que teve a maior parte dos gastos em março deste ano, durante a pandemia. Cerca de R$ 2,6 milhões foram parar nas redes sociais, a maior parte no Twitter.

Além disso, segundo a Pública apurou, o governo já acertou mais de R$ 83 mil em divulgação da própria Secom nas redes, a maior parte no Twitter.

De acordo com os dados, durante o governo Bolsonaro, a Secom gastou também R$ 919 mil em estratégias para redes sociais e mais de R$ 1,7 milhão em monitoramento de redes. Todos os valores foram acertados com agências de comunicação.

Procurada, a Secom não respondeu aos questionamentos até a publicação.

Bruno Fonseca/Agência Pública
Reprodução TV Brasil
Reprodução TV Brasil
Reprodução Secom
Bruno Fonseca/Agência Pública
Bruno Fonseca/Agência Pública
Bruno Fonseca/Agência Pública

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Leia também

Enquanto leitos de UTI do SUS chegam ao limite, há vagas nos hospitais privados

Por ,

Em cinco estados, UTIs têm mais de 90% de ocupação no SUS; governo foi procurado por hospitais privados para custear UTIs para os que não têm vaga no sistema público

Em duas semanas, número de negros mortos por coronavírus é cinco vezes maior no Brasil

Por , ,

Levantamento da Pública mostra que mortes e hospitalizações de pretos e pardos sobem mais que em brancos; em São Paulo, recorde de mortes ocorre onde população negra é maior

Notas mais recentes

Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária


Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Municípios em que JBS se instalou tiveram aumento da pobreza, aponta pesquisa


Leia também

Enquanto leitos de UTI do SUS chegam ao limite, há vagas nos hospitais privados


Em duas semanas, número de negros mortos por coronavírus é cinco vezes maior no Brasil


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes