A Agência Pública e o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração vão distribuir quatro bolsas de 7 mil reais para repórteres produzirem reportagens investigativas

A Agência Pública e o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração vão distribuir quatro bolsas de 7 mil reais para repórteres produzirem reportagens investigativas

8 de julho de 2020
16:03
Este texto foi publicado há mais de 1 ano.

As inscrições para as Microbolsas Mineração foram prorrogadas até o dia 16 de agosto

A 12ª edição das Microbolsas de reportagem está com inscrições abertas. Desta vez, a Agência Pública se junta ao Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração para convocar repórteres de todo o país para propor pautas investigativas sobre a mineração e suas consequências para a população e o meio ambiente. As inscrições devem ser feitas até o dia 7 de agosto por este formulário. Serão distribuídas quatro bolsas no valor de R$ 7 mil, além da mentoria da Agência Pública para a produção da reportagem.

Os recentes rompimentos de barragens em Mariana e Brumadinho, que afetaram diversas famílias no estado de Minas Gerais, trouxeram os impactos negativos da mineração ao centro das discussões no Brasil. No entanto, os efeitos dessa atividade no meio ambiente e na vida das populações mais vulneráveis vêm desde o período colonial. Há muito o que investigar sobre uma atividade presente no país há tanto tempo e que ajuda a explicar parte de nossa formação social e econômica. Por isso, a Agência Pública e o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração lançam este chamado aos repórteres de todo o país.

“Os impactos da mineração são irreversíveis e causadores de inúmeros conflitos socioambientais e violações de direitos nos territórios. O setor mineral é o que mais protagoniza crimes socioambientais no país e reconhecido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como um dos mais perigosos do mundo para o trabalho, com elevados índices de mortes e invalidez dos seus trabalhadores. No Brasil existe uma série de incentivos fiscais à exportação de produtos de baixa intensidade tecnológica, levando o país à reprimarização da economia. Investigar o setor é de enorme importância. A inscrição de repórteres de todo país para as microbolsas é importantíssima, pois há um deserto de notícias na grande mídia sobre muitas histórias da mineração nos territórios mais distantes dos grandes centros”, afirma Kátia Visentainer, jornalista do Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração.

As pautas podem ser sobre quaisquer aspectos da mineração no Brasil, como violações de direitos humanos por empresas, impactos ambientais, conflitos de terras, garimpo, entre outros. Só serão consideradas propostas de reportagens investigativas. É importante que as pautas sejam originais e investiguem situações ainda não exploradas ou pouco exploradas pela mídia, principalmente nos biomas da Amazônia e do Cerrado.

Para se inscrever, é necessário enviar uma breve apresentação do repórter, referência profissional, resumo e descrição da pauta, plano de trabalho e plano de orçamento. As pautas serão selecionadas pela direção da Agência Pública em parceria com o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração considerando a originalidade e relevância da pauta, consistência na pré-apuração, segurança e viabilidade da investigação e os recursos e métodos jornalísticos que serão utilizados.

O resultado será divulgado no dia 21 de agosto no site da Agência Pública.

Leia o regulamento.

Faça sua inscrição!

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.
Foto: Marcos Amend/Greenpeace - Arte: Larissa Fernandes/Agência Pública

Mais recentes

Proposta de Bolsonaro

Proposta de Bolsonaro “cria ambiente para faroeste digital”, diz presidente da SaferNet

23 de setembro de 2021 | por

Em entrevista, Thiago Tavares diz que Projeto de Lei enviado pelo presidente mira eleições de 2022 e pode ser usado para anular inquéritos no STF

A escola é para todes; desenho feito por criança trans de 7 anos representando dois adultos e duas crianças, escrito

A escola é para todes

22 de setembro de 2021 | por

1.700 estudantes trans já adotam o nome social no ensino básico, mas preconceito e agressões, dentro e fora de sala de aula, dificultam quebra do ciclo de exclusão

Mulheres protestando contra o Estatuto do Nascituro

Juíza nega aborto legal para menina vítima de estupro e teria exposto sentença no WhatsApp

21 de setembro de 2021 | por

Após sofrer perseguição de assistentes sociais e ter o aborto negado na Justiça, adolescente vítima de estupro precisou recorrer ao MP para acessar direito