Buscar

Rosa conta a história da linhagem de mães pretas solteiras que criam os filhos juntas, quebrando coco

Vídeo
Assistir vídeo
14 de maio de 2023
06:00
Este artigo tem mais de 1 ano

Encontramos Rosenilde Gregório do Santos Costa, a dona Rosa, 61 anos, durante uma reportagem sobre violência contra os povos indígenas e comunidades tradicionais no Maranhão. A voz forte e clara, a cobrança implacável das autoridades, sem perder o bom humor, tudo chamava a atenção da gente para a liderança das quebradeiras de coco na manifestação da Teia dos Povos diante da Secretaria de Meio Ambiente em São Luís.

Naquela primeira semana de março de 2023, quebradeiras, indígenas, quilombolas, pescadores denunciavam empreendimentos que ameaçam os territórios e a vida das comunidades. O relatório mais recente da Comissão Pastoral da Terra, lançado no dia 8 de maio passado no Maranhão, coloca o estado em primeiro lugar no ranking dos assassinatos por conflitos de terra, empatado com Rondônia.

Fomos procurar dona Rosa no dia seguinte à manifestação no acampamento da Teia em frente ao Incra, onde eles se abrigavam na “semana de luta”. Entre as redes coloridas, e a mulherada cozinhando para um batalhão, pudemos conversar um pouquinho com esta que é uma das principais líderes do movimento popular no Maranhão. Falamos sobre sua origem em um quilombo em Viana, onde aprendeu a quebrar coco com a avó, da convivência sempre entre as mulheres, o anseio pela liberdade e pela educação que aprendeu com a mãe – que hoje ela chama de “revolucionária” – e nunca deixou que lhe faltasse caderno e lápis, comprados com o dinheiro do coco.

Conhecer dona Rosa é o presente da Agência Pública para todas vocês, mulheres, mães ou filhas, neste Dia das Mães.

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes