AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Dow como patrocinadora contraria espírito olímpico, acusa ONG

Dona da empresa responsável por um enorme desastre ambiental ocorrido na Índia em 1984, Dow Chemical se recusa a reparar vítimas e danos que ainda afetam a saúde da população

Em 2010, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou a Dow Chemical – uma das maiores fabricantes de produtos químicos do mundo – como uma das 11 parceiras mundiais para as Olimpíadas. O apoio da Dow às Olimpíadas em Londres foi de £ 7 milhões de libras, com a fabricação do invólucro do estádio.

O anúncio transformou Londres em palco de uma série de manifestações de ativistas de direitos humanos, políticos e atletas. A comunidade de cerca de 800 mil indianos protestou em coro. O motivo: a Dow é dona da americana Union Carbide Corporation que, por sua vez, tinha como subsidiária a Union Carbide India Limited, responsável pela manutenção e funcionamento da fábrica de pesticidas em Bhopal, na Índia, onde houve um vazamento de gás em 1984. O vazamento ficou conhecido como um dos maiores desastres ambientais do mundo.

Segundo a organização The Bhopal Medical Appeal, milhares de pessoas pobres consomem a água contaminada pelo lixo tóxico enterrado nos arredores da fábrica de pesticidas enquanto ela ainda estava ativa. É o que a organização chama de “um segundo desastre”, que se revela na alta incidência de casos de câncer e de defeitos genéticos em recém-nascidos. Esses problemas resultaram em processos contra a Dow Chemical, que em 2001 comprou a Union Carbide, empresa que era dona da subsidiária indiana responsável pelo desastre de Bhopal e pela construção e operação da fábrica hoje abandonada. Mas a empresa contesta a responsabilidade pela tragédia cometida pela gestão anterior.

A Dow Chemical, que já era patrocinadora da Olímpiada de Londres, foi investigada pela Comissão para uma Londres Sustentável 2012 – criada para monitorar e garantir o programa de sustentabilidade das Olimpíadas em Londres. Meredith Alexander, membro da Comissão, renunciou em meio à investigação: “Eu estava fornecendo informações sobre Bhopal para os membros da comissão e fiquei chocada porque a comissão repetia publicamente as falas da Dow de que ela não tem nenhuma responsabilidade sobre Bhopal”, disse Meredith em uma carta explicativa publicada no jornal The Guardian.

A polêmica chegou a ameaçar a participação da equipe olímpica da Índia. Os atletas do país discutiram a possibilidade de boicote às Olimpíadas, mas não a levaram em frente.

No mesmo ano das Olimpíadas, em 2012, o projeto The GI Files, do WikiLeaks, revelou que a Stratfor, uma empresa americana especializada em inteligência global, tinha sido contratada pela Dow Chemical para monitorar os ativistas de Bhopal e o impacto do caso sobre a imagem da empresa. A maioria dos e-mails vazados são de 2011 e trazem relatórios sobre as atividades de integrantes do grupo ativista Yes Men e da The Bhopal Medical Appeal nas redes sociais – chegando a identificar quem era o integrante responsável pela comunicação da ONG no Twitter e Facebook.

O vice-presidente da Dow Chemical para operações olímpicas, George Hamilton, explicou o interesse “olímpico” da empresa ao patrocinar o megaevento, que será realizado em 2016 no Rio de Janeiro. “Comercialmente, o Brasil, a Rússia e a China são mais importantes que Londres,” disse Hamilton, em entrevista à BBC de Londres. “Para nós, essa é uma grande abertura para entrar nesses países, acelerar nossa participação e ter um retorno não só do investimento dos Jogos Olímpicos, mas do legado que vem disso.”

O Comitê Olímpico Internacional também não reconhece o apelo das organizações e ativistas sobre a situação em Bhopal. O contrato com a Dow Chemical permanece até 2020.

Leia a seguir a entrevista via email com Colin Toogood, representante da The Bhopal Medical Appeal.

Como e por que essa parceria entre a Dow Chemical e os Jogos Olímpicos não é aceitável?

Nós todos sabemos que, em geral, os problemas dos patrocinadores dos Jogos Olímpicos giram em torno de uma noção de que o debate está aberto e isso é uma situação bastante conveniente. Significa que as questões de “sustentabilidade” podem ser levantadas e “recomendadas”, como estava sendo feito em Londres pela “Comissão para uma Londres Sustentável 2012”, mas significa também que os patrocinadores problemáticos não podem ser desqualificados. Nosso argumento é que podemos dar exemplos indiscutíveis do comportamento empresarial da Dow Chemical que a desqualificam para se envolver com as Olimpíadas, se a Carta Olímpica for interpretada corretamente.

Quais seriam esses exemplos?

É um fato absoluto que a Dow Chemical, graças à sua propriedade da Union Carbide, tem dívidas pendentes em relação ao desastre de 1984 de Bhopal e a um menos conhecido, um segundo desastre de contaminação tóxica no mesmo lugar.

Alguns desses fatos estão, sem dúvida, abertos para o debate ou sujeitos a audiências judiciais e isso dá à Dow – e ao COI (Comitê Olímpico Internacional) – a saída conveniente de dizer que essa é uma história incrivelmente complexa, e que os fatos estão submetidos ao devido processo legal. Se isso é certo, nós não temos um argumento legal válido contra a Dow por ela ser uma patrocinadora olímpica e devemos contar com uma interpretação ética e/ou moral da Carta Olímpica.

No entanto, há (pelo menos) um caso em que a Dow é claramente culpada de um grave abuso da lei: a Dow está ativamente protegendo uma subsidiária integral de acusações criminais muito graves e, portanto, a protegendo no devido processo legal.

A Union Carbide Corporation é detida 100% pela Dow Chemical. Na verdade, a relação entre elas é tão estreita que os executivos de uma sentam no conselho da outra. A Union Carbide Corporation foi acionista majoritária (nunca possuiu menos de 50,9% da participação no controle) da Union Carbide India Ltd., que é a empresa que detinha, e operava, a fábrica de pesticidas que se tornou o local do pior desastre industrial do mundo, o desastre do vazamento de gás em Bhopal, em 1984.

Em 1987 foi feito um acordo de US$ 470 milhões entre a Union Carbide e o Governo da Índia e, na época, isso foi descrito como um final. No entanto, em 1989, os tribunais indianos acusaram a Union Carbide do crime de “homicídio culposo”.

Antes da liquidação inicial houve uma tentativa de levar a Union Carbide aos tribunais dos EUA. Mas, temendo um nível muito mais elevado de danos, a Union Carbide decretou que os tribunais indianos seriam o fórum correto para o caso. No entanto, quando as acusações criminais foram feitas, a Union Carbide, em seguida, declarou que os tribunais indianos não tinham jurisdição sobre a empresa e repetidamente se recusou a responder as acusações.

E como está a situação judicial hoje?

Em 17 de março de 2005, uma intimação judicial foi enviada pelos tribunais criminais indianos à central da Dow Chemical, em Michigan, pedindo que a Dow explique por que não produziu provas, favorecendo a Union Carbide Corporation – que foi condenada em 1 de fevereiro de 1992, pela Magistratura Judicial Central indiana. Ou seja, há mais de 12 anos a Dow comete o delito de “abrigar um fugitivo da justiça”.

A Dow usou uma subsidiária, a Dow Chemical IPL, para escapar à convocação, e essa alegou que “não tem nenhum nexo direto quer em termos de participações, quer em termos de outra forma com a Dow Chemical EUA e/ou a UCC” [Depoimento da DCIPL perante a Magistratura Judicial Central, em Bhopal, datada de 03 de setembro de 2004]. E teve sucesso.

No entanto, o Magistrado Judicial central de Bhopal removeu a ordem de bloqueio obtida pela Dow, em novembro de 2012, abrindo assim o caminho para a convocação. Mas, até o momento a intimação não foi emitida e a Dow continua a negar qualquer responsabilidade sobre o caso.

É um exemplo clássico de como a empresa acusada manipula os processos judiciais. Como resultado, as vítimas do vazamento de gás estão longe de alcançar a justiça no processo penal, já que o caso tem se tornado quase uma farsa – o que, não é preciso dizer, cai muito bem à Dow Chemical.

Nós levantamos outros pontos sobre a relação da Dow com Bhopal, e muitas outras instâncias de seu comportamento ilegal em todo o mundo, mas esta questão, do marcante processo criminal de Bhopal, nunca foi respondida.

Com o anúncio do patrocínio às Olimpíadas, que iniciativa vocês tomaram?

Além da nossa organização, a Anistia Internacional e vários políticos levantaram a questão ao LOCOG [Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Londres], ao Lord Coe (chefe do Comitê), e ao prefeito de Londres. A questão também foi levantada na Assembleia de Londres e no Parlamento inglês, mas não foi respondida. Ela não pode ser simplesmente refutada, pois é um fato. Nós acreditamos que é um escândalo esta empresa ser autorizada a patrocinar as Olimpíadas, enquanto esta situação permanece.

Parece mais uma história do comportamento e/ou de abusos das corporações, mas a diferença nesse caso é que estamos lidando com as consequências do pior desastre industrial de todos os tempos. Um desastre que não foi devidamente resolvido no âmbito legal e, pior ainda, está ligado a outro desastre que tem envenenado milhares de pessoas por décadas e nunca teve qualquer reparação. Nós acreditamos firmemente que esse é um fato importante, seja qual for a cidade olímpica: acreditamos que enquanto a Dow for patrocinadora, a organização das Olimpíadas está em descrédito.

 

Fotos: David Graham/Bhopal Medical Appeal.

 

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Tags: , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Hoje não tem água nem aula

| por | 24 de agosto de 2015

Desde 2013, as escolas paulistas sofrem com a crise de abastecimento de água, reconhecida recentemente pelo governo do estado. Para pais, professores e diretores, a falta de orientação aos gestores escolares agrava o prejuízo dos alunos. Leia a primeira reportagem das microbolsas sobre Crianças e Água promovidas pelo Instituto Alana em parceria com a Agência Pública

Eles que comam ouro!

Eles que comam ouro!

| por | 19 de agosto de 2015

Camponeses das comunidades ao longo do rio Marañón, um dos mais importantes afluentes do Amazonas, resistem às obras da Odebrecht para instalar hidrelétricas em Cajamarca, celeiro de alimentos do Peru

Hoje não tem água nem aula

Hoje não tem água nem aula

| por | 24 de agosto de 2015

Desde 2013, as escolas paulistas sofrem com a crise de abastecimento de água, reconhecida recentemente pelo governo do estado. Para pais, professores e diretores, a falta de orientação aos gestores escolares agrava o prejuízo dos alunos. Leia a primeira reportagem das microbolsas sobre Crianças e Água promovidas pelo Instituto Alana em parceria com a Agência Pública

Eles que comam ouro!

| por | 19 de agosto de 2015

Camponeses das comunidades ao longo do rio Marañón, um dos mais importantes afluentes do Amazonas, resistem às obras da Odebrecht para instalar hidrelétricas em Cajamarca, celeiro de alimentos do Peru

Tools