Agência de Jornalismo Investigativo

Região a 200 km de São Paulo foi palco de operação de guerra durante a ditadura militar

22 de agosto de 2014

Entre 22 de abril e 1 de junho de 1970, no sexto ano da ditadura militar, o Vale do Ribeira, a 200 km de São Paulo, foi palco de uma verdadeira operação de guerra. A “Operação Registro” foi a maior mobilização da história do II Exército.

Foram empregados 2954 oficiais, entre membros do Centro de Informações do Exército, regimentos de infantaria e pára-quedistas das forças especiais, polícias da Polícia Militar e Rodoviária de São Paulo e do Dops, além da Marinha para vasculhar a área e capturar 9 integrantes da organização VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) comandados pelo Capitão Carlos Lamarca, que instalou dois centros de treinamento de guerrilha na área.

Para contar essa história, a Pública viajou duas vezes ao Vale do Ribeira, conversou com 12 testemunhas dos bombardeios, revisou documentos secretos e vasculhou a floresta durante 7 horas. Segundo um relatório oficial do II Exército, a Força Aérea Brasileira bombardeou a área com aviões T-6 e B-26; na mesma época, o adido militar francês Yves Boulnois escrevia um relato ao Ministério de Defesa da França atestando o bombardeio por Napalm.

Não era a primeira vez que a FAB usava bombas de napalm, o que fizeram algumas vezes durante exercícios militares durante aquele ano.

Para os moradores da região, os bombardeios são ainda uma lembrança forte, do qual se lembram em detalhes, com medo e incompreensão. Como Pedro Passos, o seu Pedrico, que levou a Pública até o local onde encontrou uma carcaça de bomba há cerca de 20 anos. Os destroços foram recolhidos e serão entregues oficialmente à Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa Estadual durante uma audiência pública na segunda-feira, dia 25, às 13 horas.

Veja o vídeo sobre nossa expedição para achar os destroços. A reportagem completa pode ser conferida na revista Carta Capital desta semana, e será publicada na segunda-feira, aqui na Pública.

 

 

Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Leia o manifesto dos atletas por legado social e esportivo de megaeventos

17 de julho de 2013 | por

Documento é da Associação Atletas pela Cidadania, que inclui Ana Moser, Giovane, Raí, Cafú, Dunga, Edmilson, Fernando Meligeni, Fernando Scherer (Xuxa), Gustavo Borges, Hortência, Joaquim Cruz, Kaká, Lars Grael, Magic Paula, Oscar Schmidt, Robson Caetano, Rogério Ceni, Rubens Barrichello e Zetti.

Um preso político no Brasil democrático

5 de maio de 2015 | por

Detido desde dezembro de 2014 por ter participado dos protestos durante a Copa do Mundo, Igor Mendes é considerado preso político pela ONG Tortura Nunca Mais; há mais 23 réus no processo cheio de falhas e lacunas

Maré de Terror

1 de julho de 2013 | por

Depoimentos de moradores da comunidade carioca invadida pelo Bope na última segunda-feira, 24/6, traçam um quadro de abuso extremo e violência policial

Mais recentes

“Caveirão voador” é usado como plataforma de tiro, dizem moradores

18 de abril de 2019 | por

No Rio de Janeiro, instrução normativa do estado proíbe rajadas a partir de helicópteros da polícia, mas disparos aéreos com intervalos são permitidos; moradores relatam rasantes com tiros em direção às comunidades

Governo federal não sabe quantos conselhos foram extintos nem qual será a redução de custos

17 de abril de 2019 | por e

Celebrado por Bolsonaro como uma das medidas dos seus 100 dias de governo, nem governo nem ministérios sabem informar o impacto do decreto que acabou com os conselhos federais

Ministério dos Direitos Humanos nega 33 pedidos de anistia para cada solicitação aprovada

16 de abril de 2019 | por e

Presidida por ex-advogado de Bolsonaro, com histórico de ações contra reparações a presos políticos, Comissão de Anistia tem seis militares e apenas um representante de perseguidos pela ditadura