Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Vídeo da agência foi exibida em audiência da Comissão Estadual da Verdade em SP

26 de agosto de 2014
19:00

Durante uma audiência da Assembleia Legislativa de São Paulo no último dia 25, os repórteres Natalia Viana e Luciano Onça apresentaram os destroços de bombas recolhidos no Vale do Ribeira durante a investigação sobre o cerco militar que a ditadura impôs à região em abril e maio de 1970, em busca de 9 guerrilheiros da organização Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). Leia aqui a reportagem completa.

Foi a primeira vez que fragmentos das bombas de Napalm atiradas pela FAB foram recolhidos. Antes de mostrar os destroços, os jornalistas exibiram um documentário de 20 minutos com relatos de moradores do local.

DSC07797
Natalia Viana apresenta os fragmentos de bombas durante audiência pública. Foto: Babak Fakhamzadeh

Surpreendido pela apresentação das bombas durante a Audiência Pública organizada pela Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa, o promotor de justiça Eduardo Ferreira Valério ligou imediatamente para o Procurador-Geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, que deu o aval para que os destroços fossem recolhidos. “A primeira reação nossa é a necessidade de tornar essa descoberta pública. Não sei ainda se o material tem valor de prova de crime, mas com certeza tem um enorme valor histórico”, disse.

À Agência Pública, ele explicou que o MPvai montar uma comissão de trabalho para analisar o que é possível fazer com esse material e definir uma estratégia para dar mais visibilidade ao achado. “Se for possível, vamos avaliar que tipo de perícia pode ser feita, e por qual órgão técnico”, disse, explicando que o Ministério Público não tem laboratórios para realizar tal exame. Além de comprovar que os destroços são de bombas atiradas na região no final de abril de 1970, a perícia buscaria determinar se há vestígios de napalm – o que é difícil devido ao tempo transcorrido, 44 anos. Com os resultados seria possível buscar uma responsabilização criminal do Estado. “Claro que tem problemas, temos que analisar a prescrição de pena, e a lei da anistia”, completou.

DSC07820
O promotor de justiça Eduardo Ferreira Valério. Foto: Babak Fakhamzadeh

Eduardo Valério elogiou o trabalho de “investigação histórica e de arqueologia contemporânea” realizado pela Agência Pública, e disse que os destroços demonstram “o nível de truculência do estado contra a população civil”. A Agência Pública também entregou ao MPE uma cópia dos vídeos gravados durante dois meses de pesquisa na região no Vale do Ribeira, que contém relatos de 12 testemunhas dos bombardeios e dos abusos dos militares na época. “Havia relatos esparsos das vítimas recolhidos pelas Comissões da Verdade, mas agora conseguimos reunir evidências históricas, materiais, dessa situação”.

Durante a audiência, o sargento Darcy Rodrigues, ex-guerrilheiro da VPR, denunciou as atrocidades cometidas durante o cerco. GAbriel Siqueira, pesquisador da Comissão, relatou as grilagens de terra que se seguiram ao à operação militar – entre elas, grilagens realziadas pelo filhbo do então ministro da justiça Alfredo Buzaid. Moradores de comunidades de pescadores e quilombolas também relataram as violências sofridas e a disputa pela terra.

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

Antonieta veste uma camisa florida e olha para a câmera. Ao fundo, plantas verdes

“Não se faz revolução no conforto”, diz liderança do Movimento Negro

18 de outubro de 2019 | por

Antonieta Luísa Costa, presidente do Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso (Imune), falou à Pública sobre a Amazônia negra, identidade racial e governo Bolsonaro

O protesto indígena popular que parou o Equador

16 de outubro de 2019 | por

Jornalista equatoriana conta como foram os 11 dias de manifestações que pararam o país; negociações foram transmitidas ao vivo pela internet

Patricia Collins: “Os EUA têm instituições democráticas, mas não têm uma democracia”

15 de outubro de 2019 | por

Autora de 'Pensamento Feminista Negro' vê como positivo o aumento da representação dos negros na mídia mas enfatiza que isso não substitui a representação política