AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

O jornalismo independente precisa de você

Na próxima semana a Agência Pública lança Reportagem Pública 2015, nossa segunda campanha de crowdfunding. Aqui, contamos por que acreditamos no financiamento coletivo do jornalismo – e por que queremos o público dentro da nossa redação

Para assinar uma revista semanal por um ano, o leitor brasileiro paga em média 430 reais. Em troca, recebe na sua casa o produto, um compilado das principais notícias selecionadas por editores que muitas vezes ele desconhece – e segundo critérios que raramente são expostos de maneira aberta e transparente. O assinante tampouco tem influência sobre a face mais visível da publicação, ou seja, os seus autores, de forma que, quando a diretoria resolve “enxugar” o pessoal, ele é o último a ficar sabendo. Não cabe a ele opinar sobre como é gasto o seu dinheiro. Sua participação se limita a ler a revista; se tiver alguma crítica ou sugestão, pode escrever uma carta para a seção do leitor ou reclamar no setor de relacionamento com o cliente. Seu papel como financiador é pequeno. Se decidir assinar a publicação, o que ele vai receber é o mesmo produto que todos os outros leitores e assinantes. Se não assinar, a revista seguirá existindo assim mesmo.

Isso tudo pode parecer óbvio, mas é fundamental para entender o que tem levado milhares de pessoas a investir em projetos de jornalismo que ainda nem existem, por meio do financiamento coletivo, ou crowdfunding. A Agência Pública, da qual sou uma das diretoras, encerrou no ano passado um grande projeto nesse modelo, o Reportagem Pública, que financiou 12 bolsas para jornalistas realizarem a reportagem dos seus sonhos de maneira independente.

"Quanto mais presos, maior o lucro": uma das quatro matérias financiadas coletivamente, através do projeto Reportagem Pública, que foram premiadas. Foto: Peu Robles

“Quanto mais presos, maior o lucro”: uma das quatro matérias financiadas coletivamente, através do projeto Reportagem Pública, que foram premiadas. Foto: Peu Robles

Durante a campanha de arrecadação, que durou 45 dias entre agosto e setembro de 2013, conseguimos reunir 58.935 reais de 808 apoiadores, uma média de 72 reais por apoiador. Em troca, publicamos 12 reportagens investigativas ao longo de seis meses no nosso site e na nossa rede de republicadores (já que funcionamos como uma agência).

Não se trata de uma relação entre fornecedor e consumidor, mas de algo simbolicamente muito mais complexo: a integração do leitor no fazer jornalístico.

Não é tanto, se comparado com a quantidade de reportagens que uma revista oferece a um custo de cerca de 12 reais por edição. Mas o crowdfunding é um modelo de produção completamente diferente. O foco é a qualidade e não a quantidade (quatro das 12 reportagens receberam prêmios nacionais de jornalismo). E não se trata de qualidade jornalística apenas, mas de experiência. Não se trata de uma relação entre fornecedor e consumidor, mas de algo simbolicamente muito mais complexo: a integração do leitor no fazer jornalístico. E é por isso que combina tão bem com a nova era da produção do jornalismo pós-industrial.

É apostando no aprofundamento dessa experiência que lançaremos, na próxima semana, o Reportagem Pública 2015: agora, queremos convidar o leitor para dentro da nossa redação, participando mais do nosso dia a dia, mantendo uma conversa direta com nossos repórteres e decidindo o que a Pública deve investigar ao longo do ano.

Rápido crescimento

No Brasil, o crowdfunding para jornalismo, no modelo atual, surgiu em 2011, com o lançamento da plataforma Catarse. Um de seus quatro primeiros projetos era jornalístico: foi o Cidades para Pessoas, da jornalista Natália Garcia, que conseguiu arrecadar mais de 25 mil reais para financiar viagens da repórter a 12 cidades, para conhecer e relatar soluções urbanísticas que privilegiam o bem-viver nas metrópoles.

O projeto, que segue até hoje, carrega do seu financiamento inicial a liberdade editorial, inclusive de formatos multimídia e outros que ultrapassam o site, incluindo exposições e intervenções artísticas. Assim, tornou-se em três anos referência e conquistou outras fontes de recursos, como curadorias e palestras. Antes de ser lançado no Catarse, Natália Garcia estava negociando o projeto com o portal do Estado de S. Paulo. Ponderou que, se decidisse por esse caminho, teria grande exposição, mas seria obrigada a dividir os créditos com o jornal (que iria inclusive palpitar no nome do projeto), ceder o conteúdo como propriedade intelectual da empresa e alinhar-se às suas estratégias e à sua marca. Foi então que Natália preferiu abrir essa nova fronteira no Brasil, e com isso revestiu seu projeto de outra característica que tem marcado os projetos jornalísticos financiados por crowdfunding: a inovação.

O surgimento e rápido crescimento do crowdfunding no Brasil – não só aquele circunscrito ao jornalismo, mas a diversas áreas – surpreendeu a todos, por se tratar de um país em que se tem a impressão de que as pessoas “não doam” para “causas” do terceiro setor. O Catarse, que é a maior plataforma de crowdfunding do país, conseguiu tornar realidade mais de mil projetos, levantando uma quantia superior a 14 milhões de reais. Para entender quem doa e por quê, o Catarse realizou em 2013 a pesquisa Retrato do Financiamento Coletivo no Brasil, voltada àqueles que já doaram para iniciativas na área. Vale ler o relatório final, resultado de 3.336 entrevistas. Chama a atenção o fato de que 74% das pessoas que doaram recebem até 6.000 reais por mês – ou seja, são de classe média, não exatamente o tipo de gente que realiza doações porque está “sobrando” dinheiro. Doam porque veem ali um benefício.

[relacionados]

Mas qual seria esse benefício? Algumas respostas ajudam a entender a questão. Entre os doadores, 26% trabalham em empresas privadas, mas é grande a quantidade de freelancers (14%), empreendedores (14%) e estudantes (13%). Mais interessante ainda: 68% dos empreendedores entrevistados enxergam potencial de financiamento coletivo em seus negócios; e 81% dos estudantes entrevistados estão interessados em empreender projetos próprios após se formarem. Isso significa que, ao doar para projetos de financiamento coletivo, eles não estão apenas buscando a concretização daquele projeto e o seu benefício direto; estão fortalecendo uma comunidade e uma alternativa econômica da qual eles mesmos podem se valer algum dia.

Mas como isso pode beneficiar o jornalismo, ou os jornalistas? Outro dado que salta aos olhos na pesquisa é que 10% dos entrevistados disseram trabalhar na área de jornalismo e comunicação, sendo ela uma das três áreas mais recorrentes, ao lado de web e administração. No caso específico do jornalismo, abre-se aí uma nova fronteira do que seria a participação do público, que vai muito além dos pequenos e restritos papéis que lhe eram permitidos tradicionalmente.

Nossa experiência

"Em guerra contra a Nestlé": mais uma reportagem financiada através de crowdfunding que acabou premiada em 2014

“Em guerra contra a Nestlé”: mais uma reportagem financiada através de crowdfunding que acabou premiada em 2014. Foto: Marina Almeida

Foi essa questão que nos instigou a construir o projeto Reportagem Pública. Inauguramos a campanha de arrecadação num momento muito especial: em junho e julho de 2013, protestos massivos como não se viam havia décadas chacoalharam o Brasil. E, junto com eles, um dos fenômenos mais instigantes do jornalismo nos últimos anos, o surgimento de coletivos de cobertura cidadã, como o Mídia Ninja, Rio na Rua e BH nas Ruas, que acabaram suprindo uma demanda de informação quente, do front das manifestações, ao vivo e sem cortes.

Para além da informação imediata e do ineditismo daquela cobertura, o que esses coletivos demonstraram foi o desejo da população – em especial dos mais jovens – de ver uma cobertura menos circunscrita aos informes oficiais, mais interessada a voltar às ruas, ao rés do chão, para ouvir as pessoas. Um jornalismo que descesse do seu pedestal e se identificasse com os manifestantes. Um jornalismo questionador, que denunciasse e perseguisse impiedosamente o aviltante abuso policial, que não apareceu na cobertura da imprensa até um segundo momento. E um jornalismo que lhes permitisse fazer parte – seja por meio de comentários, seja como retransmissores pelo compartilhamento de informações e links pelas redes sociais, seja exercendo a função de “ninjas” por um dia – de sua elaboração.

Por outro lado, a produção desses coletivos era pouco criteriosa em termos jornalísticos, o que deixou claras as limitações desse modelo. Contudo, as iniciativas provaram que havia uma grande demanda por um jornalismo mais aguerrido e crítico no Brasil. A Agência Pública sempre se dedicou a cumprir esse papel na produção de reportagens aprofundadas com distribuição livre. A pergunta, para nós, era: como combinar o rigor necessário ao jornalismo com a colaboração típica da era da internet?

No caso do jornalismo investigativo, o problema é ainda mais complexo. Queríamos que o público pudesse contribuir não só doando, mas como informadores e colaboradores dos repórteres, trazendo contatos, dados, fontes que poderiam ajudar na reportagem. Mas os jornalistas investigativos têm natural resistência, por exemplo, em abrir sua pauta. Além disso, informações vindas do público teriam que ser checadas e rechecadas, o que poderia gerar ainda mais trabalho. Mas achamos, mesmo assim, que valia a pena, e conseguimos encontrar jornalistas abertos para essa nova experiência.

O projeto funcionou desta forma: os apoiadores podiam doar a partir de 20 reais, depois 50, 100 e dali por diante. Dependendo do valor doado, receberiam uma “recompensa” pela doação – desde adesivos, o nome no site da Pública como apoiador, até livros dos nossos conselheiros, como Eliane Brum, Leonardo Sakamoto e Carlos Azevedo. Além disso todos os doadores, independentemente do valor despendido, poderia votar nas 12 reportagens que receberam 6.000 reais e a orientação da Pública para serem realizadas por jornalistas independentes.

Abrimos, em seguida, uma chamada para jornalistas enviarem suas propostas de reportagem, exigindo uma pré-apuração consistente, experiência em realizar reportagens de campo e um plano de trabalho detalhado. Foram cerca de 150 propostas. Selecionamos as 45 mais promissoras e criamos uma página especial com um resumo de cada proposta. Nesse hotsite, os doadores recebiam uma senha para votar nas suas preferidas, além de poderem compartilhar nas suas redes a reportagem de que mais gostaram e adicionar informações ou fontes, estando em contato direto com os repórteres.

Doadores arregaçam as mangas

Reportagem sobre explosões de carros Vectra no Brasil foi uma das mais reconhecidas na primeira edição do Reportagem Pública

Reportagem sobre explosões de carros Vectra no Brasil foi uma das mais reconhecidas na primeira edição do Reportagem Pública

Uma vez eleitas, as reportagens foram produzidas em um período de dois a quatro meses, com nossa coordenação e edição, e foram publicadas durante o primeiro semestre de 2014. O resultado foram trabalhos de muita qualidade, como a denúncia sobre casos de explosões de modelos Vectra, fabricados pela GM no Brasil; um levantamento extensivo sobre a negação do direito das mulheres ao aborto nos casos em que é permitido por lei; um perfil das quatro empreiteiras que mais se beneficiaram com as obras para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas no Rio de Janeiro; e uma reportagem sobre a luta dos moradores de São Lourenço (MG) contra a exploração das águas minerais pela Nestlé.

Além disso, convidamos os 808 doadores dos projetos para participar de uma lista de discussão com os repórteres e as editoras da Pública. Por meio dela, mandamos notícias sobre o andamento das pautas, o uso dos recursos no projeto, o envio das recompensas e discutimos soluções para aquelas ideias que não haviam sido financiadas (uma delas foi viabilizada, depois, por meio de sua própria campanha de crowdfunding, e outra recebeu apoio de uma revista para se tornar realidade). O grupo segue ativo até hoje e tem sido fonte de informações para trabalhos acadêmicos.

Reportagem sobre as "quatro irmãs" Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS e Andrade Gutierrez também foi destaque do Reportagem Pública 2014. Foto: Rodrigo Soldon

Reportagem sobre as “quatro irmãs” Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS e Andrade Gutierrez também foi destaque do Reportagem Pública 2014. Foto: Rodrigo Soldon

Quase tão importante quanto a participação durante a elaboração das reportagens foi o apoio dessa comunidade à sua disseminação, uma vez publicadas. Os participantes foram avisados na véspera e se engajaram bastante no processo, enviando links por e-mail aos seus conhecidos, compartilhando textos via redes sociais, recomendando a leitura e sugerindo veículos que poderiam republicar as reportagens (todas elas, como tudo na Agência Pública, foram distribuídas sob licença Creative Commons, permitindo o livre uso, desde que sem alterações e com o devido crédito).

Quase tão importante quanto a participação durante a elaboração das reportagens foi o apoio dessa comunidade à sua disseminação, uma vez publicadas.

Graças a esse esforço coletivo, as reportagens foram compartilhadas nas redes sociais em média duas vezes mais do que as outras matérias da Pública. A reportagem que mais rodou nas redes, “Quanto mais presos, maior o lucro”, de autoria de Paula Sacchetta – que estuda o processo de privatização de presídios em Minas Gerais –, teve 12 mil compartilhamentos, e o vídeo foi visto por 51 mil pessoas.

O mais interessante, para mim, nesse processo, foi o convite à participação do fazer jornalístico em diversas etapas do processo. Falta ainda à maioria dos jornalistas a compreensão de que o jornalismo pós-industrial tem que ser observado como um processo completo, que vai desde o levantamento de fundos, passando pela seleção da pauta, até a sua distribuição final – e, muitas vezes, tudo isso é feito pela mesma pessoa.

Aqui na Pública, nos quase quatro anos de existência, dedicamos muito tempo a compreender esse processo que domina todas as etapas (claro que sempre há o que aprimorar, e novas tendências e soluções vão surgindo). Todos, aqui, compreendem todo o processo e têm aprendido a operar cada estágio. Agora, queremos aumentar ainda essa experiência de participação do leitor e trazer ela para dentro da nossa redação, do centro de nossa produção jornalística, fortalecendo a Pública e ao mesmo tempo convidando os leitores a nos pautarem, mês a mês. É mais uma vez um convite aos nossos apoiadores: venham fazer parte do Conselho Editorial da Agência Pública!

Isso porque, de maneira geral, o barato do crowdfunding é que ele permite que se abra qualquer uma das fases, convidando a participação de outras pessoas em diferentes graus e permitindo que o projeto seja “abraçado” por elas, de verdade.

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Welington Leal

    Vcs são um exemplo para qualquer setor.
    Mereceriam muito mais.
    Que continuem e façam escola. Precisamos de mais agencia e jornalistas como vcs!

    • nataliaviana

      Oi welington, agradecemos muito! É por causa de leitores como vcs que a gente se anima a seguir na labuta! Aguarde mais novidades do próximo crowdfunding! Beijos

  • Ótima iniciativa. Durante a campanha, arrebentaram com o ‘truco”. Abs.

    • nataliaviana

      Obrigada Guilherme, vamos seguir com mais ideias, checagens e investigações – aguarde!

      • Show, afinal, a “fiscalização” não pode acabar somente porque acabou a eleição.

  • Philipe Matieli

    Parabéns pela coragem de acreditarem que podem fazer jornalismo com qualidade e independente! Quero contribuir para o excelente trabalho que vcs realizam. Que 2015 seja incrível! Seguimos!

    • nataliaviana

      Oi Philipe, muito obrigada pelo apoio, viu? Semana que vem estamos com o bloco na rua, e a nossa casa aberta! Beijos

  • atenas

    Não percebi a diversidade de pontos de vistas aqui. Algo pouco público. Quem não pensar dentro dos ditames do “progressismo”, aqui não tem valor.

    Triste

    • nataliaviana

      OI Atenas, seja bem vinda, sempre. Acredito que todos os leitores, independente da posição política, têm muito valor para se fazer um debate profundo sobre o país. Um abraço, Natalia

Acima de qualquer suspeita

| por | 30 de novembro de 2016

Alvo de sete acusações no CNJ e punido em um único processo, o desembargador Luiz Zveiter concorre pela segunda vez à presidência do TJ-RJ após mudança de regra do tribunal permitir a reeleição

Acima de qualquer suspeita

| por | 30 de novembro de 2016

Alvo de sete acusações no CNJ e punido em um único processo, o desembargador Luiz Zveiter concorre pela segunda vez à presidência do TJ-RJ após mudança de regra do tribunal permitir a reeleição