Agência de Jornalismo Investigativo

Na inauguração da Pública, o jornalista Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, participou de uma conversa com o público. Assista.

18 de outubro de 2011

No dia 3 de julho a Pública fez um evento de inauguração na Casa de Cultura Digital. Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, participou de uma conversa com o público presente.

Kristinn  é um dos mais aclamados jornalistas investigativos da Islândia. Ele comandou programas investigativos na televisão comercial e no canal estatal da Islândia, expondo atividades criminosas, corrupção política e fraude pelo setor financeiro do país. Pela sua atuação destemida foi demitido 4 vezes

Nesta CONVERSA PÚBLICA ele afirmou que iniciativas independentes estão preenchendo um vácuo no jornalismo. “Há menos dinheiro para investigação enquanto os poderosos estão ficando mais poderosos”.

Kristinn  também defendeu o direito de pessoas romperem com contratos ou até leis para obter documentos e enviar para o WikiLeaks.

“Todas as grandes mudanças sociais foram alcançadas contrariando as leis. Se uma informação é importante para o público, e alguém dentro do sistema com uma boa consciência sente a necessidade de publicar, a obrigação moral de fazer isso para o bem comum é superior a qualquer lei ou qualquer contrato”.

 


Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

As conversas da Vale com os EUA sobre a China

5 de julho de 2011 | por

Segundo documento, Agnelli disse que governo chinês estaria à frente dos norte-americanos na "batalha por acesso às commodities"

Eles que comam ouro!

19 de agosto de 2015 | por

Camponeses das comunidades ao longo do rio Marañón, um dos mais importantes afluentes do Amazonas, resistem às obras da Odebrecht para instalar hidrelétricas em Cajamarca, celeiro de alimentos do Peru

Dos porões às agências de segurança privada

28 de março de 2017 | por e

Documentos dos órgãos de inteligência da ditadura mostram violações de direitos humanos cometidas pelas empresas regulamentadas em 1969 e compostas por membros do aparato repressivo do regime militar

Mais recentes

Ilona Szabó: “A direita está falando em renovação política para chegar ao autoritarismo”

23 de abril de 2019 | por

A especialista em segurança pública - exonerada dois dias depois de nomeada suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária por pressão das redes de direita - fala em razão e empatia para lidar com o ódio e a polarização da sociedade

Ocupar propriedade não é terrorismo, diz ex-Relator Especial da ONU

23 de abril de 2019 | por

Especialista que estabeleceu parâmetros internacionais para legislações diz que governo Bolsonaro deve usar Lei Anti-terrorismo de maneira “oportunista”

“Desfaça tudo essas reservas”, diz produtora a secretário em reunião de fazendeiros do Pará com governo federal

22 de abril de 2019 | por

Em encontro fechado no Ministério da Agricultura, ruralistas do Pará cobram do governo Bolsonaro – apoiado por eles desde a campanha – medidas contra política ambiental, e mesmo ilegais, como fim da fiscalização e revogações de UCs