Agência de Jornalismo Investigativo

Veja o vídeo em que os moradores da favela do Moinho falam de violência, incêndios, muro da vergonha, e cobram da prefeitura as promessas – registradas na campanha – de regularizar a área

3 de maio de 2013

Entre 2005 e 2012, mais de 800 incêndios atingiram as favelas de São Paulo. A favela do Moinho, localizada no centro da cidade, sofreu dois incêndios desde o final de 2011. Mais de 480 famílias ficaram desabrigadas. Após o último incêndio, durante a campanha eleitoral, o atual prefeito Fernando Haddad prometeu aos moradores que iria buscar a regularização da área.

Cinco meses após sua posse, o discurso é outro. Procurada pela Agência Pública, a Secretaria Municipal de Habitação, através de sua assessoria de imprensa, informou que todos os moradores já foram cadastrados e devem sair para dois empreendimentos fora do local. “A ideia é erradicar a favela e atender com unidades habitacionais definitivas todos os moradores da área”.

“As famílias precisam sair do local para receberem o auxílio moradia. O morador que alegar não receber auxílio-moradia pode procurar o plantão social de Habi Centro, na Av. São João, 299 e comprovar que morava na área na época do incêndio. Caso o morador esteja recebendo o auxílio-moradia, ele não pode ficar na área”, diz o email da assessoria.

Em 2011 foi instaurada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os incêndios recorrentes. A CPI foi aberta após o primeiro incêndio que atingiu a favela do Moinho. Mas, após oito meses de investigações, não chegou a nenhuma conclusão contundente.

A Agência Pública foi conversar com moradores da favela que se recusam a deixar o local e brigam na justiça pelo usucapião. Muitos esperam o cumprimento da promessa de campanha. Assista o vídeo.

Mais recentes

Governo liberou registros de agrotóxicos altamente tóxicos

18 de janeiro de 2019 | por e

Entre eles está o Sulfoxaflor, liberado nos últimos dias do ano passado, que já foi acusado de exterminar as abelhas nos EUA

Registros de novas lojas de armas aumentaram mais de 1.000% em 15 anos

17 de janeiro de 2019 | por e

Novos registros concedidos pelo Exército para estabelecimentos comerciais foram de 16 em 2003 para 206 em 2018, segundo dados obtidos pela Lei de Acesso à Informação; maior concentração é na Região Sul do país

“Associar-se a Trump não vai ajudar o Brasil”, diz presidente emérito da Inter-American Dialogue

15 de janeiro de 2019 | por

Para Peter Hakim “boa imagem” do Brasil pode ser prejudicada por ligação com Trump, “que já criou uma certa resistência em quase o mundo todo”; ele também não vê consequências práticas de“ afinidades pessoais”entre Bolsonaro e Trump

Explore também

Em meio a tensão diplomática, Equador concede asilo a Assange

15 de agosto de 2012 | por

Governo britânico ameaça entrar na embaixada do Equador; chanceler equatoriano diz que pode ir a Tribunal de Haia

WikiLeaks: quem lucra com a espionagem digital

4 de setembro de 2013 | por , e

Nova publicação traz brochuras, contratos e metadados sobre os principais atores da indústria privada da vigilância global.

Arqueólogo explica riqueza do patrimônio no Rio Negro

6 de agosto de 2013 | por

Leia a entrevista com o arqueólogo Raoni Valle, professor do Programa de Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA)