Em entrevista à Pública, o sargento Nóbrega descreve detalhes da Operação Registro

Em entrevista à Pública, o sargento Nóbrega descreve detalhes da Operação Registro

26 de agosto de 2014
19:29
Este texto foi publicado há mais de 7 anos.

Entre o final e abril e o começo de maio de 1970, o II Exército brasileiro realizou a maior mobilização de sua história, com quase 3000 homens, para cercar e vasculhar a área do Vale do Ribeira, a 200 km de São Paulo. O local era usado para centros de treinamento de guerrilha da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), organização comandada pelo Capitão Carlos Lamarca.

No dia 11 de maio, o sargento José de Araújo Nóbrega, um dos comandados de Lamarca, perdeu-se do grupo e foi capturado pelos militares. De dentro do cerco militar, ele observava de longe as bombas destinadas ao grupo.

Mais de 40 anos depois, a reportagem da Pública levou a Nóbrega fragmentos de bomba encontrados no meio da floresta por moradores do Ribeira. O ex-guerrilheiro avaliou os destroços e identificou, inclusive, o tipo de avião utilizado nos bombardeios.

Assista ao encontro:

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Brasil continua a vender agrotóxico banido nos EUA e que pode diminuir QI de crianças

Brasil continua a vender agrotóxico banido nos EUA e que pode diminuir QI de crianças

19 de outubro de 2021 | por e

Banido recentemente dos EUA, Europa e Argentina, inseticida clorpirifós continua na lista dos mais vendidos no Brasil. Não há data para revisão

Tropas do Exército Brasileiro chegando no Araguaia

MPF acusa 8 militares e um médico por crimes cometidos pela ditadura no Araguaia

18 de outubro de 2021 | por

Denúncias foram entregues ao Judiciário depois de 9 anos de investigação por ordem da Corte Interamericana de Direitos Humanos

Via decreto, Bolsonaro altera Lei dos Agrotóxicos e flexibiliza aprovação dos venenos

8 de outubro de 2021 | por , e

Texto cria possibilidade que substâncias que causem câncer sejam aprovadas e prevê “tramitação prioritária” para aprovação de agrotóxicos