Em entrevista à Pública, o sargento Nóbrega descreve detalhes da Operação Registro

Em entrevista à Pública, o sargento Nóbrega descreve detalhes da Operação Registro

26 de agosto de 2014
19:29
Este texto foi publicado há mas de 5 anos.

Entre o final e abril e o começo de maio de 1970, o II Exército brasileiro realizou a maior mobilização de sua história, com quase 3000 homens, para cercar e vasculhar a área do Vale do Ribeira, a 200 km de São Paulo. O local era usado para centros de treinamento de guerrilha da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), organização comandada pelo Capitão Carlos Lamarca.

No dia 11 de maio, o sargento José de Araújo Nóbrega, um dos comandados de Lamarca, perdeu-se do grupo e foi capturado pelos militares. De dentro do cerco militar, ele observava de longe as bombas destinadas ao grupo.

Mais de 40 anos depois, a reportagem da Pública levou a Nóbrega fragmentos de bomba encontrados no meio da floresta por moradores do Ribeira. O ex-guerrilheiro avaliou os destroços e identificou, inclusive, o tipo de avião utilizado nos bombardeios.

Assista ao encontro:

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

Na ausência do Estado, ativistas informam a periferia sobre o coronavírus

1 de abril de 2020 | por

O que fazem os comunicadores populares na linha de frente de combate à pandemia em periferias e favelas de cinco capitais do país

Vítimas do coronavírus são alvos do ódio digital

1 de abril de 2020 | por e

Pessoas doentes ou com suspeita de infecção foram alvo de informações falsas, tiveram informações pessoais publicadas e foram até ameaçadas de morte

Amor e revolução

31 de março de 2020 | por

Aos 80 anos, Angela Mendes de Almeida conta sua busca pela verdade sobre a morte do companheiro assassinado aos 23 anos pela ditadura, o jornalista Luiz Eduardo Merlino