Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

“Você acha que é razoável o partido ter um ministro e a bancada desse ministro votar contra o governo?” – José Guimarães (PT-CE), deputado federal, líder do governo na Câmara, em 4 de agosto.

7 de agosto de 2015
Desafio público
Desafio público

A frase foi dita pelo parlamentar na terça-feira (04/08), logo depois de o governo ser derrotado na votação de um requerimento que adiava a análise da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 443/09. A PEC, aprovada em primeiro turno no dia seguinte, vincula os salários da Advocacia-Geral da União (AGU), dos delegados da Polícia Federal, dos delegados das Polícias Civis e dos procuradores municipais ao subsídio dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O governo era contrário ao projeto pelo impacto que pode causar nas contas públicas, de R$ 2,4 bilhões, segundo cálculo do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Mesmo assim, a medida foi aprovada por 445 votos a favor e apenas 16 contrários. No PT, foram 55 votos a favor, três contrários e uma abstenção.

Trucamos o deputado e ele respondeu no dia 11 de agosto:

– O governo condiciona o apoio dos parlamentares no Congresso à distribuição de ministérios?

José Guimarães: Primeiro que não houve derrota do governo na votação da PEC 443. A base decidiu votar o que chamamos de “jumbão”, ou seja, a PEC que onerou além da União, os estados e os municípios acima de 500 mil habitantes. Isso foi combinado em reunião com os partidos aliados, afinal, por que onerar apenas a União? E é claro que essa matéria é de uma enorme irresponsabilidade fiscal. Governadores e prefeitos sabem que não podem arcar com mais essa despesa num momento de ajuste fiscal em todo o País. E o governo está aberto para continuar o diálogo com os servidores, mas aprovar essa matéria foi um grande erro da Câmara. Qualquer governo – para fazer uma boa gestão – precisa dividir responsabilidades com a os partidos de sua coalizão. É necessário que os ministros tenham alinhamento político com o projeto de governo em exercício. E a presidenta Dilma sempre teve e mantém um diálogo qualificado e respeitoso com o Congresso Nacional. E qualquer ministro, em qualquer democracia, precisa ser fiel ao projeto da Presidência da República, do governo em que participa.

– Por que um partido político precisa ter um ministério? É necessário ter uma pasta para colaborar com as políticas públicas?

Guimarães: Se temos um governo formado por vários partidos políticos aliados, precisamos compartilhar a governança com quem se identifica e tem compromisso com o projeto de governo que venceu a eleição. Seria contraditório o PSDB, por exemplo, fazer parte do governo, não é? Isso sempre foi assim, em todos os governos, de Sarney, FHC, Lula e Dilma. Sobre as políticas públicas, qualquer cidadão, entidade ou partido político pode e deve contribuir na formulação de políticas públicas, que já acontece aqui no Congresso Nacional. E quanto maior o envolvimento da sociedade, ao debater projetos e programas, melhor poderá ser o resultado dessas políticas.

– Os ministros ligados a partidos que votaram contra a orientação do governo, incluindo os do PT, terão de deixar o cargo?

Guimarães: Quem nomeia ou demite ministro é a presidenta da República. Mas sem dúvidas, os ministros têm papeis relevantes para ajudar no processo de governança, e isso inclui diálogos com as suas bancadas, o que é normal em qualquer democracia. Os ministros precisam liderar as suas bancadas no Congresso. É preciso manter a governabilidade congressual, a fim de que não se votem matérias para prejudicar o país, seja na economia ou em outras áreas.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

O presidente Michel Temer durante entrevista no programa Roda Viva da TV Cultura

5 deslizes de Temer ao falar do Congresso no Roda Viva

18 de novembro de 2016 | por , e

Ao destacar a boa relação com a base aliada na Câmara e no Senado, presidente distorceu dados e omitiu informações

Áudio de WhatsApp sobre déficit da Previdência é verdadeiro

16 de fevereiro de 2018 | por

Mensagem resume as conclusões do relatório de CPI que analisou o tema, em gravação atribuída à Voz do Brasil

Lindbergh e o crime de terrorismo. Zap!

30 de outubro de 2015 | por

“[Do jeito que está, o projeto de tipificação do terrorismo] é um projeto que abre as portas para criminalizar movimentos sociais”, afirmou Lindbergh Farias (PT-RJ), senador, no plenário, na quarta-feira (28)

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar