Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

O Truco – projeto de Fact-Checking da Agência Pública – está passando por uma reestruturação com o objetivo de aprimorar nossas checagens

30 de julho de 2018
17:09

Em um momento de debate acalorado sobre a checagem de fatos, compartilhamos nossas reflexões e nossas ações para que nossa cobertura eleitoral seja melhor, mais clara e traga mais elementos ao debate público.

Desde 2017 o Truco é certificado pela International Fact Checking Network, rede organizada pelo Instituto Poynter, dos Estados Unidos, que reúne os principais sites de fact-checking do mundo. O projeto segue o código de princípios da IFCN, assumindo o compromisso de ser apartidário, transparente e de seguir uma política de correções.

Mudanças     

A partir de hoje, o selo “Distorcido” deixa de ser utilizado por dar margem à interpretação. Também estamos aposentando o selo “Contraditório”, por extrapolar a declaração que está sendo analisada. E adotamos um novo selo, “Subestimado”, para os casos em que há uma diferença – para menos – entre o dito e o fato. Todos os selos ganharam novas descrições, com vistas a deixar os critérios mais claros:

VERDADEIRO

A análise dos dados e de outras fontes mostra que a afirmação é verdadeira. Dados arredondados também são considerados verdadeiros.

SEM CONTEXTO

A afirmação traz informações ou dados corretos, mas falta contexto que é importante para a compreensão dos fatos.

DISCUTÍVEL

A conclusão sobre a frase varia de acordo com a metodologia adotada.

EXAGERADO

A frase traz dados inflados ou é uma afirmação superdimensionada sobre um fato ou uma tendência verdadeira.

SUBESTIMADO

A frase traz dados subdimensionados ou é uma afirmação minimizada sobre um fato ou uma tendência verdadeira.

IMPOSSÍVEL PROVAR

Não existem dados ou estudos confiáveis publicados que embasam a afirmação, no momento da checagem.

FALSO  

A análise dos dados e de outras fontes mostra que a afirmação é falsa, não corresponde à realidade.

Além disso, dois novos editores passam a integrar a equipe para fortalecer o processo de escolha das frases, de edição e revisão das checagens.     

Reforçamos ainda o compromisso com nossa metodologia, que busca aprofundar os temas abordados, e sempre inclui a versão do candidato checado. Funciona assim:

Primeiro, selecionamos uma frase que possa ser verificada, ou seja, que contenha dados, faça referência a leis, permissões, proibições, situações verificáveis. Nossa prioridade é escolher frases com relevância para o debate público.

Em seguida, entramos em contato a assessoria do político para pedir as fontes das informações. Todas são mencionadas no texto. Procuramos outras fontes, oficiais ou não, e, se necessário, recorremos a especialistas. Comparamos nossa apuração com os dados fornecidos e, com isso, classificamos a afirmação, utilizando um dos selos.

Depois de finalizada a apuração, os selos são enviados novamente para as assessorias, para ouvir a contra-argumentação.

Mesmo depois de a checagem ser publicada, se o político ou sua assessoria entrar em contato para questioná-la, incluímos sua versão com destaque.

Truco nos Estados

Pela terceira eleição, a Agência Pública vai cobrir a disputa fazendo checagem de falas de candidatos e boatos. Este ano, nossa cobertura vai focar nas disputas governamentais, com equipes fazendo fact-checking em 7 estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Ceará e Pará. Viste o site: truco2018.apublica.org

Serão 30 jornalistas dedicados a trazer informações sobre os candidatos ao debate público. Em quatro estados, estamos fazendo parcerias com organizações locais. No Rio Grande do Sul,  a Pública terá como aliado o Filtro, site dedicado ao fact-checking. Em Pernambuco e no Pará, o Truco repete a parceria das eleições de 2016, com checagens produzidas pelos sites de jornalismo local Marco Zero Conteúdo e Outros 400. No Paraná, a cobertura será feita pelo Livre.jor.

O projeto Truco nos Estados e as checagens sobre os candidatos a presidente vão ao ar no dia 13 de agosto.  

Conheça a equipe do projeto:

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

A história de Darley, “radinho” do tráfico

6 de dezembro de 2019 | por e

Vítimas de uma das piores formas de trabalho infantil, a exploração pelo tráfico de drogas, crianças e adolescentes são tratados pelo Estado como criminosos

O Estado não existe na terra indígena mais letal para os guardiões da floresta

5 de dezembro de 2019 | por

Fomos até a Terra Indígena Arariboia no Maranhão, onde nasceram os Guardiões da Floresta, para investigar as mais de 20 mortes de indígenas que até hoje seguem impunes

Testemunhas oculares desmentem versão da polícia sobre mortes em Paraisópolis

4 de dezembro de 2019 | por

Nosso repórter conversou com pessoas que moram, trabalham ou estavam no baile que se transformou em massacre com a entrada da PM; nenhum deles confirma a versão da polícia