Agência de Jornalismo Investigativo

“O setor automotivo é um dos que mais empregam no nosso país, principalmente na região de São Paulo, na região do ABC [paulista], onde tem as grandes montadoras.” – Luiz Lauro Filho (PSB-SP), deputado federal, em entrevista à Rádio Câmara, na segunda-feira (10)

14 de agosto de 2015
Exagerado, distorcido ou discutível
Exagerado, distorcido ou discutível

O setor automotivo tem uma grande importância na economia brasileira. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o segmento representa 5% do Produto Interno Bruto (PIB) no país, ou 23% do PIB gerado pela indústria. Isso não significa, contudo, que seja um dos que mais empregam, como disse o parlamentar.

Em 2013, o faturamento líquido (sem impostos) da indústria automobilística chegou a US$ 98,8 bilhões, valor que sobe para US$ 110,9 bilhões se considerada também a indústria de autopeças. As montadoras, entretanto, contavam com 144 mil funcionários em 2014. Todo o setor era responsável por 1,5 milhão de empregos diretos ou indiretos. Esses números constam no Anuário da Indústria Automobilística Brasileira 2015, elaborado pela Anfavea.

É pouco diante do tamanho do mercado de trabalho brasileiro. De acordo com o Anuário Estatístico da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho e Emprego, havia 48,9 milhões de empregados no país no final de 2013. Nesse contexto, a indústria automobilística representaria somente 3% do total, somando empregos diretos e indiretos.

O setor com maior número de contratados é o de serviços, com 16,7 milhões de pessoas. Em seguida vêm o comércio, com 9,5 milhões, e a administração pública, com 9,3 milhões. A indústria de transformação, onde se encaixam as montadoras, fica no quarto lugar, com 8,2 milhões de empregados.

O deputado Luiz Lauro Filho (PSB-SP), em audiência pública para discutir a queda na produção de veículos e dispensa de trabalhadores no país e no Estado de São Paulo.
O deputado Luiz Lauro Filho (PSB-SP), em audiência pública para discutir a queda na produção de veículos e dispensa de trabalhadores no país e no Estado de São Paulo. Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

Explore também

Exagerado, distorcido ou discutível

Os impostos no Canadá são como no Brasil?

30 de junho de 2016 | por

Senador do PSB também afirmou que a educação é gratuita, a saúde e os serviços públicos funcionam no país norte-americano e não há miséria. Será?

Alerta! Perigo!

Indenização de proprietários de terras: Que medo, Simone Tebet!

5 de setembro de 2015 | por

“Essa PEC [71/2011] vai permitir que os próximos proprietários de áreas homologadas recebam indenização justa e em dinheiro.” – Simone Tebet (PMDB-MS), senadora, na quarta-feira (2), após aprovação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da proposta que prevê indenização de proprietários rurais em terras indígenas

Exagerado, distorcido ou discutível

Falta de antenas é o principal problema da rede celular?

11 de julho de 2016 | por

Senador afirmou que ausência dessa infraestrutura afeta qualidade do serviço mais do que outros fatores, mas especialista diz que isso só tem mais peso em algumas áreas

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas