Agência de Jornalismo Investigativo

“O que mais se censura na proposta é que a criação de reservas indígenas se tornaria praticamente irrealizável porque os projetos viriam do Executivo e, aqui no Congresso, não seriam encaminhados”, afirmou Osmar Serraglio (PMDB-PR), na terça-feira (27)

29 de outubro de 2015

blefe m laranjaA principal crítica à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215/2000, cujo substitutivo foi aprovado na terça-feira (27) por uma Comissão Especial da Câmara, não é uma possível demora do Congresso em votar os futuros pedidos de criação de reservas, como afirmou o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR). O maior problema apontado por juristas, ativistas e movimentos sociais é transferir para o Congresso a decisão sobre na demarcação de terras indígenas e áreas quilombolas, defendida pelo projeto. A Constituição determina que isso seja feito pela União.

O entendimento de juristas é que a demarcação de terras indígenas é um procedimento administrativo. Trata-se de confirmar o direito dos povos indígenas a uma área, ou seja, um direito pré-existente. Por isso, são feitos estudos para definir se o pedido de demarcação se justifica ou não. Se for confirmado, a demarcação é feita. “O que se pretende com a PEC é fazer com que o Legislativo participe do processo administrativo de demarcação. É um absurdo total. A própria Constituição enumera as atribuições do Legislativo e não tem nada parecido com isso”, afirmou o jurista Dalmo Dallari, em entrevista ao Instituto Socioambiental (ISA), em 2013, antes de participar de uma audiência na Câmara. “A PEC é flagrantemente inconstitucional.”

O deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), autor do substitutivo da PEC 215
Osmar Serraglio (PMDB-PR), autor do substitutivo da PEC 215. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A inconstitucionalidade da proposta também foi destacada pelo jurista Carlos Frederico Marés de Souza Filho, professor de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e ex-presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai). “A Constituição não deu direito à demarcação. Deu direito à terra. A demarcação é só o jeito de dizer qual é a terra. Quando se coloca todo o direito sobre a demarcação, se retira o direito à terra, porque aí o direito à terra só irá existir se houver demarcação. É isso que está escrito na PEC: que não há mais direitos originários sobre a terra. Aí, muda a Constituição na essência do direito colocado”, disse, durante a mesma audiência na Câmara.

Na quarta-feira (28), a Fundação Nacional do Índio (Funai) divulgou uma nota em que se posiciona contra a PEC 215. Para o órgão, a proposta representa uma grave ameaça não apenas aos direitos indígenas, mas a toda a sociedade. “A PEC 215/00 propõe a transferência de responsabilidades sobre a demarcação de terras indígenas do Poder Executivo para o Legislativo, desrespeitando a Constituição de 1988, cujos direitos ali expressos representam uma conquista de todo povo brasileiro”, diz um trecho do documento. “Na prática, essa transferência significa que a definição sobre as terras onde os indígenas poderão exercer seu direito à permanência física e cultural está sujeita às maiorias políticas de ocasião. Sabemos que hoje esta maioria representa interesses pessoais e financeiros e atua para que não seja demarcada nenhuma terra indígena, como foi dito explicitamente por parlamentares membros da Comissão Especial, que ontem aprovou a PEC 215/00.”

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) preparou uma cartilha em que explica o que é a PEC 215 e indica quais são os problemas do projeto. O documento, disponível para download, mostra as modificações que a proposta pretende fazer na Constituição. No artigo 49, a demarcação de terras indígenas é inserida como uma das competências exclusivas do Congresso Nacional. Já no parágrafo 4º do artigo 231 é inserida a expressão “após a respectiva demarcação aprovada ou ratificada pelo Congresso Nacional”. No mesmo artigo é incluído ainda o parágrafo 8º, com o seguinte texto: “§ 8º Os critérios e procedimentos de demarcação das Áreas Indígenas deverão ser regulamentados por lei”. Com isso, uma futura lei deverá definir novos procedimentos para a demarcação, diferentes dos atuais ­– o que poderá dificultar ainda mais o processo, uma vez que a norma também será aprovada pelo Congresso.

A aprovação da PEC 215/2000 é defendida pela bancada ruralista. Vários dos parlamentares participantes da Comissão Especial da Câmara são ligados ao agronegócio e, por isso, contrários às demarcações de terras indígenas. Uma conversa interceptada por uma escuta da Polícia Federal apontou que um advogado ligado à Confederação Nacional da Agricultura (CNA) receberia R$ 30 mil para escrever o relatório da PEC – trabalho que deveria ser feito pelo deputado Osmar Serraglio. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público Federal. De acordo com um estudo feito pelo ISA, a aprovação da proposta pode paralisar 228 processos de demarcação.

Mais recentes

Guilherme Boulos, em entrevista à EBC: dados atuais mostram que 40% dos presos no país são provisórios, não 30%

Boulos subestima o número de presos provisórios

24 de setembro de 2018 | por

Segundo Conselho Nacional de Justiça, 40% dos detentos são provisórios no Brasil – não 30%, como disse o candidato à Presidência pelo PSOL

Haddad em ato realizado em São Paulo em janeiro: dinheiro para educação cresceu menos do que o anunciado pelo político na sua gestão

Haddad exagera crescimento de verbas do Ministério da Educação

24 de setembro de 2018 | por

Candidato do PT diz que quintuplicou o Orçamento da pasta na sua gestão, mas aumento foi de três vezes

Marina Silva participa de evento da CNA, em agosto de 2018: não há estudos que confirmem dado citado pela candidata

Marina Silva usa dado inexistente sobre leitos ociosos no SUS

20 de setembro de 2018 | por

Candidata da REDE afirma que taxa de ociosidade no sistema é de 50%, mas ministério não possui estatística nacional

Truco!

#leitegate: Eduardo Leite rompeu contrato com Banrisul para obter verbas do PAC

25 de setembro de 2018

Enquanto prefeito de Pelotas, candidato ao Piratini pelo PSDB diz que fez acordo judicial com o banco estadual porque o município poderia ficar impedido de receber financiamento federal para obras de infraestrutura. Ofício do Tesouro Nacional confirma informação

Hospitais filantrópicos realizaram 67% das cirurgias “difíceis” do SUS no Paraná

24 de setembro de 2018

Hospitais públicos atendem mais a média complexidade, deixando a oferta de leitos e a alta complexidade para as instituições filantrópicas

Correto, Anastasia: Minas Gerais teve dois primeiros lugares no IDEB em 2013

24 de setembro de 2018

Ex-governador cita corretamente os dados da pesquisa que avalia o desempenho dos alunos

Explore também

João Amoêdo usa dado falso sobre homicídios e faz comparação distorcida

3 de maio de 2018 | por e

Presidenciável, que estreia na política, disse ainda frase discutível sobre o quanto do que se produz vira impostos

O candidato do Partido Novo, João Amoêdo, em entrevista da EBC: político acredita que falta livre mercado no país

Mais de 20% dos brasileiros dependem do Bolsa Família

30 de agosto de 2018 | por

João Amoêdo criticou o volume de beneficiados pelo programa, criado para ajudar pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza

Exagerado, distorcido ou discutível

Supersalário de R$ 180 mil: Não é bem assim, Giovani Cherini!

18 de setembro de 2015 | por

“Precisamos de uma reforma administrativa profunda que mexa nos supersalários. Há pessoas neste país ganhando R$ 160 mil, R$ 180 mil por mês.” – Giovani Cherini (PDT-RS), deputado federal, no plenário, na terça-feira (15)