Agência de Jornalismo Investigativo

Através da Lei de Acesso à Informação, Pública confirma que a UPP instalada dentro de um colégio do complexo do Alemão, no Rio, deve permanecer; crianças convivem com medo e tiroteios e dizem ser orientadas a não falar à imprensa

30 de novembro de 2015

“O secretário esteve hoje na comunidade de Nova Brasília e esteve na escola Caic Theophilo de Souza Pinto. Ele reafirmou o compromisso em mudar a escola do local”, escreveu, por email, a assessoria de comunicação do secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, em resposta ao pedido da Pública para visitar a UPP Nova Brasília, implantada há três anos no colégio estadual que atende alunos do ensino fundamental e médio. A permissão foi negada: nem a Pública poderia visitar a escola nem seus funcionários poderiam dar entrevistas. A Secretaria de Educação se recusou a informar o número de alunos que frequenta a escola, depois da implantação da UPP.

Mais difícil de esconder são os buracos de balas nas paredes do prédio branco de três andares que ocupa a Praça do Conhecimento no Complexo do Alemão. São cerca de 70, de acordo com uma rápida contagem feita pela reportagem pelo lado de fora.

Há pelo menos dois anos, o Complexo do Alemão é uma das comunidades mais afetadas pelos enfrentamentos entre polícia e criminosos no Rio. A UPP está cravada dentro do colégio, a 20 metros do edifício principal, onde ocorrem as aulas. Todas as manhãs, os alunos têm que passar diante dos policiais armados para entrar e sair das classes. Na hora da saída, é fácil encontrá-los. Muitos falam abertamente sobre a situação. Preferem não dizer seus nomes; “a escola não quer que falemos com jornalistas”, diz um deles. Todos confirmam que os tiros são “muito frequentes”, “sobretudo de manhã”. Duas meninas contam: “A metade dos alunos da nossa classe já não vem às aulas”. Outra diz: “O que mais me dá medo é quando saímos da escola. Pelo menos quando estamos lá dentro, temos o muro para nos proteger”.

O que eles fazem em caso de tiros? “Depende da intensidade”, diz um menino de cerca de 14 anos, na quadra de futebol ao lado da escola. “Se são poucos, o professor continua a aula, mas quando são muitos paramos tudo e nos jogamos no chão. Às vezes, ficamos nos corredores. São mais seguros. Mas os tiros perturbam porque, mesmo quando a aula continua, uma parte da sua atenção está lá fora, escutando o que pode acontecer.”

Se as crianças são bem sinceras, os adultos são os que mais se mostram revoltados com a situação. Ao redor da escola, os comerciantes – que também pediram que não fossem identificados – contam que “toda a comunidade acha que essa situação é absurda e demonstra a falta de respeito das autoridades com a gente”. Um vendedor considera: “Antes, na época do tráfico, eles nunca entravam na escola. Por que os policiais entram?”.

Em conversa com a reportagem, a mãe de uma aluna reconhece que prefere deixar a filha em casa quando a situação está tensa: “Dizem que a UPP fica na escola porque não encontram um lugar. Mas é como dizer ‘vou invadir a sua casa porque não tenho apartamento’ ou ‘roubo porque não tenho dinheiro’. É esse o discurso da polícia!

No último dia 4 de maio, pais e professores pediram formalmente a retirada da UPP durante uma audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violência contra Jovens Negros e Pobres. Dois dias depois, em um comunicado, a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) assegurou em uma nota: “A UPP será desativada e o prédio para onde será transferida a base está em reforma”. Uma campanha da ONG Meu Rio pedindo a saída da UPP teve a adesão de cariocas, que escreveram emails para a CPP e para Beltrame.

Finalmente, no final de agosto, José Mariano Beltrame visitou a Theophilo de Souza Pinto. Declarou à imprensa que planejava mudar a UPP de lugar. O twitter oficial da Secretaria de Segurança Pública postou uma foto em que ele aparece ao lado da diretora da escola: 

O tweet da SSP reforçando a promessa de Beltrame
O tweet da SSP reforçando a promessa de Beltrame

Porém, em resposta a um pedido feito através da Lei de Acesso à Informação pela Pública, a secretaria deixou claro que nada está sendo feito para que a promessa seja cumprida.

“Todas as ações e diligências para captação de lotes para implantação da Sede da Nova Brasília foram executadas no exercício de 2012, que culminou com a inauguração da referida UPP na data de 18 abril de 2012”, diz a resposta enviada em 20 de setembro. Sobre o orçamento previsto para a compra ou reforma de uma nova sede, a secretaria escreve: “O plano orçamentário para o exercício 2015 e elaborado no ano de 2014 não prevê orçamento para novas aquisições de lotes nas UPP já contempladas nos exercícios anteriores, dentre as quais a UPP Nova Brasília”. A Pública ligou ainda mais uma vez para a secretaria, perguntando se havia alguma previsão oficial. A resposta foi “ainda não temos uma previsão para a mudança”.

Enquanto isso, alunos que frequentam a escola para os cursos noturnos relataram à Pública ter sofrido ameaças de perder suas vagas caso continuassem denunciando a situação para a imprensa.

O que não significa, claro, que a voz da comunidade vai se calar. Apenas alguns minutos antes do fechamento desta reportagem, um jovem de 18 anos, aluno da escola, usava a sua conta pessoal no Facebook para desabafar: “Depois de hoje acho difícil ter algo lá na escola, um evento bacana que foram dias e dias montando, escrevendo, gastando energia de onde não se tinha mais, noites sem dormir selecionando fotos. O evento estava acontecendo com muitas comidas típicas, exposições fotográficas, dança, teatro tivemos que acabar as pressas por conta de um intenso tiroteio que acontecia na parte externa da escola. Muitos alunos e professores passando mal tendo que ser socorridos, nossa tenso demais. Será que isso um dia acaba? Eis a questão”.

11063545_989823704413198_4044351810649429666_n (1)
Fotos do muro da escola. Imagens postadas no Facebook.

Mais recentes

Frei Betto: “Vejo paralelo entre o momento atual e a eleição de Hitler na Alemanha”

11 de outubro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, o frade dominicano e escritor afirma que Bolsonaro é resultado da omissão do judiciário que permitiu a "lei esdrúxula da anistia recíproca" e que o PT "não cuidou de promover a alfabetização política do povo"

Apoiadores de Bolsonaro realizaram pelo menos 50 ataques em todo o país

10 de outubro de 2018 | por , , , , e

Levantamento inédito contabilizou relatos de agressões e ameaças contra pessoas em 18 estados e no DF nos últimos dez dias; 6 apoiadores do candidato do PSL também foram agredidos

Microbolsas: conheça os repórteres selecionados para investigar a volta da fome

10 de outubro de 2018 | por

Mais de 80 repórteres de 15 estados diferentes propuseram pautas sobre a volta da fome à realidade brasileira

Truco!

Desemprego no Brasil cresceu quando Armando era ministro, mas não foi o maior da história

5 de outubro de 2018

Candidato do PTB comandou a pasta da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, entre janeiro de 2015 e maio de 2016, durante o governo de Dilma Rousseff

Doria cita dado impossível de provar sobre empresas fechadas em governo do PT

5 de outubro de 2018

Candidato tucano fez referência às médias e grandes empresas, porém números disponíveis não usam essa classificação

Ops, Aílton: foram R$ 130 milhões para saneamento básico no Ceará

5 de outubro de 2018

Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) da Sefaz aponta um gasto de pouco mais de R$ 130 milhões em 2017

Explore também

Tem água de graça em Paris – e, talvez, no Rio

18 de março de 2014 | por

Na capital parisiense, fontes públicas fornecem água gratuitamente em toda a cidade. Lei obriga restaurantes do Rio a fazerem a mesma coisa, mas ainda não é cumprida

Wikileaks revela os arquivos secretos dos prisioneiros de Guantánamo

25 de abril de 2011 | por

Nesse domingo o Wikileaks começou a publicar 779 arquivos com as fichas de cada um dos presos de Guantánamo

Um fiasco olímpico

4 de maio de 2017 | por

Deflagrada 15 dias antes da Olimpíada, Operação Hashtag foi marcada por suspeitas de infiltrações, denúncia anônima e espetáculo; ação levou à primeira condenação por terrorismo no Brasil - e a um linchamento