Agência de Jornalismo Investigativo

Delegado da bancada da bala fez afirmação em discurso na Câmara; não há estudos, contudo, que mostrem essa correspondência

7 de julho de 2016

“As drogas são responsáveis por 90% dos crimes violentos no país.” – Delegado Edson Moreira (PR-MG), em discurso na Câmara no dia 28 de junho

Falso
Falso

O deputado federal Delegado Edson Moreira (PR-MG) afirmou na Câmara que 90% dos crimes violentos no Brasil são causados pelas drogas. A declaração foi feita no contexto do Dia Internacional de Combate às Drogas, celebrado em 26 de junho. O Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, realizado em parceria com o Congresso em Foco ­– verificou que a fala do parlamentar é falsa.

Consultamos estudiosos da área de segurança pública para checar se algum estudo ou levantamento de fato relaciona o uso e tráfico de drogas à ocorrência de crimes violentos em nível nacional. A resposta foi “não”, segundo Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Maria Gorete Marques de Jesus, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV/USP) e Rafael Alcadipani, professor e pesquisador da Fundação Getulio Vargas. Portanto, pode-se dizer, no mínimo, que a afirmação de Moreira não tem base científica.

“Não conhecemos nenhuma pesquisa que faça essa relação de causalidade. O que a gente percebe é que existe um senso comum nas instituições policiais e também jurídicas que associam uma coisa à outra”, explica Jesus. “Pelo que me parece, as tentativas que existiram de fazer essa relação não identificaram essa conexão direta, então não dá para afirmar categoricamente, muito menos [cravar] 90%, que é uma porcentagem bem alta.”

Entramos em contato com a equipe de Moreira para saber a fonte do dado citado durante o discurso em plenário. Segundo sua assessoria, “nenhuma fonte específica” foi consultada, e o número utilizado pelo deputado é fruto das situações vividas ao longo de sua atuação como delegado de polícia.

Explore também

Exagerado, distorcido ou discutível

Carga tributária: Não é bem assim, Raimundo Gomes!

18 de setembro de 2015 | por

“Você, telespectador, quando pagar sua energia, vai pagar 45% de imposto. Quando pagar o telefone, vai pagar 47% de imposto. Quando pagar a gasolina, vai pagar 38% de imposto. O imposto sobre o trigo, a farinha, assim como a média dos impostos brasileiros, é de 40%.” – Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), deputado federal, no plenário, na terça-feira (15)

Vera Lúcia erra dados sobre grandes empresas no Brasil

5 de julho de 2018 | por , e

Pré-candidata do PSTU acerta número de bois no país mas faz afirmações impossíveis de provar sobre terceirização e emprego

Marcos Montes e o Estatuto do Desarmamento. Blefe!

30 de outubro de 2015 | por

“O Estatuto do Desarmamento só vale hoje para as pessoas honestas, pois os bandidos estão armados até os dentes; o Estatuto do Desarmamento não produziu qualquer efeito positivo”, disse Marcos Montes (PSD-MG), na quarta-feira (28), em reportagem publicada no site da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA)

Mais recentes

Vídeo falso diz que eleições de 2014 foram fraudadas

27 de outubro de 2018 | por

Vídeo de suplente de deputada coloca em dúvida eleições de 2014 com dados irreais e um "especialista" não identificado

Em economia, Bolsonaro cita dados falsos e Haddad subestima e acerta

26 de outubro de 2018 | por , e

Em 4 frases checadas, presidenciável do PSL usou informações falsas; já Haddad citou número inferior ao real e fez uma afirmação correta

Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal realizam atividades: candidatos têm propostas distintas para a área

Haddad exagera e Bolsonaro erra em frases sobre educação

26 de outubro de 2018 | por e

Números foram superestimados por candidato do PT, enquanto presidenciável do PSL citou informações falsas