Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Nova iniciativa de jornalismo incubada pela Agência Pública traz um olhar mais detalhado sobre a desigualdade entre mulheres e homens no esporte

10 de agosto de 2016

Quando a Casa Pública foi fundada em março deste ano em Botafogo, no Rio de Janeiro, a ideia era que o lindo casarão centenário se tornasse um espaço de referência, de discussão e de fomento na nova fase que o jornalismo atravessa no Brasil. Um centro dinâmico, em constante ebulição, onde se criassem novas linguagens, novas experiências e plataformas, um laboratório de invenções para reunir jornalistas que acreditam, tanto como nós da Agência Pública, que está nas nossas mãos reinventar o ofício diante de uma crise de modelo que veio para ficar.

Quatro meses depois, já entramos na segunda fase, bastante esperada: a incubação de novas iniciativas de jornalismo independente. Passamos os primeiros meses conversando com grupos promissores do Rio de Janeiro, que estivessem em busca do que a Pública pode oferecer: consultoria e acompanhamento de perto na fase inicial, desde o lançamento à estruturação da nova empreitada. E é com orgulho que – rufem os tambores – apresentamos a Gênero e Número.

[relacionados]

Essa web revista produzida só por mulheres jornalistas nasce com uma grande ambição: qualificar e melhorar o debate de gênero no país através de uma ferramenta excepcional, o jornalismo de dados. Com alguns anos de experiência na área, as fundadoras Giulliana Bianconi, Maria Lutterbach e Natalia Mazotte avaliam que, além do tema em si ser incipiente na cobertura noticiosa, há poucos dados e repórteres especializados em “entrevistá-los” para revelarem o que está escondido. É essa a aposta do Gênero e Número, como explicam no editorial de lançamento da primeira edição, dedicada às mulheres no esporte – não à toa, durante a primeira Olimpíada em solo brasileiro. “Acreditamos que os dados trazem consistência e permitem sair do jornalismo declaratório. Vamos buscar dados e transformar em narrativas”, conta Giulliana.

A revista nasce com uma proposta inovadora. A cada mês, vai tratar de um tema relevante para a discussão sobre desigualdade de gênero naquele momento. Todas as bases de dados da Gênero e Número ficarão disponíveis para consulta. Assim, cada uma das reportagens pode virar outras reportagens, textos, pesquisas. Isso porque a Gênero e Número acredita, como a Pública, que as boas informações devem ser compartilhadas e espalhadas. Também por isso, todo o conteúdo será disponibilizado em creative commons.

Durante os primeiros seis meses, a Gênero e Número ficará baseada na Casa Pública, centro cultural de jornalismo mantido pela Agência Pública no Rio de Janeiro. A organização vai receber também o apoio e consultoria institucional e editorial da Pública. Elas, por sua vez, vão nos brindar (e ao público) com seu profissionalismo, criatividade e empenho em transformar essa numa das grandes referências do jornalismo de dados brasileiro.

Na primeira edição da revista – que já já entra no ar no site www.generonumero.media – o leitor vai poder navegar no mais completo infográfico interativo já produzido no Brasil sobre as melhadas olímpicas femininas (desde 1900!), entender o que os nossos ovários têm a ver (ou não) com as Olimpíadas, e acompanhar o lento e ainda questionável avanço da participação feminina no mega evento. Como explicam as idelizadoras e repórteres, “é sobre padrões e assimetrias de gênero ainda tão arraigados nas quadras, piscinas, pistas e bastidores do esporte que o Gênero e Número trata em sua estreia, com suporte de dados levantados em uma rigorosa apuração jornalística. Convidamos você a entender como alguns dados ajudam a explicar que o esporte, assim como as Olimpíadas, foram criados por e para os homens”.

Bem-vindas, e longa vida à Gênero e Número!

Teaser – Gênero e Número from Agência Pública on Vimeo.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Paes se compromete a tombar entorno do Maracanã

9 de agosto de 2013 | por e

Após reunião com Comitê Popular do Rio, prefeito também garantiu a permanência da comunidade da Indiana, na Tijuca, e disse que vai dialogar com os moradores de Vila Autódromo, na área do Parque Olímpico, além de divulgar dados oficiais sobre remoções

Novo ministério não veio para fortalecer combate à corrupção

31 de maio de 2016 | por

Em entrevista após renúncia do ministro Fabiano Silveira, representante brasileiro da Transparência Internacional diz que estratégia anticorrupção está em risco com extinção da CGU

Paraguai: os EUA e o impeachment

4 de fevereiro de 2013 | por

Como o governo americano mantinha influência em todas as esferas de poder que foram fundamentais na remoção de Fernando Lugo, desde a Polícia Nacional até a Corte Suprema paraguaia

Mais recentes

Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

17 de maio de 2019 | por

Retrocesso na reforma agrária soma-se ao avanço de titulação em assentamentos ambientalmente diferenciados; registro de títulos individuais explode a partir de 2017, em especial na Amazônia

Não há registro de entrada na Câmara para assessor de Bolsonaro investigado pela Justiça

16 de maio de 2019 | por , , e

Além de Nelson Alves Rabello, que teve sigilo bancário quebrado, Pública revela mais cinco assessores sem crachá de funcionários na Câmara; “Wal do Açaí” é uma delas. Agora são 11 os assessores do então deputado federal sem registro de entrada no Congresso

Professores acusam Laureate de forjar documentos para obter o reconhecimento de cursos EAD no Brasil

15 de maio de 2019 | por

Docentes denunciam irregularidades, dizem que foram obrigados a mentir para o MEC e a dar aulas em disciplinas fora de sua área de formação; documentos e áudio obtido pela Pública apontam algumas denúncias

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar