AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Como nasce o “prensado”

Flagramos diversos problemas na colheita da maconha paraguaia que podem afetar a saúde do usuário; como o mercado é ilegal, até erva estragada é enviada para o Brasil

Quadrada, marrom e fedorenta. A maconha que a maioria dos usuários brasileiros consome é assim, bem diferente da esverdeada forma de flor em que ela é colhida. Depois de passar 15 dias entre plantadores de maconha no Paraguai, a reportagem da Pública constatou que essa transformação se deve à maneira inapropriada como os paraguaios secam, processam, estocam e prensam as flores.

Um dos problemas é a presença de fungos. “Quando você está sempre exposto a esse fungo, fumando prensado mofado continuamente, você aumenta a possibilidade desse fungo te causar um problema”, comenta João Menezes, médico com doutorado em biofísica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pós-doutorado em neurociências no Massachusetts General Hospital e Harvard Medical School. “Outro aspecto negativo da maconha do tráfico é o desconhecimento do teor de THC, em geral alto, e de outros fitocanabinoides”, explica o integrante da AbraCannabis, associação que defende o direito ao cultivo da maconha para fins de saúde e autocuidado.

No geral, os paraguaios são bons agricultores, mas do momento da colheita até a prensagem cometem vários erros imperdoáveis do ponto de vista de qualquer cultivador profissional. Pois, da mesma maneira que existe uma maneira certa de colher tomates, alface ou qualquer outro produto agrícola, existe uma forma correta de colher e estocar maconha.

Maconha da roça de “Gatito” secando diretamente sobre o solo (Foto: Matias Maxx / Agência Pública)

A cannabis tem basicamente duas fases de cultivo: a de crescimento vegetativo, que ocorre nos meses do ano com mais luz, na primavera e verão, e a floração, que ocorre quando há menos luz, no outono e inverno. Nesse segundo período, a planta para de crescer e começa a desenvolver as flores. Enquanto os machos da planta produzem sacos de pólen sem efeito psicoativo, as fêmeas produzem flores que são a erva que conhecemos como maconha e outros nomes como “camarões”, “belôs”, “buds”. Nelas estão os tricomas, que formam a resina que carrega os canabinoides, substâncias responsáveis pelos efeitos psicoativos e medicinais da erva.

Logo após a floração, na maioria das roças a maconha é colhida e empilhada em contato direto com o solo. Foi o que eu vi na plantação de um roceiro de apelido Gatito*. Ele decidiu colher a erva bem em um período de chuva, contrariando todas as indicações. Depois de derrubarem os pés, os peões que trabalham para Gatito empilham todas as plantas diretamente sobre o solo antes de cobri-las com uma lona de plástico. Essa situação por si só – o contato com a umidade do solo e o plástico abafando e impedindo a circulação de ar – já é um convite para a fermentação e a proliferação de fungos. A chuva só acelerou esse processo.

Após alguns dias debaixo do sol, os peões esticam outra lona no chão, pegam os pés já secos pela base do caule e os posicionam com a ponta para baixo. Depois, fecham o punho sobre os galhos e empurram as flores e folhas para a lona. De lá, a erva é levada para a zaranda, instrumento agrícola utilizado para separar grãos, que aqui é copiado de forma rudimentar, com chapas de ferro perfuradas. As flores são manipuladas em cima dessa zaranda e outras peneiras de metal, soltando as folhas. Depois a maconha vai para uma mesa onde ocorre a “despalitada”, que consiste em soltar as folhas dos galhos menores manualmente.

“Charasguaio” (Foto: Matias Maxx / Agência Pública)

As folhas da cannabis não se fumam, principalmente as grandes por onde a planta respira – aquela folha que costuma estampar camisetas ou bonés. No entanto, as folhas menores, que crescem junto das flores, contêm muita resina, que poderia ser transformada em haxixe, mas vão parar no chão junto com as demais impurezas.

O único momento em que os peões aproveitam algum haxixe é no processo de soltar as flores dos galhos com o punho. Suas mãos vão ficando pretas, e no final da jornada eles as friccionam, juntando essa resina em grandes bolas de haxixe, que chamam de “pretinho” ou “charasguaio”, em alusão ao charas, um tipo de haxixe indiano feito com as mãos. Peões experientes conseguem produzir de 5 a 20 gramas de haxixe por dia desse modo. De volta à cidade, costumam vender por algum dinheiro ou trocar por serviços de prostitutas.

Depois da despalitada, a maconha vai para sacas de 30 kg, que são “burreadas” –carregadas – por pessoas de confiança do chefe da plantação até o “mocó”, uma tendinha armada de lona preta no meio do mato. Ali vão ficar escondidas até serem prensadas.

Flores de maconha secando na roça (Foto: Matias Maxx/ Agência Pública)

Leia também: Destrinchando a maconha paraguaia 

Na prensa, a metamorfose

A prensa geralmente é montada em algum lugar mais afastado da plantação e dos acampamentos. Isso porque existe um sentimento de que a maconha só passa a ser “droga” e ter algum valor após a prensa. A maconha em forma de flor é abundante, é dada aos porcos, atirada em fogueiras, você caminha pisoteando maconha, existem maconhas de várias qualidades e estados de putrefação por todo lado. Até a prensa; depois dela ninguém mais toca na maconha, tudo é contadinho.

Acompanhei o roceiro Roque*, responsável por outra plantação, e seus homens de confiança no processo de desmontar a prensa, transportando os equipamentos nos braços e em motos até uma clareira recém-aberta do outro lado da área. Três prensas hidráulicas são montadas sob um barracão erguido com lona e troncos, com capacidade de até 50 toneladas de pressão cada uma.

Maconha estragada na roça de Gatito, aguardando para ir a prensa (Foto: Matias Maxx/Agência Pública)

Após a montagem, é hora da prensa: enquanto trazem as sacas de maconha, uma caixinha de som é pendurada no mesmo varal em que pedaços de charque secam. Toca alguma rádio local, e músicas tradicionais paraguaias se revezam com reggaeton e cumbias. Uma linha de montagem é formada, e garrafas de Fortin – uma aguardente local – e charutos de maconha são o combustível da noite para aqueles trabalhadores.

As sacas de maconha são abertas sobre uma lona, ficando disponíveis para o passeio de vespas e outros insetos. Mais um erro. Esses restos de animais acabam ficando dentro do “prensado paraguaio”, diz o médico João Menezes, explicando que muitos usuários no Brasil preferem lavar essa maconha. “A vantagem de se lavar o prensado é tirar resíduos que vêm dessa coisa do ar livre, secreções animais, insetos, urina e fezes de insetos, bactéria e fungos”, diz.

Os peões vão enchendo de maconha uma caixa de metal, 5 kg de cada vez. Eles nivelam a maconha usando as botas sujas de lama, depois cobrem a erva com um plástico sujo, umas placas de madeira e, finalmente, a prensa hidráulica, que, operada com uma alavanca, funciona como um macaco de carro invertido.

Na minha única noite na prensa, os trabalhadores, já bêbados com o Fortin, me deram um verdadeiro tour guiado por cada etapa do processo.

Depois de prensarem a maconha, eles retiram as madeiras, mas não o plástico; colocam mais 5 kg e repetem o procedimento até preencher a caixa de metal até a boca. De lá retiram um cubo enorme: 50 kg de maconha.

Usando uma espátula e um martelo de borracha, eles vão soltando os blocos de 5 kg separados pelos plásticos. Estes são postos numa pilha, separados por finas tábuas de madeira e prensados novamente, no que eles chamam de “reprensa”.

Blocos de 5kg de maconha na “reprensa” (Foto: Matias Maxx/Agência Pública)

Depois de um tempo, outro peão as retira de lá e utiliza uma “régua” rudimentar para fazer quatro marcações no bloco, que é levado para uma terceira prensa montada sobre uma faca, que faz os cortes.

Com rapidez, mas pouco cuidado, a maconha é derrubada no chão, pisoteada; maconha visivelmente mofada é misturada com maconha boa. No entanto, as lendas são falsas: os paraguaios não mijam na maconha, isso seria impossível dada a quantidade de pessoas e de erva. Na verdade, o cheiro forte de amônia que caracteriza a maioria dos blocos prensados que chegam ao país é resultado da fermentação e decomposição devido aos maus cuidados com a produção.

Os blocos de 1 kg são embalados,primeiro em plástico-filme e depois com fitas adesivas. Os quilos são então reembalados em pacotes de 24 kg e levados a uma picape.

Esta última embalagem era feita exclusivamente por Adriano* e Roque*, os dois chefes. “Partiu Rio!”, disse, num português tosco, um dos peões paraguaios, dando um tapa num dos pacotões.

Durante as três horas que passei na prensa, vi Roque, Adriano e mais quatro paraguaios embalarem uns 300 kg de maconha, já quadrada, marrom e fedida. Se eu não tivesse visto o processo todo, jamais imaginaria que um dia ela já foi verde.

A maconha é prensada dentro de uma caixa de metal, 5kg de cada vez, separados por plásticos até formar um cubo de 50kg (Foto: Matias Maxx/Agência Pública)

A prensa ocorre por uma questão de logísticas: ela diminui muito o volume e permite aos traficantes transportar mais quilos de forma mais discreta. Mas o ato de prensar o bagulho não é em si a pior das situações; ela se junta à colheita feita na hora errada, a secagem malfeita, a resina desperdiçada e o total descaso em manipular o vegetal.

Para piorar, algumas operações mantêm estoques de maconha já prensada enterrados por até um ano, por questões de logística ou segurança. Em quase todos os casos, a maconha enterrada acaba pegando mais umidade e fermentando.

Para o doutor Pedro da Costa Mello Neto, médico acupunturista com pós-graduação em dor, pesquisador no campo da neurociência e prescritor de cannabis legalmente há mais de três anos, “quando se usa a maconha prensada se está usando um produto que não tem um controle de qualidade, e essa perda do controle da qualidade se dá justamente por conta do proibicionismo”.

“O tráfico não escolhe a quem ele vai vender, a forma e o que ele vai vender. E com isso vai ter pessoas usando uma maconha adulterada, com mofo, amônia, pedaços de insetos e qualquer outra substância a qual ela foi exposta”, explica.

Leia também: Destrinchando a maconha paraguaia 

 

A melhor maconha vai para Florianópolis

Ao lado da roça de Roque havia outro cultivo, muito mais organizado.

À diferença de nas demais roças predominantemente de sativa, nessa consegui identificar uns cinco fenótipos de plantas, o que significa que foram utilizadas diferentes tipos de sementes.

As variedades nativas do Paraguai são de predominância sativa, mas, segundo Adriano, há alguns anos um patrão voltou de uma viagem de turismo à Holanda com centenas de sementes, produziu uma roça “premium” e passou a vender suas sementes para os outros roceiros por um preço bem mais alto que as tradicionais. O cultivador me explicou que, ao contrário de um boato que corre na imprensa especializada, não existe semente transgênica de maconha, e sim cepas “melhoradas” que são estabilizadas, produzidas e comercializadas legalmente em vários países da Europa. Cada uma dessas cepas tem propriedades psicoativas diferentes, além de vantagens para o cultivo como crescimento rápido e floração mais curta.

Não consegui números precisos, mas uma saca de sementes comuns vale 1 milhão de guaranis (R$ 550), com colheita após quatro meses de floração. Já essas sementes de híbridas de sativa paraguaia com “skunks” holandeses, seriam “muito mais caras” e trariam resultado após um ciclo total de três meses da semeadura à colheita.

Conheci Romero*, o roceiro responsável por essa fazenda de sementes híbridas, que tinha orgulho do produto: mesmo prensado, era muito mais verde e cheiroso que os das outras roças. Romero tinha os olhos pequenos, falava pouco, mas sabia ouvir. Estava bem claro que o cara queria trocar conhecimentos e aprimorar sua roça, coisa rara por ali.

Além de trabalhar com uma genética aprimorada, o roceiro dedicava um esforço um pouco maior à colheita; em vez de simplesmente empilhar as plantas, ele as pendurava numa espécie de varal, minimizando o problema de umidade e circulação de ar.

Esses prensados de qualidade melhor são chamados “dois por um”, enquanto os demais, “comercial”. Nessa roça em questão, o destino da maconha é Florianópolis – que é, segundo Gérson *, o “patrão” de Roque, o mercado mais exigente do Brasil. “No Rio e em São Paulo a demanda é grande, eles compram qualquer coisa. Floripa não, lá eles são mais exigentes, os melhores fumos param lá”.

Roça de sementes híbridas, na última semana de floração (Foto: Matias Maxx/ Agência Pública)

* Todos os nomes foram trocados para garantir o sigilo das fontes da reportagem 

Esse texto é resultado do Concurso de Microbolsa de Reportagem Maconha, realizado pela Agência Pública e Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec), da Universidade Candido Mendes.

 

Tags: , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Luiza Gannibal

    Excelente matéria

  • William Tavares

    Grande matéria, obrigado!!!

  • Mateus Mysterio

    Raiva desses paraguaios

    • Lucas Gil Neves

      mano…. raiva deles? pq? tinha que ter raiva dos politicos cuzao que nao libera! quando liberar vc nunca mais vai fumar desse lixo chamado prensado!

  • Gabriel Matheus

    ótima matéria, parabéns!!!

  • João Cruz

    Eu só queria ter as minhas plantinhas em casa e nao incomodar ninguém

  • Papai é o maior

    Muito massa eu sempre quis saber como eram as plantações no paraguiai e feliz por morar do lado de floripa hahaha

  • Samuel Dantas

    Partiu Floripa.

  • lopan

    “erva estragada”.. então tá explicado pq tem tantos retardados em cursos de jornalismo, filosofia, teatrinh
    o, história e geografia

No mapa, o trabalho escravo no Brasil

No mapa, o trabalho escravo no Brasil

| por | 31 de outubro de 2017

Levantamento mostra presença de empreiteiros entre a maioria dos empregadores, composta por fazendeiros e empresários do agronegócio. Irmão da senadora Kátia Abreu, que estava na lista divulgada pela Globo, é o único ausente na nova lista do MTE

Os santos perseguidos 7

| por | 1 de novembro de 2017

Crimes de ódio contra praticantes de Umbanda e Candomblé no Rio Janeiro representam 90% dos casos do disque-denúncia estadual; no país, as denúncias de discriminação por motivo religioso cresceram 4960% em 5 anos