Agência de Jornalismo Investigativo

Programa Residências Públicas oferece hospedagem na Casa para interessados em investigar questões de direitos humanos no Rio de Janeiro

11 de agosto de 2017

(To read the english version, click here)

A Agência Pública convida jornalistas internacionais para participar do programa de residências da Casa Pública, o primeiro centro cultural de jornalismo do Brasil. O espaço funciona como um polo para a produção, discussão e apoio ao jornalismo independente e inovador na América Latina.

A segunda edição do programa, que oferece hospedagem e mentoria gratuita, procura apoiar jornalistas interessados em produzir reportagens em uma variedade de temas relacionados aos direitos humanos. As inscrições abrem no dia 11 de agosto e devem ser feitas pelo formulário.

A cada mês selecionaremos dois jornalistas para passarem pelo menos 15 dias morando na Casa Pública enquanto desenvolvem suas pautas. As residências vão acontecer em setembro, outubro e novembro de 2017 e em janeiro, fevereiro e março de 2018. As inscrições permanecem abertas durante todo esse período.

A seleção será feita em duas etapas, sendo a primeira o preenchimento do formulário online e a segunda, uma entrevista por Skype com as coordenadoras da Agência Pública. Os candidatos serão escolhidos com base em sua experiência e na pauta que têm interesse em investigar. Os finalistas serão contatados mês a mês.

Além da hospedagem e do uso da estrutura do escritório da Agência Pública no Rio, os contemplados vão receber o apoio da Pública na elaboração das reportagens e para realizar contatos com jornalistas e fontes locais.

“Aqui você tem todo o apoio para fazer jornalismo em um país estrangeiro, em um ambiente onde você se sente confortável, e com uma abordagem que é muito mais consciente da realidade social do país,” explica Caterina Clerici, jornalista italiana que participou da primeira edição do programa.

Leia o regulamento completo.

Após concluir a residência, os jornalistas publicam a reportagem em veículos de seus países e também no site da Agência Pública, em português.

Para fazer a inscrição, o jornalista deve comprovar experiência em realizar reportagens e detalhar seu plano de investigação. Na segunda etapa da seleção, a Pública exige também uma carta de um meio de comunicação que se comprometa a publicar a matéria produzida durante a residência. É recomendável que o residente providencie um seguro para seus equipamentos.

A Pública não se responsabiliza pelo visto, pela alimentação e nem pelo transporte no Rio de Janeiro.

[huge_it_gallery id=”42″]

Comentários

Mais recentes

35 anos depois do deputado Juruna, indígenas continuam sem representação política no país

25 de Abril de 2018 | por

Segundo TSE, candidatos indígenas correspondem a apenas 0,34% do total; preconceito da sociedade e falta de apoio financeiro estão entre os motivos da baixa participação

Indígenas enfrentam a maior ofensiva parlamentar em 20 anos

24 de Abril de 2018 | por e

Levantamento revela que as proposições anti-indígenas avançaram mais do que outras

Microbolsas: Proponha sua pauta sobre violência policial e intervenção militar

23 de Abril de 2018 | por

Serão distribuídas quatro bolsas de R$ 7 mil para investigar as causas e impactos da violência policial no Brasil e de intervenções militares como a do Rio de Janeiro

Explore também

PL do aborto se baseia em dados incorretos

19 de julho de 2017 | por e

O Truco checou três argumentos apresentados no projeto de lei da deputada do Distrito Federal Celina Leão (PPS) e constatou erro, exagero e uma informação impossível de provar

"Copa do Mundo é uma coisa, esporte é outra" diz pesquisador carioca

5 de outubro de 2012 | por

Para o geógrafo Felipe Andrade os megaeventos criam "janelas de oportunidade" para a violação de direitos humanos na cidade

Exagerado, distorcido ou discutível

ECA e dosimetria de pena. Não é bem assim, Torgan!

21 de agosto de 2015 | por

“Há muitas coisas boas [no Estatuto da Criança e do Adolescente], eu confesso, e a elas sou favorável. Mas, na dosimetria de pena, ele é um desastre.” – Moroni Torgan (DEM-CE), deputado federal, no plenário, na quarta-feira (19)