AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

E quando o jornalista é vítima de perseguição?

Elvira Lobato e Vitória Famer falam sobre ataques lançados contra elas nesta entrevista a Artur Romeu, do Repórteres sem Fronteiras

“Eu vivia a ilusão de que a verdade é um escudo protetor do jornalista. E ela não é esse escudo tão protetor assim”, avalia a experiente repórter Elvira Lobato, nesta entrevista, na Casa Pública, sobre os ataques e assédios direcionados a jornalistas.

Ao seu lado, a repórter da Rádio Guaíba Vitória Famer conta seu sofrimento ao ser exposta e ofendida nas redes por um vídeo que manipulou informações a respeito de uma reportagem de sua autoria sobre um ex-integrante do Movimento Brasil Livre (MBL). “Antigamente era mais uma tentativa de ofensa aos jornais, portanto era um ataque ao CNPJ. Agora é um ataque ao CPF. É algo mais direto aos jornalistas”, avalia.

Ambas concordam que nada é mais agressivo do que atacar a liberdade de trabalho do repórter. “Psicologicamente é um impacto terrível”, afirma Elvira. A seguir, os principais trechos da conversa conduzida por Artur Romeu, do Repórteres sem Fronteiras.

E quando o jornalista é vítima de perseguição? from Agência Pública on Vimeo.

Artur Romeo – Jornalistas sofrem ameaças. E a Vitória Famer passou por uma situação, em junho, que ilustra um pouco essa tendência. Como é que você viveu esse processo?

Vitória Famer – Sou repórter de política em Porto Alegre e me chamou atenção quando visualizei pelas redes sociais que um integrante do MBL, Arthur do Val, que saiu do movimento quando ganhou uma ascensão como youtuber, estava indo muito a Porto Alegre cobrir manifestações de servidores municipais. Numa dessas manifestações, servidores protestavam contra um projeto de lei encaminhado para a Câmara de Vereadores da cidade pelo atual prefeito, Nelson Marchezan Júnior, do PSDB.
O protesto tinha cerca de dez servidores. Mas esse Arthur do Val, junto com outros dois homens, começaram uma pequena confusão. Arthur tem como marca a provocação, a intimidação às manifestações a que são contrários. Houve uma briga física. A Guarda Municipal separou os manifestantes e eles foram para a delegacia.
Fiquei sabendo da detenção e fui até à delegacia porque não ia ficar, como meu trabalho determina, somente com a versão do sindicato que protestava. Aguardei para ouvir o Arthur do Val junto com o Rafinha BK e o Márcio Gonçalves, que eram os outros homens que estavam com ele. Durante a ida para à delegacia, como eu já tinha uma informação de um lado, fiz um tweet que dizia que o Arthur, junto com dois homens, haviam sido presos e encaminhados para a delegacia. Na hora da entrevista, Arthur começou a me filmar, eu permiti. Antes de começar as perguntas, ele tentou me entrevistar, me intimidando, perguntando sobre o tweet. Como é que eu postava aquele tipo de tweet sem falar com ele? Eu disse: “Vim aqui para te ouvir, saber sua versão”. Ele falou: “Posso começar te perguntando por que é que tu fez esse tweet?”. Eu falei: “Não, eu sou jornalista, vou te perguntar, vim aqui para isso”. E, nesse momento, ele começou a tentar questionar o meu trabalho sem nunca ter lido nada sobre mim. O questionamento até pode existir, mas a maneira com que iniciou foi mal-intencionada, pesada. Ele tirou de contexto qualquer informação que a gente havia conversado ali. Falei: “Olha, se tem um erro, não tem problema nenhum, corrijo imediatamente. Isso ele tirou do vídeo”.
O caso foi no final da manhã de uma quarta-feira e, na quinta-feira à noite, eu voltava de uma prova da faculdade e os meus amigos começaram a mandar: “Tu viu o vídeo? Tu viu o vídeo que eles fizeram de ti?”. Recebi o vídeo, vi o que eles fizeram e fiquei bem em choque porque a gente não tinha dimensão do que era, não sabia que a intenção era na má-fé. Veio uma chuva de ofensas através das redes sociais. Tive que impedir que pessoas comentassem, porque, simplesmente, gente de todo país, que eu nunca tinha visto, começou a questionar o meu trabalho sem nunca nem ter lido a minha matéria na íntegra, que, na minha opinião, está clara. Eu ouvi os três envolvidos além dos sindicalistas. Primeiramente, foi uma misoginia, de “feia”, “puta”, “vagabunda”. Isso começou a afetar o meu trabalho.

Elvira Lobato – Quanto tempo durou esse ataque?

Vitória Famer – Esse ataque mais pesado durou aproximadamente uma semana.

Elvira Lobato – Depois cessou?

Vitória Famer – É, acabei parando de ver por um tempo, sabe? Eu estava ficando realmente mal. A primeira semana foi a mais difícil.

Profissionais conversaram sobre os ataques e assédios direcionados a jornalistas (Foto: Pedro Prado/Agência Pública)

Artur Romeo – Em 2007, a Elvira foi vítima de uma série de ações da Igreja Universal. Então, gostaria que contasse um pouco sobre o caso e a instrumentalização do Judiciário como ferramenta de ataque e censura.

Elvira Lobato – Em 2007, publiquei na Folha de S.Paulo uma matéria sobre os 30 anos da Igreja Universal do Reino de Deus. Era uma matéria essencialmente econômica. Levantava os bens que os principais integrantes da cúpula da igreja possuíam. Um levantamento feito em juntas comerciais, cartórios, fontes públicas. Eu listava: acho que eram 40 rádios, televisões, editoras, jornais, empresas de táxi aéreo, seguradoras, agências de turismo. Era um levantamento patrimonial. Fui acompanhando todas as aquisições, o crescimento da Record, como sempre acompanhei a Igreja Católica, quando ela também começou a comprar emissoras de televisão. Por conta desse acompanhamento e pelo meu perfil, porque sempre fui de economia com um viés forte de investigação, de mergulhar em assuntos assim, fiz várias matérias sobre os negócios da igreja em radiodifusão. Em 1999, fiz uma matéria que, para mim, foi a mais importante de todo esse período, que mostrava que várias emissoras da Record foram compradas por fiéis da igreja ou por deputados, inclusive, com financiamento obtido de duas empresas em paraíso fiscal. Naquela ocasião, a igreja não reagiu, não falou nada. Mas chegou essa matéria em 2007, e foi uma reação, a igreja não quis falar nada. A apuração de quem era bispo exigia uma investigação quase como se fosse algo secreto, de confirmar com várias pessoas. Só publiquei sobre o que tinha absoluta convicção, tudo que estivesse documentado. Fui fazer o outro lado, porque a Folha tem essa filosofia. Como a igreja não ia falar, fiz uma matéria em cima do livro do bispo Edir Macedo, que era uma biografia autorizada, feita por funcionários da Rede Record do alto escalão. Muito bem, saiu a matéria. De repente, comecei a receber notificação de ações da Justiça, do juizado especial, o juizado de pequenas causas. Mas não era uma ação comum. As ações não questionavam nenhuma informação da matéria, eram ações de indenização por dano moral. E foram impetradas sempre em locais dificílimos, aonde não chegava o jornal e não tinha internet. Então, como é que as pessoas sabiam da matéria? Foram 111 ações divididas em alguns blocos, com o mesmo texto. Então, um cara no interior de Roraima disse que passava pela rua tal quando uma pessoa o abordou e disse: “Mas você é um babaca! Não vê o que a sua Igreja está fazendo? Não leu a Folha de S.Paulo?”. Uma ação no interior do Rio Grande do Sul dizia assim: “Eu estava andando na rua e um cara disse ‘você é um babaca!’”. A mesma coisa, ou seja, eram ações abertas inicialmente por fiéis ou pastores iniciantes, era uma coisa centralizada. E é curioso porque ninguém se sentiu ofendido numa cidade de médio porte ou grande porte, era sempre um ponto remoto em que a defesa era quase inviável. Era um suplício. Tinha dia com uma audiência no Rio Grande do Sul, outra no Mato Grosso e outra no Piauí, na mesma hora, era impossível. Foi uma estratégia pensada maquiavelicamente. Era para tornar a coisa infernal. E foi infernal. Eu sou uma jornalista e fui repórter 39 anos. Eu achava o seguinte: uma reportagem correta é um escudo protetor do jornalista. Aquela série de ações mostrou que eu estava errada. Eu vivia a ilusão de que a verdade é um escudo protetor do jornalista. E ela não é esse escudo tão protetor assim.
Num domingo à noite, no programa Domingo Espetacular, a igreja botou um programa de 20 minutos no ar mostrando a minha cara, incitando as pessoas a entrar com ações contra mim. E comecei a entrar em pânico. Eu dizia: “Eu vou ser apedrejada na rua! Porque nós estamos falando de fiéis que vão achar assim: “Aquela mulher é um demônio! O que ela fez contra a minha fé? Porque é que ela humilhou a minha fé?’”. E não é uma matéria que tivesse nada a ver com religiosidade, era uma matéria econômica. Das 111 ações, só resta uma em uma cidade, Santa Maria da Vitória, a 866 km de Salvador.

Artur Romeo – E quantas ações vocês perderam?

Elvira Lobato – Nenhuma. E, inclusive, em muitas os autores foram condenados por litigância de má-fé, ou seja, você usar indevidamente a Justiça. Porque estava claro que aquilo não era uma matéria de contestação. Eu perguntei todas as perguntas porque acho que o jornalista tem que ser muito leal com o seu denunciado ou com a pessoa que vai ser descrita ou retratada por ele. Porque você não pode esconder que a matéria aborda os pontos que ela aborda. Às vezes, o jornalista, sobretudo um jornalista mais inexperiente, tem receio de falar o que vai para publicar com medo de o cara derrubar uma matéria, com medo da reação explosiva. Sempre achei o seguinte: se vou colocar uma acusação contra alguém, aquela pessoa precisa ter total noção do que vai sair para que ela possa se defender.

Artur Romeo – Elvira, você fez vários trabalhos com as TVs da Amazônia. Vai virar um livro. Queria saber se nesses lugares mais remotos você ouviu relatos de pressões desses jornalistas locais feitas por autoridades?

Elvira Lobato – Se eu tivesse em um veículo pequeno, pela força com que o ataque foi feito via Judiciário, teria quebrado o jornal. Porque a despesa para Folha de S.Paulo foi enorme. O escritório de advocacia teve que contratar advogados pelo Brasil afora. Tive que sair do Brasil, fiquei dois meses fora, aproveitei que a minha filha estava morando fora e passei dois meses lá para facilitar a defesa, já que, como pessoa física, teria que estar pessoalmente. Nunca soube qual foi o custo daquilo, mas uma vez a advogada do chefe, sócia do escritório, falou: “Elvira, eu te digo o seguinte: se o jornal tivesse sido condenado e pagasse indenização, a gente teria gasto menos de um décimo do que foi gasto defendendo”. Eu ouvi relatos de jornalistas em toda a Amazônia – sim, jornalistas que diziam que foram ameaçados. Recentemente mesmo, vi um dos meus entrevistados, que é de Bacabal, no Maranhão, que foi para a frente da câmera e o dono da televisão era um político alinhado com uma determinada corrente política. O repórter estava fazendo denúncias contra os adversários. E os seguranças bateram nele. Agora, tem uma peculiaridade. Nesse interior, nessas pequenas televisões, são jornalistas formados na prática, exclusivamente. São muito intuitivos. Encontrei jornalistas ex-garimpeiros, trabalhadores rurais, motoristas. E também cara que era jornalista e largou o emprego para ser motorista. É uma realidade completamente diferente da nossa, e eles estão muito mais desprotegidos do que nós. E eles não têm esse conhecimento de saber que quando está fazendo uma denúncia jornalística, tem que ouvir o outro lado. Eles estão expostos, até porque confundem crítica com agressão verbal, oposição com o inimigo. E a televisão está sempre alinhada a uma corrente política.

“Antigamente era mais uma tentativa de ofensa aos jornais, portanto era um ataque ao CNPJ. Agora é um ataque ao CPF. É algo mais direto aos jornalistas”, comenta Vitória Famer sobre as agressões sofridas pelos jornalistas (Foto: Pedro Prado/Agência Pública)

Artur Romeo – Vocês acham que esse momento de polarização política dá um pano de fundo para que essas agressões tenham mais intensidade, ou elas sempre existiram?

Vitória Famer – Antigamente era mais uma tentativa de ofensa aos jornais, portanto era um ataque ao CNPJ. Agora é um ataque ao CPF. É algo mais direto aos jornalistas. Acho que as grandes empresas de comunicação não se abalavam tanto. Têm uma estrutura muito maior e a gente tem a estrutura emocional, às vezes, apenas, não financeira para combater isso. Então, não sei se polarização necessariamente agora é o pilar, mas favorece com certeza esses ataques. E queria só também complementar com a pergunta anterior sobre questão de apoio. É um negócio que me preocupou inicialmente quando começaram as ofensas, sabe? E o apoio institucional que recebi foi algo que me emocionou. Querendo ou não, ainda tem muita coisa para eu fazer, e foi muito importante, fiquei muito gratificada. Valeu a pena tudo que a gente passou naquele momento, naquela semana. É como se a verdade tivesse, de fato, um escudo para a gente, fiquei tranquila

Elvira Lobato – Quando ocorreu aquela onda de ações também contra mim, todos os veículos de comunicação se solidarizaram com a Folha de S.Paulo e, em decorrência, também com a minha situação. Isso foi muito importante. Porque todos viram naquele momento que aquilo era um ataque à imprensa, não era um caso individual.

Mariana Simões – A gente tem falado muito das redes sociais. É possível a gente controlar esse crescimento da mentira? O surgimento de grupos nas redes que se apropriam de alguma coisa e vendem para as outras pessoas acreditarem naquilo?

Elvira Lobato – Acho que a mentira não se sustenta. Quando você escreve uma coisa correta, aquilo é perene. Por mais ataque que você sofra, aquilo tem a força de que a informação é correta. O resto você pode manipular, mas você vai segurar aquela mentira por um tempo? Não. Tem uma coisa que acontece muito que é, em época de campanha eleitoral: os candidatos que passam informação para os jornalistas.
Tive a experiência, várias vezes, de receber dossiês de jornalistas até qualificados, que foram contratados para trabalhar para algumas candidaturas. E, no entanto, aquilo era uma arapuca. Parecia que era verdade. Era verdade até um certo ponto, mas de um ponto em diante era mentira. Para derrubar uma pauta, você tem que ter tanto trabalho quanto para apurar uma pauta. Não vou dar porque essa matéria só é verdade até metade do caminho. Jornalismo é um exercício, é uma atividade muito trabalhosa. Ela exige que a gente o tempo todo se pergunte: “Estou sendo correto? Respondi a todas as perguntas? Está tudo claro? É isso mesmo?”. E, ao buscar a resposta para todas essas indagações, até o momento em que você chega e todas as perguntas foram respondidas, é um trabalho enorme. Uma vez o jornal me mandou fazer uma coisa sensacional. Ele teve a informação de que o Garotinho tinha escondido a idade. Que ele tinha certidão falsa, o Garotinho. Eu fui para Campos. Primeira coisa: fui no cartório pedir a certidão. O cartório levava dois dias. Fui na igreja onde ele foi batizado. Pedi a certidão de batismo. Fui na escola onde ele fez o primário, o maternal, o primário, o segundo grau, para verificar se em todas ele dava a mesma idade. E mais: fui na maternidade onde ele nasceu. O cara da maternidade permitiu que eu fosse consultar os arquivos e fui lá para o subsolo ver ficha por ficha até achar. Quando eu estava com a cópia da ficha da maternidade, da certidão de batismo, da certidão de nascimento, do maternal, do primário e do segundo grau, falei: “Bom, eu não tenho dúvida nenhuma, esse cara tem essa idade”. E em que resultou tudo isso? Nada. Não foi matéria nenhuma.

Vitória Famer – Infelizmente, tem um nicho nas redes sociais que não aceita que aquilo não seja verdade.

Arthur Romeo – Vocês já se sentiram ou sentem expostas ou mais vulneráveis em determinados contextos por serem mulheres?

Elvira Lobato – Eu nunca senti nenhum problema. Primeiro, estava sempre tão ocupada em apurar coisas que, se alguém fosse me discriminar pelo fato de eu ser mulher, estava perdendo o tempo dele, porque eu nem prestava atenção. Comecei com 20 anos de idade, era uma garota e fui trabalhar em um jornal muito pequeno. E, naquela época, então, imagina, início dos anos 1970, tomei uma providência, comprei uma aliança e botei na mão de casada. Falei: “Bom, já vou eliminar metade do problema”. Eu sempre fui muito objetiva. Não me dava muito espaço para achar que “ah, o cara está me discriminando”. Problema dele, vai ter um trabalho enorme de me discriminar porque vou passar com o meu bonde. Não me deixei inibir por isso. Não me constrangeu, não me afetou.

Vitória Famer – Com relação ao meu caso, às vezes na política tem gente que dá aquela pedrada. Mas me chamou atenção nos comentários ofensivos à época do vídeo. Se fosse com homem, o cara não ia te chamar, sei lá, “seu gordo”. Teve uma menina que falou do meu batom no vídeo. “Nossa, que batom horrível!” As pessoas perdem tempo achando que falar da tua imagem física destrói alguma coisa do que tu fez.

Natalia Viana – Eu queria só perguntar para Elvira. No entanto, esse assédio da Universal impactou você mesmo enquanto profissional?

Elvira Lobato – Muito. Impactou demais. Impactou, primeiro, porque me lembro que, uma vez eu sofri um assalto. Dois caras botaram uma arma na minha cabeça, queriam me levar, que eu passasse para o banco de trás do carro. Mas me deixaram. E, depois, você sente uma coisa terrível: “Esse cara poderia ter acabado comigo”. Então, aquilo te ofende, é uma violação ao seu direito fundamental. E você se sente igualmente arrasado quando alguém dispõe da sua imagem. Do seu nome, da sua credibilidade, da sua seriedade, porque um trabalho sério, profissional, não pode ser respondido com uma esculhambação desse nível. Eles tiveram uma vitória parcial muito grande porque me calaram por um tempo, me inibiram por um tempo. Por mais rigorosa que eu seja, por mais obsessão que eu tenha, posso sofrer uma coisa dessas de novo. Então isso foi muito marcante para mim.

“Acho que a mentira não se sustenta. Quando você escreve uma coisa correta, aquilo é perene”, diz Elvira Lobato (Foto: Pedro Prado/Agência Pública)

Linderval Alves – Se a mentira não se sustenta, o que dizer sobre o que já foi feito através dela? O Trump, mesmo provando que era um mentiroso, ganhou as eleições. Isso não prova que a mentira ganhou?

Vitória Famer – Existe um nicho específico que se alimenta desse tipo de notícia, que são as fake news. Então, acho que, infelizmente, está se sustentando em muitos aspectos.

Elvira Lobato – Infelizmente, os políticos mentem tanto, são tão contumazes na mentira que se criou até esse trabalho jornalístico, hoje em dia, que é a checagem de informação. Faz parte, imagino, até da natureza deles, mentem deslavadamente, e muitas vezes não são desmascarados. Porque são tantos mentindo simultaneamente. Mas pelo menos nós, jornalistas, temos que tentar escapar dessa tentação.

As informações utilizadas no vídeo são da ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) e do Repórteres sem Fronteiras

Tags: , , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

O desmanche da Constituição

O desmanche da Constituição

| por | 19 de outubro de 2017

Levantamento da Pública mostra que indígenas, quilombolas e trabalhadores estão entre os que mais perderam direitos constitucionais no governo Temer; saúde, educação e meio ambiente também foram afetados

A última viagem de Ernesto

| por | 9 de outubro de 2017

Em entrevista feita há seis anos, amigo de infância conta detalhes da personalidade e da viagem que fez pela América Latina com Che Guevara, morto há 50 anos

O desmanche da Constituição

O desmanche da Constituição

| por | 19 de outubro de 2017

Levantamento da Pública mostra que indígenas, quilombolas e trabalhadores estão entre os que mais perderam direitos constitucionais no governo Temer; saúde, educação e meio ambiente também foram afetados