AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Lobo solitário, Bolsonaro sonha com a glória

Em alta nas pesquisas, presidenciável começa a discutir sua candidatura com empresários, bancos e agentes do mercado financeiro

Jair Bolsonaro garante não estar preocupado se seu discurso radical vai espantar eventuais apoiadores e o dinheiro que eles normalmente trazem. Prefere a sua típica saída diante das questões incômodas: a verborragia, que o leva para longe – chega a uma espécie de “chamado divino” para salvar o país “dessa esculhambação”. A voz um tom acima e o cenho franzido compõem o personagem durão e inflexível, ainda que nos bastidores a sua postura seja exatamente a oposta: o político já começou a abrir canais de interlocução com o andar de cima para tratar de seu projeto presidencial.

Nos últimos meses, com o crescimento progressivo de sua candidatura em diferentes sondagens para a Presidência (a depender do instituto, ele tem entre 15% e 20% dos votos, atrás apenas de Lula), aumentou também o assédio dos bancos, agências e fundos de investimentos, além de empresários e consultores. Todos querem conhecer o pré-candidato de extrema direita que conquistou uma legião de admiradores com um discurso autoritário e abertamente preconceituoso, que no momento tem a preferência de um quinto do eleitorado nacional – algo em torno de 28 milhões de votos.

Bolsonaro começa a desbravar mundos que antes lhe eram completamente estranhos, caso da comunidade judaica e do agronegócio. E já recebe sinais de simpatia de parte da burocracia do Estado – os militares.

O político, segundo as pesquisas, tem cada vez mais apoio entre os eleitores mais escolarizados, jovens e ricos – uma mudança no seu público tradicional, formado predominantemente por policiais e militares. O discurso direto, popularesco e nacionalista, em defesa da família e dos valores cristãos, encontra eco num eleitorado cada vez mais conservador e antipolítico, conforme mostraram as urnas nas eleições municipais do ano passado. Outro fator que ajuda a explicar seu sucesso é a criminalidade, uma das principais preocupações do brasileiro, que Bolsonaro promete enfrentar com mais armas – 57% da população brasileira concorda com a frase “bandido bom é bandido morto”.

“Não vou fazer acordo com o diabo para me eleger”, completou o deputado. “Se é para fazer a mesma coisa, esquece.”

Para o político que trilhou sua carreira praticamente sozinho, sem a estrutura de um grande partido ou um aliado de peso, a consolidação de seu projeto presidencial o coloca em um outro patamar – ele já percebeu o quanto é conveniente para alguns dos setores que ascenderam ao poder após o impeachment de Dilma Rousseff. Além do clima antipetista que ganhou o país, ele atribui a popularidade à defesa de suas bandeiras, que são as mesmas desde que ele chegou à Câmara dos Deputados, no início dos anos 1990.

O presidenciável não abre os nomes dos novos interlocutores – “não quero queimá-los, é uma relação de confiança” –, assim como os empresários que se encontraram recentemente com o político resistem a falar a respeito. A grande maioria do empresariado o considera um aventureiro, mas há quem o defenda.

“Sei que tem gente usando o meu nome para pedir dinheiro, inclusive gravei um vídeo dizendo para não doar. Um empresário recentemente ofereceu, mas eu recusei. Oferecem de boa-fé, mas nunca aceitei, nem vou aceitar.”

Um dos seus encontros recentes foi com economistas do banco BTG-Pactual. Consultores de fundos nacionais e internacionais que acompanham o dia a dia do Congresso também já fizeram acenos para abrir uma interlocução com o político, caso, por exemplo, do Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas.

O discurso direto, popularesco e nacionalista, encontra eco num eleitorado cada vez mais conservador e antipolítico (Foto: Fernando Chaves/PSC Nacional)

Ao tratar de economia, Bolsonaro foge da usual arrogância: admite não saber muito e diz que está aberto para aprender. A incógnita sobre o modelo econômico que defende – e o fato de ter um expressivo apoio a menos de um ano das eleições – é exatamente o que inquieta mercados e investidores.

A XP Investimentos, uma das gigantes do setor de assessoria de investimentos, elaborou neste mês uma pesquisa sobre as eleições de 2018 com uma simulação do cenário (para onde iriam a bolsa e o dólar) com a vitória de um dos nomes já colocados na disputa – Doria, Lula, Alckmin, além do próprio Bolsonaro.

O cenário de maior incerteza é em relação ao ex-capitão do Exército – a maioria dos investidores e analistas acredita que, caso ele seja eleito, o Ibovespa cairia drasticamente, assim como apostam numa desvalorização expressiva do real em relação ao dólar.

Em Brasília, sua rotina também mudou. Visto como excêntrico pelos pares, ele agora não fica mais sozinho pelos corredores do Congresso, como era comum no passado. Agora chega a fazer discursos relâmpagos para curiosos que se aproximam, como aconteceu na segunda semana de agosto no Salão Verde da Câmara, ao falar para cerca de 30 adolescentes que visitavam o Congresso com a escola. Bolsonaro está sempre rodeado de celulares, o que alimenta ainda mais suas aparições nas redes sociais, onde é líder absoluto de audiência entre os presidenciáveis.

Seu pequeno gabinete (a maioria de seus funcionários e assessores é ex-militar) também ficou concorrido. Formam-se filas para que simpatizantes façam fotos ou vídeos ao lado do deputado – ele até pintou na entrada do gabinete uma bandeira nacional com seu nome para servir de fundo para as imagens e vídeos que logo vão inundar suas redes de apoio. O perfil dos visitantes é variado: há policiais, estudantes brancos e ricos, negros, nortistas e remediados de diferentes tipos.

Nos vídeos, termina quase sempre com o bordão “tamo junto”, simulando uma arma com as mãos, com o indicador e o polegar estendidos. Perguntei se o gesto e o “tamo junto” era uma estratégia para se contrapor ao “Acelera” de João Doria, que desponta como um eventual rival no ano que vem – os dois têm a preferência do mesmo eleitorado rico e escolarizado.

“Sabe para que servem esses dois dedos?”, perguntou, fazendo com a mão o sinal popularizado pelo prefeito de São Paulo. “Para no ano que vem enfiar no rabo do Doria.”

Imagem é tudo

A violência verbal é uma de suas marcas e um modo de cativar sua audiência. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve neste mês a decisão que o condenou a pagar uma indenização de R$ 10 mil por danos morais à colega Maria do Rosário, do PT. Em 2014, após uma discussão, Bolsonaro disse que não a estupraria porque ela “não merece”.

Casos assim se avolumam em sua carreira parlamentar: já disse em pronunciamentos e entrevistas que é “preconceituoso com muito orgulho”, que “seria incapaz de amar um filho homossexual”, que a “mulher deve ganhar um salário menor porque engravida”, que a “ditadura deveria ter matado uns 30 mil, a começar por Fernando Henrique Cardoso”, e que, como capitão do Exército, sua “especialidade é matar”.

Há cerca de um ano, Jair Bolsonaro sentou-se com Olga Curado, consultora de imagem e comunicação, para um “treinamento” – ele disse que não soube quanto a consultoria custou, sabe apenas “que não foi pouco”. As sessões com a especialista foram custeadas pelo PSC, partido no qual se filiou no ano passado e de onde já está de saída; após desentendimentos com Pastor Everaldo, o presidente, ele fez um pré-acordo com outro nanico, o PEN, partido que deverá trocar o nome para Patriotas para lançá-lo à Presidência.

“Aprendi muita coisa com a Olga. Quando entrei na sua sala, ela me olhou e eu disse: ‘Quero saber da sua capacidade de transformar um tijolo num diamante’”, afirmou. À época, em entrevista, Olga Curado disse que estava ensinando Bolsonaro a “olhar para si”.

O fato é que o presidenciável tem se preocupado bastante com a sua imagem – especialmente ao que pode contradizer o seu discurso anticorrupção. Acumulando a aposentadoria do Exército e o salário de deputado, ele supera em muito o teto constitucional de R$ 33 mil – valor de um salário de deputado, que no caso dele deve ser somado ao soldo de um capitão aposentado, R$ 10 mil em média. Ele afirma ter solicitado recentemente ao Exército a revisão de seu vencimento para não violar a regra, mas a Força informou em nota que, “até o presente momento”, não recebeu nenhum pedido dele a respeito. 

Como um candidato que se diz tão moralista justifica o salário acima do teto? Com irritação e agressividade, como ele geralmente reage nessas ocasiões: “Cara, faz a pergunta! Você veio aqui apenas para pinçar isso?”. (Uma outra característica que divide com Donald Trump, a quem Bolsonaro afirma admirar, é a crítica à imprensa e jornalistas, embora seu discurso esteja recheado de mentiras e notícias calculadamente distorcidas, tal qual o presidente americano.)

Do Exército, onde esteve ativo por 15 anos e cuja relação era marcada pela desconfiança, hoje ele recebe sinais de simpatia. Um dos 17 generais que integram o Alto-Comando do Exército já elogiou publicamente Bolsonaro em rodas sociais de Brasília. Para um oficial da reserva, sua aproximação com as Forças Armadas tem uma explicação estritamente política: conveniência.

Agendas convergentes colocam Bolsonaro e o comandante do Exército, Villas Boas, no mesmo lado – seja na valorização da carreira militar, no rearmamento das Forças Armadas ou em alterações legislativas de interesse dos quartéis. Ambos defendem mudanças na lei para que homicídios cometidos por membros das Forças Armadas em missões de segurança pública – como a que ocorre atualmente no Rio de Janeiro – sejam assunto para a Justiça Militar, e não a comum, como determina a legislação em vigor. Os dois falam em “segurança jurídica”.

Há também convergência, por exemplo, no lobby para permitir o direito de porte de arma de fogo para colecionadores, caçadores e atiradores, tema em discussão no Congresso. Villas Boas e Bolsonaro tiveram relação estreita na Câmara dos Deputados entre 2001 e 2003, período em que o comandante do Exército respondia pela assessoria parlamentar da Força.

Elefante entre cristais

Uma das aproximações recentes do político foi com a comunidade judaica. No ano passado, enquanto o Senado dava os últimos passos para aprovar o impeachment de Dilma Rousseff, Bolsonaro estava em Jerusalém para ser batizado no rio Jordão. A cerimônia foi comandada pelo Pastor Everaldo, presidente do PSC. Desde então, sua relação com os judeus se estreitou ainda mais – o que acabou levando a um racha na comunidade do Rio de Janeiro, onde ele tem alguns apoiadores.

Tudo começou com a indicação de seu nome – feito por um associado da Hebraica de São Paulo, entidade que não tem nenhuma ligação com a do Rio – para uma palestra na capital paulista. A reação contra, por causa do discurso de extrema direita e às vezes xenófobo do deputado, levou ao cancelamento da palestra. Em resposta, seus apoiadores marcaram o evento para a Hebraica do Rio.

Realizada em abril, a palestra foi precedida por uma manifestação que juntou os descontentes na comunidade judaica e integrantes de movimentos sociais – na apresentação, disponível na internet, Bolsonaro promete acabar com as terras indígenas e quilombolas caso seja eleito e afirmou que o Brasil não pode abrir as portas para todo mundo, referindo-se aos imigrantes.

“Ele faz acenos à extrema direita judaica para simular apreciação a Israel, mas seu interesse parece ser a indústria bélica israelense, que é forte e tem grana”, afirma Sérgio Storch, fundador da rede Judeus Brasileiros Progressistas (Juprog) e um dos críticos da palestra de Bolsonaro na Hebraica.

Uma dessas empresas é a Elbit, sediada em Haifa, que está presente no Brasil por meio de uma subsidiária, a AEL Sistemas, que é a principal fornecedora de equipamentos eletrônicos avançados embarcados de praticamente todos os programas militares em curso no Brasil.

José Roitberg, jornalista e pesquisador que fez parte da direção da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (Fierj), é um dos apoiadores de Bolsonaro na comunidade judaica do Rio. Ele atribui a “gritaria mal educada” contra o deputado aos judeus “socialistas e comunistas”.

“Existe, sim, apoio às ideias políticas de Jair Bolsonaro dentro da comunidade judaica do Rio. Podemos afirmar que aquela taxa de 20% da população brasileira apoiando a esquerda se reflete igualmente na comunidade judaica brasileira. Assim, restam uns 80% da comunidade com boas chances de apoiar Bolsonaro”, afirmou.

Na viagem a Israel, Bolsonaro foi acompanhado do filho, o também deputado federal Eduardo Bolsonaro, que na volta fez questão de colocar a bandeira do país no gabinete – vizinho ao do pai e repleto de adesivos e fotos de campanhas pró-armamento.

Jair Bolsonaro garante ter voltado com a promessa de apoio do governo israelense caso seja eleito presidente no ano que vem: “Sempre admirei o povo judeu, o país é uma ilha de democracia no meio da tanta ditadura. E é um povo que quer se aproximar de nós”, disse.

“Ambicioso, indisciplinado e desleal”

Deputado federal há mais 25 anos, Bolsonaro é dono de uma das carreiras mais apagadas do Congresso – “como a maioria aqui”, responde. Em 2014, ao ser reeleito pela sexta vez, foi o deputado mais votado do Estado do Rio de Janeiro com uma campanha barata para os padrões nacionais, de acordo com o declarado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – pouco mais de R$ 400 mil. Em todo esse período no Congresso, ele aprovou apenas um projeto de lei de sua autoria, o que ele atribui à perseguição dos “esquerdopatas”, em especial PT, PSOL e PCdoB, seus alvos preferidos.

(O PT considera Bolsonaro o adversário ideal em 2018: “É o melhor nome para a gente bater com o Lula”, disse o deputado federal José Guimarães; Bolsonaro, por sua vez, atribui seu sucesso nacional à derrocada do partido e à onda antipetista que se disseminou pelo país.)

Sua carreira militar também não tem nada de glorioso: envolvido em atos de indisciplina e planos de ataques com bombas em unidades militares, foi colocado sob suspeição e respondeu a investigações internas, indo para a reserva prematuramente como capitão em 1988, mesmo ano que entrou para a política ao se eleger vereador no Rio de Janeiro.

Nascido em Campinas (SP) em 1955, quase foi batizado como Messias, que se tornaria seu segundo nome – era uma exigência da mãe, católica, mas prevaleceu na decisão a paixão do pai pelo Palmeiras, time que herdou. Acabou recebendo o nome de Jair em homenagem a Jair Rosa Pinto (1921-2005), meia que vestiu a camisa do Palestra paulista entre 1949 e 1955. Dos sete filhos, apenas ele e outro irmão seguiram a carreira militar.

O ingresso no Exército ocorreu em 1973, aos 18 anos. Em 1977, formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, curso preparatório para os futuros oficiais. Afirma ter sido o 18º numa turma de 69 alunos.

Na década seguinte, começaram os problemas no Exército que resultaram em prisões administrativas e sanções disciplinares. Os autos do processo que enfrentou no Superior Tribunal Militar (STM) dão alguns exemplos. Em 1983, quando era tenente, envolveu-se com garimpo de ouro: segundo documento do Exército, deu demonstrações de “imaturidade” e de “excessiva ambição em realizar-se financeira e economicamente”. Alguns anos depois, foi acusado de “indisciplina” e “deslealdade” por ter escrito na revista Veja um artigo sem autorização superior com um pedido de aumento salarial e por planejar com outro oficial um plano para explodir bombas em unidades militares do Rio.

Alvo de investigação em 1987, o Exército até colocou seu serviço de inteligência (o extinto CIE) para levantar a vida do militar e até mesmo seus hábitos com a primeira mulher, Rogéria, com quem teve seus três primeiros filhos – Zero Um, Zero Dois e Zero Três, como os chama; aos 62 anos, Bolsonaro está no terceiro casamento e tem cinco filhos.

A violência verbal é uma de suas marcas e um modo de cativar sua audiência (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O processo contra Bolsonaro foi arquivado sem nenhuma punição a ele, mas em 1988 a Força o excluiu do serviço ativo do Exército, “passando a integrar a reserva remunerada”.

Sobre a “excessiva ambição em realizar-se financeira e economicamente”, citada por seus superiores do Exército no processo que respondeu, ela veio a se concretizar anos mais tarde, na política. Na declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral, em 2014, ele declarou um patrimônio de R$ 2.074.692,43, o que inclui um apartamento em Brasília, três imóveis no Rio de Janeiro (duas casas na Barra da Tijuca e uma outra em Bento Ribeiro), aplicações financeiras, carros, um barco (ele já pediu ao Ministério Público para pescar em área proibida) e uma casa em Mambucaba, distrito de Angra dos Reis, no litoral do Rio, com praia de águas cristalinas.  

“Há algum crime em ser ambicioso? Meu pai garimpou por muito tempo, é uma coisa que você começa e não larga mais. É como você ver um rio bonito e querer pescar, é a mesma coisa com garimpo. Eu tenho bateia no meu carro. Se vou a algum lugar com rio, já vou logo perguntando se posso dar uma faiscada. Eu tenho sim ambição”, disse.

Ele já deu diferentes mostras dessa ambição. Em 1996, elegeu sua primeira mulher vereadora no Rio de Janeiro. O casal, contudo, iria se separar logo em seguida – o que gerou ruído e muitos comentários maldosos por causa da reação de Bolsonaro. Em 2000, ele escalou seu filho mais velho (Carlos, o Zero Um) para disputar e bater na urna a própria mãe, Rogéria, que, sem o apoio do ex-marido, nunca mais seria eleita para nada.

Depois de Zero Um (vereador no Rio desde então e que deve disputar o Senado no ano que vem), o ex-militar elegeu também Zero Dois (Flávio, deputado estadual no Rio) e Zero Três (Eduardo), que vão tentar se reeleger para os respectivos cargos na próxima eleição. Os filhos – que reproduzem os trejeitos e (pre)conceitos do pai – também vão se filiar ao PEN/Patriotas; os Bolsonaros esperam apenas o prazo eleitoral para trocar de legenda, em março, ou então uma reforma eleitoral que libere a mudança ainda neste ano. Estão preocupados com eventuais acusações de infidelidade partidária.

Com o objetivo de “endireitar” o país, o maior desafio do ex-militar será manter o patamar de intenção de votos até o ano que vem – o Brasil já viu inúmeros pré-candidatos aparecerem bem posicionados um ano antes do pleito e depois desfazerem-se como pó no início oficial da disputa.

Sua conturbada relação com o PSC (ligado à Assembleia de Deus, maior igreja evangélica do país) e críticas recentes do pastor Silas Malafaia (que declarou apoio a João Doria e criticou a máquina de fake news que embala o projeto de Bolsonaro) mostram que seu caminho não será tão fácil como sugerem as pesquisas. Sem falar no tempo de TV, que ainda pode ser decisivo nas eleições presidenciais: o nanico PEN, caso tenha candidato, terá alguns poucos segundos.

Ele promete continuar o mesmo outsider radical de sempre, fantasia que ajuda a manter o perfil antissistema valorizado por um eleitorado desiludido com o sistema político.

“Estou sozinho contra tudo e contra todos que estão aí”, afirma. “E todos estão se borrando de medo de mim.”

Tags: , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Rob Udyat

    A cadela do Fascismo pariu Jair Bolsonaro

    • Hugo Desmascarador

      Fascistas são os que geralmente acusam uns de fascistas por ai.

    • Renne Bueno

      Fascista é um comunista nacionalista. Nazista é um comunista racista. Qual a mágica?

  • nampula

    Segundo o instituto sua base está nos eleitores mais escolarizados, jovens e ricos – É das poucas situações em que é vantajoso que a maioria seja pouco escolarizada e pobre.

  • Matheus

    Parei de ler bosta no pré-candidato de extrema-direita

    • Marcello Faizartes

      Leia o resto!
      É divertido de ver a choradeira nas entrelinhas!!

  • Pedro Paulo

    “bolsonaro da extema direita”. ja sei, segundo a página PT x PSDB são partidos opostos, mais um meio da imprensa à serviço da estratégia das tesouras. distorceram tudo que bolsonaro diz. se quiser conhecer as propostas do bolsonaro siga-o em suas redes sociais, pois aqui percebe-se que é mais uma fake news.

  • Papo de Mito

    Materiazinha tendenciosa. Sempre tentando mostrar o Bolsonaro como um cara ruim, malvado e ganancioso. Vários erros e fatos sem inverídicos e sem nenhuma comprovação. Mas aquilo que eu sempre aguardo em uma matéria sobre o Bolsonaro, nunca acontece: CHAMAREM ELE DE CORRUPTO. Isso eu não vejo mídia nenhuma escrever. Pq não podem. Chorem, idiotas. Vão ter que engolir o capitão no ano que vem. É BOLSONARO 2018!

    • Marcello Faizartes

      Que naaada…
      Testelho cheio das tais “resignificações” linguísticas esquerdopatas.
      E por mais q se esforcem, ñ dá pra enrolar nem criança, com o q distocidamente escrevem.

    • Agatangelo Oliveira

      O Jairzinho não é macho nem pra levar um ovo na cara imagina presidente.

  • Anthonyo Lopes

    Lobo solitário? Vai pras ruas ou olha na internet se Bolsonaro realmente é um lobo solitário. Ele tem o apoio não só dos militares mas tb das pessoas de bem q querem ver o fim de toda essa farsa.

    • Gabbriela Soares

      VC entendeu que o lobo solitário brinca com o fato dele dizer ser diferente do restante né? Tipo isso se confirmas durante toda a matéria e ainda fecha com esse conceito….

      • Marcelus Magno

        Querida, não exija muito de interpretação de texto de um seguidor de Bolsobosta.

    • Maya A. B

      Esses são os apoiadores do bolsobosta, não sabem nem interpretar um texto! Vai lá…

      • George Leme

        BOLSONARO 2018 , agora engole o choro querida

        • Maya A. B

          Vamos ver, quirido

          • Don Julio El Porteño

            SIM VAMOS VER e vc vai ter DIARRÉIA NA POSSE DELE.

          • Maya A. B

            Kkkk e vc vai gastar caixas e caixas de lenço na derrota dele.

      • Rodrigo Vicente

        Falou o politicamente correto

        • Marcello Faizartes

          Kkkk boa!

      • Don Julio El Porteño

        e vc apóia quem, ridícula analfabeta política? Comunista? Esquerdinha GLBT? o que vc prefere? O CONDENADO…ah vai caçar piolho….

        • Maya A. B

          Aí que grosso, crédu! Típico dos seguidores do bolsobosta. Isso sim é que é ser alfabeto político…

      • Wild Country

        Nossa, vejam isto, olha quanto amor no coração essa pessoa. Em vez de chamar a pessoa pelo nome fala Bolsobosta, é esse amor que tanto pregam? Esse é seu discurso pluralista. É assim que espera ser respeitada em um debate?? Se esconda embaixo do tapete…

        • Maya A. B

          Respeito para com quem não tem respeito, que planeta o senhor vive!? Bem vindo ao mundo real Alice.

          • Wild Country

            Se não sabe pessoinha que prega a paz e o amor, então aprenda: mesmo que lhe falte o respeito, retribua com o respeito, para ser exemplo de amor e paz, e não toda essa raívosidade que tens mostrado…. suas teses vão por água abaixo…

      • Alexandre Figueira Sanches

        Essa jornaleca deve ser esquerdinha, ou está ganhando pra isso. Fazer (mais) uma reportagem denegrindo o Bolsonaro só mostra o quanto estão se borrando de medo.
        Comparam Bolsonaro a Trump e dizem que têm os mesmos defeitos… Trump ganhou pra presidente!
        Distorcem suas declarações e suas citações para tentar ridicularizá-lo. A “grande mídia” não está mais com essa bola toda. Prova: Trump foi eleito depois de toda a guerra feita contra ele. O povo está acordando. Por isso José Guimarães (o mesmo citado nessa reportagem tendenciosa) declarou (antes do impeachment da Dilma) que iriam regular a Internet na marra.
        CHORA ESQUEÇAMOS!

  • Leandro Fonseca

    Chega de políticos ladrões comandando o país não intendo o povo brasileiro
    Elegeu novamente o collor
    E esta querendo novamente colocar o lula envolvido em vários atos de corrupção colocou a Dilma que acabou de afundar o país em contas
    E de se intender toda essa ignorância pouco a grande maioria do povo tem pouco estudo e vejo isto onde vou quando passa um jornal ninguém da atenção na pra da novela um silêncio e assim que agrande maioria dos brasileiros age tá difícil ver algo melhorar por aqui

  • Hugo Desmascarador

    Bolsonaro vamos para a direita econômica !!!!

  • seekay_

    Bolsonaro nunca falou aquilo sobre enfiar dedo no rabo do Doria.

    “YOU ARE FAKE NEWS”

    • Pedro Paulo

      como que tu garante?

      • Marcello Faizartes

        Se uma coisa assim fosse verdade, em menos de 1h, estava nos tele-jornais e redes sociais na internet.
        Meio neurônio já basta…

        • E Dória já o teria processado.

        • Pedro Paulo

          pois é, estou aguardando divulgação de áudio ou video mas até agora nada.

      • seekay_

        Por que o mesmo já desmentiu.

  • Santos BvB ;)

    Me chama de corrupto porraaa!!!!

  • Joseluis Schneider

    Bolsonaro campeão de votos na internet, por tanto é melhor candidato para comandar a nação brasileira.
    Eu Voto em Jair Bolsonaro para Presidente do Brasil, o resto é piada.

    • Pedro Paulo

      pesquisa pela internet vale muito mais do que esses institutos de pesquisas… datafolha e ibope colocam lula em primeiro lugar com 30%, aí o cara não pode nem sair nas ruas que é xingado de ladrão. ta na cara que são falsas pesquisas.

  • Sanbdesaa@gmail.com Batista De

    Mito

  • Mateus 3:9 ! Se Bolsonaro fosse apagado, ou radical ou outsider como Deputado não estaria hoje com 25% das intenções de voto. Sabe porque comuna?? Porque diz e é aquilo exatamente que o Povo Brasileiro pensa. Não é uma mentira como lula, dilma ou Dória. Acusado de radical porque não se deixa conduzir pelo “politicamente correto” dos vermelhos globalistas.
    VIVA BOLSONARO!!!

    • Rafael

      Mais um maluco olavete

      • joudemarcis odorio machado

        o seu caso ,mostra a eficiencia dos professores esquerdistas em doutrinaçao ideologica em sala de aula.

  • Alex Augusti Baptista Passos

    o lula,sempre usou o discurso do eles,contra nós,e apoia abertamente nicolas maduro,era amigo de kadaffi,de ahmadnejad,e adorador de fidel castro,e o preconceituoso,e autoritário,é bolsonaro?

    • Renne Bueno

      Exato! Quem foi que disse que vai controlar a imprensa no Brasil mesmo??

    • Rafael

      Lula abriu mercado nesses países.

  • Marcello Schimmit

    Bolsonaro presidente 2018

  • Cintia Guimaraes Santos

    O que eu percebi ?
    imprensa em massa contra Bolsonaro,mais uma vez tentando manipular sem saber da opinião da família brasileira .

  • jonathan galdino

    Noticia tendenciosa e imparcial, mais um lixo de site… Abertamente preconceituoso são vocês.

  • junior

    É BOLSONARO PRESIDENTE EM 2018!!!!!!

  • Rodrigo Silva

    Quem escreveu isso ae foi parente do lula

  • Ana Perez

    Tristeza ver tanta gente supostamente educada acreditando que uma figura, com uma carreira militar e política tão medíocre, possa ocupar uma função tão complexa como a presidência da República.

    • Júnior Lemos Sousa

      ata, o certo é acreditar no Lula né?
      saiba que os dois vão para o segundo turno e vc vai escolher quem?

      • Ana Perez

        Jovens como você estão mais sujeitos a fazer escolhas equivocadas. Sugiro que procure se informar, estudar, para que possa realmente formar a sua opinião baseada em História, Filosofia, Ciencias Politicas que, concretamente sustentam um cidadão de fato.
        Em tempo, não fiz menção a candidatos de minha preferência.

        • Diga em quem pretende votar. Nós “ilumine”.

          • Insomnia333

            Você só escolhe em quem votar depois de ver o projeto político (documentado em plano de governo)…e a publicação de tais docs só virão ano que vem.

        • Wild Country

          Sugiro você, que ao SEU PARECER esta toda estuda e informada, que oriente então esse jovens a quem votar e não fique aí fazendo mimimi por entre linhas, gastando teclando sem dizer nada, mostre na prática o quanto você estudou para podermos ver se realmente o que vc fala condiz, em tempo, mostre a todos qual o seu candidato, para depois ficar acusando os outros de não estudar….Outra coisa: Não quer dizer que a pessoa ter uma opinião contrária à sua não estudou… Parece que aqui quem precisa estudar é você para poder compreender que num estado democrático de direito, num debate de pluralidade de idéias deve-se levar em conta os argumentos contrários para que os “sem posição” possam refletir por ambos lados

    • Renne Bueno

      Ele não irá saudar a mandioca e tentar estocar vento.

    • Alan Mazzolari

      TU DEVE TER VOTADO NUM ANALFABETO CHEFE DE QUADRILHA E VEM BABAR ESSA MERDA AQUI??? COITADA… SÓ RINDO… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Rafael

      Concordo, esse país ama mediocres

    • Pedro Paulo

      quem pode ocupar é o temer né? advogado, constituinte, presidente da câmara, português e retórica impecável, articulador, moderado e corrupto.

    • joudemarcis odorio machado

      vale qualquer coisa desde que nao seja esquerda no poder,13 anos no poder esta mais do que claro que nao da certo.

  • bernardo

    M-I-T-O

  • Lucas Caetano

    O desespero da galera de esquerda com o crescimento do Bolsonaro é engraçado demais.

  • Marcello Faizartes

    Prefiro mil vezes um discurso “popularesco”, q o já batido discurso POPULAXO do tipo “goró” das “ditas esquerdas”!

  • Eduardo Nogueira

    Quanta besteira e informações inverídicas. É o desespero de saber que o homem tá crescendo nas pesquisas.

  • leandro jesus

    Com certeza deve ter pago pra falar isso dele , a mim ele não mim convence..isso é pra o povo achar que ele é bomzinco e lobo com pele de cordeiro.

  • Yondu

    Se a imprensa é contra bolsonaro significa que ele é o melhor candidato para o brasil.
    Só troxa que hoje em dia dá conversa para essa imprensa tendenciosa.

  • Renne Bueno

    Com uma notícia dessa por dia, Bolsonaro se elege no primeiro turno. Está clara a diferença do seu caráter e das suas ideias que são mostradas nas suas redes sociais, com relação a essas pintadas pelos seus opositores. Esta perseguição escancarada apenas o fortalece. Somos gratos. É hora de endireitar o Brasil.

  • RAFAEL SOUZA

    Pra quem tem 22% nas pesquisas antes mesmo de começar a corrida presidencial não parece ser um lobo solitário, e olha que de 2 anos pra cá quase ninguém no Brasil conhecia ele, a não ser no rio de Janeiro que elegeu ele com o Deputado com maior número de votos, então pare com essas narrativas distorcidas sobre ele, pq vcs editores não ponha os vídeos dele falando sobre o que vcs o acusam, ponhe os vídeos completos para os leitores desse blog saber a verdade ou vcs estão com medo? Vcs são uma vergonha.

    • Rafael

      Aprende a interpretar texto Bolsominion

      • RAFAEL SOUZA

        E vc quem é? Professor de gramática e português?
        Me manda os links do Bolsonaro falando as merdas que a matéria indus o leitor a pensar.

        • Rafael

          Lobo solitário no sentido que é um outsider. Agora a matéria expos muito bem os pontos fracos dele, ou vai me dizer que o Bolsonaro é um parlamentar de destaque, brilhante? Tu sabe que não é.

          • RAFAEL SOUZA

            BOLSONARO não é perfeito, ele é um ser humano, mas a matéria disse que ele tem um discurso “autoritário”, “preconceituoso”
            E que os ricos e jovens são o seu eleitorado, então significa que pobres, analfabetos e velhos não fazem parte do seu eleitorado? A matéria não diz que é o eleitorado predominante mas que ele só cresce entre esses. Eu acho que matéria como essa não pode ser tendenciosa como ela é, pois se for, estará mentindo sobre ele, afinal de contas ele tem gays, homem, mulher, jovens, velhos.

        • RAFAEL SOUZA

          Desqualificar alguém é uma estratégia para quem não tem argumentos

  • Don Julio El Porteño

    Como podem escrever TANTA IDIOTICE sobre o PRESIDENTE???? EXTREMA-DIREITA, cara??? VAI ESTUDAR antes nem sabe o que é isso, seu ignorante….

  • Pedro

    A viabilidade de Bolsonaro se dá em razão do descrédito da classe política em geral e da ignorância política de boa parte da classe media do Sul e do Sudeste (demonstrada nos comentários abaixo). No atual cenário, com a conformação de forças que se desenha e a tendência de termos mais do mesmo, Bolsonaro é um candidato viável e pode surpreender os desavisados.

    • Ignorância política tem é a turma que vive aplaudindo o Lula, colecionador de processos por corrupção.

  • Wild Country

    Redator, pode chorar mais, que é Bolsonaro 2018!!
    E menos ódio nesse coração, que xingar não vai adiantar….

  • Wild Country

    FAKE NEWS FAKE NEWS FAKE NEWS

  • Fausto Faria

    Parei no discurso autoritário e preconceituoso…

    Não acho que ele seja a solução, mas se for ele ou o Lula/Alckmin e os demais, voto nele batendo continência.

    País zoneado, tudo pode, menos falar o que machuca a esquerda. Não é à toa que a Globo começou desde cedo a falar dos tempos em que os militares estavam gerenciando o barraco e deixando Pedro Bial e Fátima Bernardes soltos, falantes e justiceiros do politicamente correto.

  • Fernandes

    Essa é a maior fake news que eu já li na vida, cria vergonha na cara seu vagabundo. ou tu é vendido ou é muito retardado. Um tremendo retrocesso intelectual.

  • João Maia

    Recado ao Lucas Ferraz, autor tendencioso : é melhor JAIR se acostumando BOLSONARO Presidente 2018

  • Alan Mazzolari

    SÓ RINDO, VOCÊS SÃO UMAS COMÉDIAS!!!! LOBO SOLITÁRIO… KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    NOS MOSTRE UM POLÍTICO, HOJE, QUE É OVACIONADO EM TODOS OS LUGARES QUE ELE VAI, QUE É RECEPCIONADO COMO ELE NOS AEROPORTOS… CHOREM O QUANTO QUISEREM, MAS O BRASILEIRO DE BEM, HONESTO E TRABALHADOR JÁ SE CANSOU DE TANTO PUTARIA E CORRUPÇÃO COM NOSSO POVO, POR ISSO O BOLSONARO CRESCE A CADA DIA!!!
    #BOLSONARO2018

  • Geconias Braga

    Matéria tendenciosa, feita exclusivamente com o intuito de manipular a opinião popular sobre o Mito. Melhor mesmo é o PT e esses psicopatas que estão no poder! Somos escravos do sistema político, os brasileiros precisam tirar essa máscara que impede de ver o que está sendo feito com o povo travalhador. Para o Brasil só tem uma solução B-o-l-s-o-n-a-r-o 2018.

    • Rafael

      Deixa de ser burro, expor pontos fracos de um não quer dizer que apoiem outros.

  • Adri

    Vou votar no primeiro candidato que se comprometer, publicamente e expressamente, a revogar tudo que se fizer nesse desgoverno #ForaTemer, a venda do Pré-Sal, a reforma da previdência e a reforma trabalhista.

  • Rafael

    Lamentável que um quadrúpede desse lidere pesquisas, esse país ama gente mediócre.

  • Rafael

    O grande problema do Bolsonaro é o apoio de uma direita que se sustenta em uma alucinação: O dominio da esquerda!

  • giovanni dias

    Lobo solitário em meio a outros milhares da nação brasileira que espera nele a libertação de tudo e todos que aí estão e até hoje não fizeram absolutamente nada para ajudar o Brasil a sair da lama… Muito pelo contrário, ajudaram a afundar cada vez mais… Com certeza ele será nosso PRESIDENTE em 2018!

  • VINGADOR DE DIREITA

    BOLSONARO 2018 ! Pela pena de morte, pelo menor cumprindo como adulto, pelos autos de resistencia !

  • Roosevelt Batista

    Bolsonaro 2018!

  • Leo O

    Bolsonaro viceja porque a classe média está cada vez mais burra e embrutecida, não que o Bolsonaro seja burro, é apenas mais um malandro, que encontrou num discurso simplista uma forma de levar vantagem, fez disso um grande negócio, e ainda levou consigo três filhos, todo mundo ganhando uma grana gorda para vomitar frases de efeito, como se gritar resolvesse os sérios problemas de um país como o nosso.

  • Leo O

    Basicamente, os eleitores do Bolsonaro repetem clichês, palavras de ordem, mas não tem quase nenhuma capacidade de argumentação – e quase nenhuma é uma maneira honesta de dizer, pois não ter nenhuma significa ter grau máximo de retardo mental -, estão tomados por um desejo de poder, de destruir o inimigo, de impor a própria vontade pela força, ou seja, características fascistas.

    Hitler conseguiu que seu discurso fosse aceito em pessoas que estavam na mesma situação psicológica, não tinham mais a capacidade de discernimento, buscavam soluções rápidas, mesmo que para isso fosse feito o uso da violência, mesmo que para isso viesse a guerra, mesmo que significasse o massacre e o genocídio, mesmo que significasse o Holocausto.

    Um ser humano no seu juízo normal, automaticamente, por questões ética e morais, despreza o discurso radical do Bolsonaro, mas existe um clima de histeria depressiva que leva a comportamentos violentos motivados por frustrações e desejos de vingança.

    Primeiro identifica-se o inimigo, culpando-o pelas frustrações, depois é estigmatizá-lo ao máximo, alimentando o desejo de vingança, depois é só se vender como quem vai eliminar tal inimigo; qualquer semelhança com a perseguição contra os judeus na Alemanha nazista não é mera coincidência, pois a receita é a mesma.

    Num situação de normalidade, um indivíduo nunca vai sair por aí defendendo o extermínio de esquerdistas ou extermínio de qualquer outro grupo motivado por questões ideológicas, políticas, de raça, credo, etc, mas, quando alguém apresenta um determinado inimigo como o culpado por tudo, ganha adeptos, aproveitando-se de situações delicadas, principalmente econômicas, o indivíduo sente-se seguro para defender ideias racistas, preconceituosas, xenófobas, pois já não é apenas um, mas parte de um grupo, de quem vai ganhar “proteção”.

    Psicologicamente, agora como parte dum grupo, vai seguir todas as ideias do líder, pois mais estapafúrdias que sejam, e quanto mais estapafúrdias e cretinas, melhor, pois tudo que não pode existir entre o grupo e o líder é algum grau de racionalidade, do contrário, corre-se o sério risco do grupo perder adeptos.

    A grande questão é saber até que ponto o tipo de leviandade intelectual do Bolsonaro tem alcance; o mais provável é que seu discurso fique restrito a determinada classe média, hipocritamente moralista, pois, além de não responder efetivamente aos reais problemas do país, reflete uma agressividade vazia, antes de tudo cansativa para quem não se deixa levar pela histeria,

    Porém, apesar do Bolsonaro não ter quase nenhuma chance de ser presidente, é lamentável que pessoas, supostamente educadas, sejam tão primárias, e se deixem levar pelos sentimentos mais negativos e arrivistas na hora de escolher um candidato.

Supremas relações 4

| por | 18 de setembro de 2017

Processo trabalhista revela acesso à cúpula do Judiciário em troca de patrocínio de eventos de site jurídico. Gilmar Mendes tem conversa exposta em que trata sobre projetos de seu IDP

Destrinchando a maconha paraguaia 10

| por | 21 de agosto de 2017

Nosso repórter passou 15 dias em uma plantação ilegal de maconha no Paraguai; miséria e corrupção marcam o cotidiano de um “Estado paralelo”, longe das agências policiais e facções criminosas

Onde está o busto de Lamarca?

Onde está o busto de Lamarca? 15

| por | 4 de setembro de 2017

O ato final do ex-secretário de Meio Ambiente paulista foi sumir com uma estátua do guerrilheiro no Vale do Ribeira, esbravejando contra “herói ideológico”. Reavivou uma memória incômoda, que inclui bombardeios de napalm pela ditadura