Mais de 300 pessoas são assassinadas por ano no Brasil, vítimas da homofobia. O número chocante não inclui os feridos por agressões físicas e morais, tão frequentes como sabem os que enfrentam o preconceito cotidiano. Projetos como a “cura gay” também mostram que o Estado está longe de garantir os direitos constitucionais de todos os …

Mais de 300 pessoas são assassinadas por ano no Brasil, vítimas da homofobia. O número chocante não inclui os feridos por agressões físicas e morais, tão frequentes como sabem os que enfrentam o preconceito cotidiano. Projetos como a “cura gay” também mostram que o Estado está longe de garantir os direitos constitucionais de todos os …

11 de outubro de 2017
19:07
Este texto foi publicado há mais de 4 anos.

Mais de 300 pessoas são assassinadas por ano no Brasil, vítimas da homofobia. O número chocante não inclui os feridos por agressões físicas e morais, tão frequentes como sabem os que enfrentam o preconceito cotidiano. Projetos como a “cura gay” também mostram que o Estado está longe de garantir os direitos constitucionais de todos os brasileiros, baseados no princípio da igualdade entre os cidadãos.

Em um cenário em que o ódio e a intolerância desafiam as conquistas pelo direito à identidade de gênero e das liberdades individuais, publicamos aqui depoimentos gravados de homens e mulheres que lutam pela felicidade em um ambiente social adverso – e que funcionam ao mesmo tempo como denúncia e celebração do amor.

Convidamos todos para participar dessa série colaborativa publicando suas próprias histórias em seus murais de Facebook com a hashtag #amornostemposdoódio, sem esquecer de marcar a agência Pública. Pode ser em vídeo ou texto. A intenção é criar uma corrente de solidariedade e de afeto para se contrapor à maré de hostilidade que inunda o país.

Agradecemos a participação de todos!

Catharina Fischer

“Eu faço questão de ser o mais sapatão possível em todos os momentos”.

“Andar na rua chega a ser um ato político. E muitas vezes andar na rua me causou problemas”.

João Silvério Trevisan

“Eu sempre amei amar”.

“Eu tenho clara consciência de que eu lutei e vou continuar lutando pelo meu direito de amar”.

Veruscka Girio

“Se você fala que é hétero imaginam você lendo um livro. Se você fala que é gay imaginam você fazendo sexo. Ser gay é fazer sexo, não é? É chato”.

“Parece que tá estampado na sua cara a sua vida sexual e, por isso, alguém pode se meter nisso”.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Família sofre racismo e tentativa de golpe ao tentar repatriar imigrante morto no Brasil

20 de maio de 2022 | por

Sem apoio do governo brasileiro e da Guiné-Bissau, familiares de Milton Sanca fazem campanha online para arrecadar valor para traslado do corpo

Renato Freitas: um vereador entre o racismo e o fundamentalismo religioso

19 de maio de 2022 | por

Um dos poucos parlamentares negros da Câmara de Vereadores de Curitiba pode ter seu mandato cassado por participação em ato antirracista

Duas mãos descascam feijão em recipiente

Feijão contaminado: alimento tem agrotóxico proibido ou fora do limite em teste do governo

18 de maio de 2022 | por

Em 2019, 89% das amostras de feijão-de-corda e 32% do feijão comum não atendiam aos parâmetros, segundo pesquisa do Ministério da Agricultura