Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Áudios serão enviados por WhatsApp e distribuídos a mais de 300 rádios

11 de outubro de 2019
15:00

O Por Trás do alimento, parceria da Agência Pública com a Repórter Brasil para investigar o uso de agrotóxicos no país agora tem um boletim semanal em áudio sobre o tema. O boletim do Por trás do Alimento é distribuído para mais de 300 rádios pela Agência Radioweb, nossa parceira para divulgação, e também via WhatsApp.

Toda semana, será possível ouvir pelas parceiras da Radioweb e também pelos canais da Pública (veja a playlist abaixo) um resumo de uma das reportagens do especial Por Trás do Alimento, que desde o fim do ano passado tem revelado histórias importantes sobre o uso de agrotóxicos no Brasil.

Quer receber reportagens sobre os impactos dos agrotóxicos diretos no seu e-mail? Inscreva-se na nossa newsletter!

Na estreia do boletim, os jornalistas Lucas Weber, Clarissa Levy e Pedro Grigori contam que em três meses meio bilhão de abelhas morreram por conta do uso de agrotóxicos, informação revelada em reportagem publicada em março pelo Por trás do alimento.

Esta é uma forma que encontramos de fazer com que informações que afetam diretamente a saúde de todos cheguem a ainda mais pessoas. Acompanhe o boletim nos canais de distribuição da Pública (Spotify, Apple Podcast e Google Podcast) ou mande um oi para (11) 94551-6388 para receber pelo WhatsApp.

Paixão pelo jornalismo, urgência da colaboração e grito das favelas marcaram Festival 3i

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

O projeto Por Trás do Alimento é uma parceria da Agência Pública e Repórter Brasil para investigar o uso de Agrotóxicos no Brasil. A cobertura completa está no site do projeto.

Mais recentes

O Estado não existe na terra indígena mais letal para os guardiões da floresta

5 de dezembro de 2019 | por

Fomos até a Terra Indígena Arariboia no Maranhão, onde nasceram os Guardiões da Floresta, para investigar as mais de 20 mortes de indígenas que até hoje seguem impunes

Testemunhas oculares desmentem versão da polícia sobre mortes em Paraisópolis

4 de dezembro de 2019 | por

Nosso repórter conversou com pessoas que moram, trabalham ou estavam no baile que se transformou em massacre com a entrada da PM; nenhum deles confirma a versão da polícia

Dom Erwin: “Tirar as condições de vida de povos é matar, é contra o mandamento de Deus”

4 de dezembro de 2019 | por

Bispo emérito do Xingu, que atua há anos no Pará sob escolta devido a ameaças, falou à Pública sobre a onda de ataques à floresta sob o governo Bolsonaro