A Pública está com vagas abertas para repórter, produtor de podcasts e estágio nas áreas de reportagem, jornalismo de dados e design; as candidaturas devem ser feitas via formulário até o dia 26 de janeiro

A Pública está com vagas abertas para repórter, produtor de podcasts e estágio nas áreas de reportagem, jornalismo de dados e design; as candidaturas devem ser feitas via formulário até o dia 26 de janeiro

13 de janeiro de 2020
16:00

A Agência Pública começa 2020 em busca de novos profissionais e estagiários para fazer parte da equipe. São cinco vagas: para repórter, produtor de podcasts, estagiário de reportagem, estagiário de jornalismo de dados e estagiário de design e criação. Todas as vagas são para trabalhar presencialmente na redação da Agência Pública, em São Paulo.

As candidaturas devem ser feitas através dos formulários correspondentes a cada vaga (links abaixo) até o dia 26 de janeiro de 2020. A seleção será concluída após a realização de testes e entrevistas presenciais com os pré-selecionados. Todos os inscritos serão avisados se foram ou não pré-selecionados.  

A Agência Pública é uma organização sem fins lucrativos que valoriza a diversidade de raça, gênero, classe e região do Brasil. Esses critérios serão levados em consideração no processo seletivo. 

Para saber mais sobre cada uma das vagas e participar do processo seletivo, acesse os links abaixo:

– Vaga: Repórter

– Vaga: Produtor de Podcasts

– Vaga: Estagiário de Reportagem

– Vaga: Estagiário de Jornalismo de Dados

– Vaga: Estagiário de Design e Criação

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

Na ausência do Estado, ativistas informam a periferia sobre o coronavírus

1 de abril de 2020 | por

O que fazem os comunicadores populares na linha de frente de combate à pandemia em periferias e favelas de cinco capitais do país

Vítimas do coronavírus são alvos do ódio digital

1 de abril de 2020 | por e

Pessoas doentes ou com suspeita de infecção foram alvo de informações falsas, tiveram informações pessoais publicadas e foram até ameaçadas de morte

Amor e revolução

31 de março de 2020 | por

Aos 80 anos, Angela Mendes de Almeida conta sua busca pela verdade sobre a morte do companheiro assassinado aos 23 anos pela ditadura, o jornalista Luiz Eduardo Merlino