13ª edição das microbolsas convoca repórteres de todo o país a investigar as desigualdades no acesso à internet no Brasil; serão quatro bolsas de R$ 7 mil

13ª edição das microbolsas convoca repórteres de todo o país a investigar as desigualdades no acesso à internet no Brasil; serão quatro bolsas de R$ 7 mil

4 de janeiro de 2021
12:03

A internet está presente em 70% dos domicílios brasileiros, segundo a pesquisa TIC Domicílios 2019. Quando olhamos para os 30% sem acesso, percebemos uma profunda desigualdade: de 20 milhões de domicílios sem acesso à internet, 13 milhões estão na classe DE. A pesquisa aponta ainda que 59% dos domicílios sem acesso não estão conectados por conta do valor do serviço, considerado alto. Com a pandemia de Covid-19, passamos a utilizar ainda mais a internet para trabalhar, estudar, nos informar e nos comunicar, tornando ainda mais evidente a desigualdade no acesso.

É neste contexto que lançamos as Microbolsas Acesso à Internet, uma parceria da Agência Pública com o Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – organização sem fins lucrativos dedicada a defender a ética nas relações de consumo e direitos dos consumidores. 

Nesta 13ª edição das Microbolsas convocamos repórteres de todo o país a propor pautas investigativas sobre acesso à internet no Brasil e as diversas questões relacionadas ao tema, como falta de acesso a dispositivos, franquias de dados limitadas e bloqueio do acesso móvel, falta de infraestrutura e de políticas públicas de acesso à internet, práticas abusivas e pouco transparentes de empresas de telecomunicação, aumento da desinformação, entre outras.

Serão distribuídas quatro bolsas no valor de R$ 7 mil para os repórteres selecionados pela Agência Pública e pelo Idec. As inscrições vão até o dia 5 de fevereiro e devem ser feitas pelo formulário que pode ser encontrado neste link. Além da bolsa, os repórteres selecionados contarão com a mentoria da Agência Pública para produzir a reportagem proposta, que será publicada no site da agência e parceiros republicadores.

“Com a pandemia, a essencialidade do acesso à internet mostrou toda a sua força, mas o cenário de conectividade no Brasil ainda é marcado por profundas desigualdades, que vão muito além do mundo digital. Com a iniciativa de bolsas de reportagens, buscamos compreender de forma mais profunda os impactos da desigualdade e, especialmente, como o modelo de mercado que temos atualmente favorece e até aprofunda esse problema”, explica Diogo Moyses, coordenador da área de telecomunicações e direitos digitais do Idec.

Para se inscrever, é necessário enviar uma breve apresentação do repórter, referência profissional, resumo e descrição da pauta, plano de trabalho e plano de orçamento para a produção da reportagem. As propostas serão selecionadas pela direção da Agência Pública em parceria com o Idec, considerando a originalidade e relevância da pauta, consistência na pré-apuração, segurança e viabilidade da investigação e os recursos e métodos jornalísticos que serão utilizados. 

Os vencedores serão anunciados a partir do dia 18 de fevereiro no site da Agência Pública.

Leia o Regulamento.

Inscreva-se!

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Busto novo de Carlos Lamarca no Vale do Ribeira

“Carlos Lamarca é muito maior do que Bolsonaro”, diz Claudia, filha do guerrilheiro

17 de setembro de 2021 | por

Ato em memória dos 50 anos da morte de Lamarca hoje colocou um novo busto no lugar do arrancado em 2017 por Ricardo Salles

Agente do Prevfogo encara queimada em mata aberta. Ele usa vestimenta amarela com equipamento de proteção.

Conhecimento indígena inova estratégia de combate a incêndios

17 de setembro de 2021 | por e

Saberes ancestrais sobre o uso controlado do fogo para evitar queimadas, reconhecidos pela ciência, inspiram projeto de lei que institui nova política de combate a incêndios

Integrantes do MST protestam em frente ao edifício da Bayer contra as ações e produtos da empresa

Bayer aposta em “propaganda positiva” após processos por agrotóxicos e contraceptivos

16 de setembro de 2021 | por

Nas redes, empresa fala em cuidado com meio ambiente e direitos da mulher; atrás das telas paga bilhões em acordos judiciais e enfrenta acusações de doenças causadas por pesticidas