Visto como sucessor do pai, Eduardo Bolsonaro não poupou esforços para crescer entre o círculo de apoiadores de Trump

Visto como sucessor do pai, Eduardo Bolsonaro não poupou esforços para crescer entre o círculo de apoiadores de Trump

29 de setembro de 2022
13:55

Na tarde de quarta-feira, 28 de setembro, o senador democrata Bernie Sanders foi à tribuna do Congresso americano para denunciar as ameaças contra o sistema eleitoral feitas por Jair Bolsonaro. “É importante que o povo do Brasil saiba que estamos do seu lado”, disse. Por sua iniciativa, o Senado aprovou por unanimidade uma resolução pedindo que os Estados Unidos “continue a se manifestar contra os esforços para incitar a violência política e minar o processo eleitoral no Brasil”. 

Porém, mesmo se o atual presidente Jair Bolsonaro for derrotado nas urnas, como parecem apontar as pesquisas, o futuro do clã terá a ver com a teia de relações internacionais construídas por Eduardo Bolsonaro nos últimos anos – em especial com proeminentes aliados de Donald Trump nos Estados Unidos. 

“O que eu tento fazer, especialmente com Eduardo, é falar sobre como [desenvolver] um movimento nacionalista populista na América Latina, em como conectá-lo, fazer com que as pessoas de cada país se comuniquem, compartilhem ideias, digam o que está dando certo ou não. Sempre tentei ser uma espécie de posto de intercâmbio, para garantir que possamos fazer conexões e interconectar pessoas”, explicou o estrategista Steven Bannon à BBC. 

Nos últimos cinco anos, Eduardo Bolsonaro participou de ao menos 77 encontros e eventos com representantes e lideranças da ala política conservadora dos EUA, incluindo Donald Trump e sua família. É o que mostra o levantamento realizado pela Agência Pública nas redes sociais do parlamentar. 

Mark Ivanyo, que é diretor executivo do think tank Republicans for National Renewal, cujo objetivo é construir pontes entre os EUA e a direita global, apontou Eduardo Bolsonaro como uma figura-chave nesse xadrez, com quem já esteve cerca de cinco vezes. “Eduardo Bolsonaro é o nosso principal parceiro [no Brasil]”, disse ele em entrevista à Pública. Em 2020, o deputado federal foi orador do evento de inauguração do think tank.

“Eduardo tem um futuro político brilhante, é o melhor e a única pessoa que pode suceder o seu pai quando chegar a essa altura”, destacou. 

Além de identificar uma viagem de apoiadores de Trump às vésperas de 7 de setembro de 2021, a Pública mapeou as reuniões de Eduardo Bolsonaro com expoentes da direita dos EUA nos últimos cinco anos e alguns aliados relevantes. A lista abaixo está em ordem alfabética:

Carol Adams, doadora do Partido Republicano próxima de Donald Trump. Esteve no jantar no Copacabana Palace e ficou bem impressionada com Jair e Eduardo Bolsonaro, conforme nos relataram fontes presentes.  

Charlie Gerow, estrategista do Partido Republicano e presidente da União Conservadora Americana (ACU), think tank conservador que está no centro da aliança entre aliados de Trump e de Bolsonaro e organiza os CPACs. Gerow é tão próximo ao clã Bolsonaro que participou de um evento da família de Eduardo. Também esteve no Palácio do Planalto em 7 de setembro de 2021 ao lado de Jair, Eduardo e Sérgio Sant’Ana. 

Charlie Kirk, ativista conservador que é CEO do grupo Students for Trump e do grupo de direita Turning Point USA. Eduardo falou no Turning Point este ano e agradeceu a Charlie por convidá-lo. Ele celebrou o fato de que seu pai triplicou o número de armas no Brasil e que existem hoje mais armas nas mãos de civis do que de militares.

Connor Hickey, que também foi identificado na lista de convidados do jantar no Copacabana Palace como afiliado à empresa Winning Team. Ex-funcionário da Rand Paul, seu LinkedIn diz que é correspondente legislativo do Senado dos EUA.

Dan Schneider, ex diretor executivo da ACU e hoje vice-presidente de pesquisa de mídia do Free Soeech America, organiação conservadora que advoga pela “liberdade de expressão”. Reuniu-se com Eduardo em março de 2019, em encontro registrado no Twitter do deputado. No se Twitter mantem uma foto com Eduardo como destacada. 

Darren Beattie, ex-redator de discursos na Casa Branca de Trump. Foi demitido em 2018 por participar de uma conferência que contou com a presença de nacionalistas brancos proeminentes. Beattie estava num jantar organizado por Bannon no Trump Hotel, onde foi exibido o filme Jardim das aflições, sobre Olavo de Carvalho, no qual Eduardo discursou. Beattie tirou uma foto com o Eduardo Bolsonaro e postou no seu Instagram.

Don Huffines, ex-senador, um empresário de direita do Texas e doador político republicano que viajou ao Brasil para o jantar no Copacabana Palace em 8 de setembro de 2021.

Donald Trump Jr, filho de Donald Trump, viria a Brasília no CPAC em setembro de 2021, mas cancelou sua vinda por causa do mau tempo. Diz que Eduardo Bolsonaro é seu amigo. Os dois se conheceram em janeiro de 2018 na feira de armas Shot Show.

Doug Stafford, consultor político e estrategista-chefe e arrecadador de fundos para o senador republicano Rand Paul. 

Gerald Brant, executivo financeiro brasileiro radicado em Nova York. É o principal intermediário entre a direita norte-americana e a brasileira, disseram várias fontes. Brant negociou apresentações com líderes empresariais dos EUA, think tanks como o Council on Foreign Relations e figuras políticas conservadoras, incluindo Bannon, ainda antes da eleição de Bolsonaro, em 2017. Brant também foi interrogado pela PF no aeroporto de Brasília em 7 de setembro de 2021.

Heritage Foundation, um dos maiores think tanks conservadores americanos, que, sediado em Washington DC, foi inspiração para a criação do Instituto Conservador Liberal (ICL), por Eduardo. Em fevereiro de 2020, Eduardo visitou a sede da instituição, que recebeu também os ex-ministros de Bolsonaro Damares Alves e Ernesto Araújo. Eduardo foi recebido pelo pesquisador-visitante James R. Otterson. 

Jared Kushner e Ivanka Trump, genro e filha de Donald Trump, são próximos de Eduardo Bolsonaro. Foi a convite de Ivanka que Eduardo viajou para uma visita não anunciada aos EUA às vésperas da invasão do Capitólio e foi recebido na Casa Branca, ao lado do embaixador Nestor Forster. 

Jason Miller, um estrategista de comunicação que foi conselheiro sênior da campanha de Trump em 2020. Jason é fundador da Gettr, plataforma social de tendência conservadora que patrocinou eventos que fizeram pré-campanha para Jair Bolsonaro. Miller esteve no Brasil duas vezes apenas em 2022, uma delas no comício de Bolsonaro em Copacabana em 7 de setembro. 

Jonathan Hall, pastor evangélico que se reuniu com Eduardo Bolsonaro e seu sócio Sérgio Sant’Ana “para falar de CPAC, think tanks e outros planos para fortalecer o movimento conservador no Brasil”, segundo escreveu Eduardo Bolsonaro no Instagram. “A conexão Brasil-EUA segue a todo vapor!” 

Mario Balaban, brasileiro que hoje é porta-voz do Projeto Veritas. Balaban já foi anteriormente um “correspondente internacional para o Terça Livre”.

Mark Green, deputado republicano pelo Tennessee que votou contra a certificação da eleição de Biden pelo Congresso americano. Esteve no Brasil para o CPAC e reuniu-se com Bolsonaro e seus ministros, além de ter participado de almoço com os deputados bolsonaristas Bia Kicis (PL-DF) e Filipe Barros (PL-PR) para discutir “integridade eleitoral”.

Mark Ivanyo, diretor influente da think tank de extrema direita Republicans for National Renewal, que é “dedicado a promover o populismo conservador dentro do Partido Republicano” e tem laços estreitos com Viktor Orban, presidente da Hungria. Ivanyo também é amigo de Eduardo Bolsonaro, que encabeçou o evento inaugural de seu grupo em 2020, realizado durante um CPAC (Conservative Political Action Conference) nos EUA. 

Matt e Mercedes Schlapp, um casal conservador muito influente na American Conservative Union (ACU) que organiza os CPACs. Matt é o presidente da organização. Mercedes é membro sênior da CPAC Foundation e foi consultora sênior de comunicações estratégicas para a campanha de Trump em 2020.

Matthew Tyrmand é membro do conselho do Projeto Veritas, uma organização conservadora que usa câmera escondida para “expor” jornalistas. Ele esteve no Brasil para o CPAC de 2021 e estava no aeroporto de Brasília quando Jason Miller foi interrogado pela Polícia Federal (PF).    

Mike Lee, senador republicano que participou do jantar no Copacabana Palace em 8 de setembro de 2021. Foi um dos que falaram no evento, e vários dos presentes eram financiadores de sua campanha. 

Mike Lindell, CEO da empresa My Pillow e apoiador ardente de Donald Trump, em especial da campanha “Stop The Steal”, que propagou mentiras sobre fraudes nas urnas. Lindell encontrou Eduardo Bolsonaro no dia 5 de janeiro em Washington DC e o levou para uma conferência em agosto de 2021 em que Eduardo disse que as eleições deste ano no Brasil podem ser fraudadas.  

Nick Luna, ex-assistente pessoal e guarda-costas do ex-presidente Donald Trump. Ele estaria no Salão Oval em 6 de janeiro de 2021, quando Trump ligou para o vice-presidente Mike Pence para pressioná-lo a não certificar os resultados das eleições.

Sergio Gor é conselheiro sênior do senador republicano Rand Paul. Em 2020 comandou o gabinete do Trump Victory Finance Committee, comitê que arrecadou dinheiro para a campanha de reeleição. É sócio de Donald Trump Jr. na editora Winning Team Publishing. Gor ajudou Sérgio Sant’Ana a organizar o jantar no Copacabana Palace e recebeu agradecimento de Eduardo Bolsonaro.

Steve Bannon é um ideólogo e agitador da ultradireita americana, que chegou a ser estrategista da Casa Branca durante o governo de Trump. Ele nomeou Eduardo Bolsonaro como representante do seu The Movement, um movimento populista global, e afirma estar constantemente em contato com Eduardo. Desde 2019, tem o podcast War Room, que tratou várias vezes das eleições no Brasil.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Saiba quem é e o que disse o policial legislativo do Senado investigado por atos golpistas

3 de fevereiro de 2023 | por

Alexandre Hilgenberg é servidor desde 1996; no dia 8 de janeiro ele pediu apoio a invasão do Congresso em suas redes

Parlamentares participam de sessão na Câmara dos Deputados

As igrejas que dominam a nova ala evangélica na Câmara

2 de fevereiro de 2023 | por

Assembleia de Deus, Batista e IURD reúnem 58% dos 93 parlamentares evangélicos empossados na atual Legislatura

Agricultor Neri Gomes de Souza mostra sua plantação no assentamento Roseli Nunes

Agrotóxicos colocam em risco produção agrofamiliar em assentamento no Mato Grosso

2 de fevereiro de 2023 | por e

Relatório aponta contaminação da água de rios, poços, chuva e até caixa d'água da escola por 10 tipos de agrotóxicos