Buscar

Serão distribuídas 4 bolsas de R$ 8 mil para repórteres interessados em investigar os efeitos da produção de energia

Da Redação
13 de fevereiro de 2023
12:00
Este artigo tem mais de 1 ano

A queima de combustíveis fósseis para produção de energia é uma das maiores responsáveis pela emissão de gases do efeito estufa no mundo. Passar para um modelo energético baseado em energias renováveis é fundamental para reduzir as emissões de gases do efeito estufa e frear o aquecimento do planeta. No entanto, é necessário que essa transição leve também em conta os impactos socioambientais causados pela construção de hidrelétricas, parques eólicos e outros. 

No Brasil, não faltam exemplos de projetos de infraestrutura para geração de energia renovável, mas levando a impactos socioambientais negativos, como a usina hidrelétrica de Belo Monte. A Agência Pública e a Conectas Direitos Humanos querem contar histórias que mostrem os impactos sobre os direitos humanos de trabalhadores e trabalhadoras, bem como das comunidades afetadas pela produção de energia de origem fóssil e também pelo processo de substituição dessa matriz por fontes renováveis.

Nesta 17ª edição do tradicional programa de microbolsas da Agência Pública, serão distribuídas 4 bolsas de R$ 8 mil, além de mentoria para a produção da reportagem. As inscrições vão até dia 15 de março e devem ser feitas por este formulário. Podem se inscrever repórteres de todo o país, interessados em produzir reportagens investigativas sobre esse tema. O edital busca principalmente pautas que joguem luz à necessidade de fazer uma transição energética justa e comprometida com o enfrentamento do racismo ambiental. Se, no Brasil, a maior parte de nossas fontes de energia são renováveis, mas a cadeia de produção é perpetrada por violações de direitos humanos, essa energia é realmente “limpa”? As comunidades que têm sua vida afetada pela construção de hidrelétricas ou parques eólicos têm o mesmo acesso à energia que os grandes centros do país? A transição energética é justa para os trabalhadores da indústria de combustíveis fósseis? Os grupos impactados por novos projetos energéticos são ouvidos e consultados pelas instituições que as financiam, aprovam e implementam?

São questões como essas que queremos que sejam investigadas nas Microbolsas Energia e Crise Climática. Estamos em busca de pautas que partam do ponto de vista da população e da defesa dos direitos humanos, valores compartilhados pela Agência Pública e pela Conectas. 

Para fazer a inscrição, é necessário enviar uma pré-apuração, roteiro de pauta, cronograma e orçamento. A bolsa deve ser usada para custear a produção da reportagem, da forma que a/o repórter preferir. O regulamento do edital pode ser acessado aqui. Outras dúvidas podem devem ser encaminhadas para contato@apublica.org.

O resultado das Microbolsas Energia e Crise Climática será divulgado entre o final de março e o início de abril. As reportagens devem ser publicadas até julho de 2023.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes